m, 2017

12mai(mai 12)7:00 PM28(mai 28)8:00 PMO Rei da Glória estreia no Sesc Tijuca, dia 12 de maio7:00 PM - 8:00 PM (28) Sesc TijucaAgenda cultural:Teatro

Detalhes

Um traficante, que vende objetos usados na calçada da Glória, apresenta – num falso documentário – seu ponto vista sobre o bairro e as pessoas que por ali circulam. Um pastor, um homem que mora numa árvore, uma mulher sinestésica e apaixonada, uma virgem grávida e um ator, que também é MC, têm suas vidas cruzadas pelas esquinas da Glória, sob olhar atento de um documentarista. A partir de uma profunda pesquisa de linguagem, o ator e diretor Anderson Cunha escreveu o monólogo O Rei da Glória, uma crônica poética dos dias atuais, que estreia no Sesc Tijuca no dia 12 de maio. A curta temporada será de sexta a domingo, até 28 de maio.

Inspirado em autores contemporâneos como Matéi Visniec e Valere Novarina, Anderson iniciou o projeto há quatro anos escrevendo sobre figuras comuns de um grande centro urbano, de forma fantástica e irônica. Com o tempo, escolheu o bairro da Glória para ser o cenário da narrativa. “Estes personagens, muitas vezes invisíveis aos olhos de quem passa, ganham dimensão espetacular e dilatada na peça”, destaca Anderson. “São como a frequência de rádio: numa sintonia fina, se misturam e se impõem diante do espectador”.

Rico Star vende objetos usados na calçada do bairro e observa a vida dos transeuntes: o Pastor, que usa o dicionário ao invés da Bíblia e prega o uso das palavras; Bóson, um homem que mora numa árvore, cuja loucura toca a genialidade; EMC ao Quadrado, ator e MC que acredita na revolução e paga um alto preço por isso; Rebeca, uma mulher apaixonada e sinestésica; Clarisse, uma virgem grávida que movimenta a cidade com a espera de um Messias; e um Cineasta que registra os depoimentos enquanto tenta resolver seus problemas amorosos com Rebeca. Anderson interpreta os cinco personagens masculinos. Rebeca e Clarisse entram em cena com locução em off.

Para construir cenicamente o monólogo, o ator e diretor – que escreveu o texto e também atua na montagem, convidou Guilherme Miranda para assinar a direção ao seu lado. “Meu papel é ajudá-lo a dançar nas sutilezas propostas por seu texto, sem deixar subtrair ou facilitar o que esta plataforma nos oferece”, destaca Miranda. “Anderson tem domínio do corpo e voz em cena, então me sinto como um expectador privilegiado”.

O Rei da Glória aponta questionamentos sobre intolerância, pobreza, marginalização e o caos contemporâneo. “Numa época em que a intolerância e a falta de bom senso imperam, o monólogo utiliza o realismo fantástico e uma ironia lúdica para fazer uma crítica ao cotidiano”, conclui Anderson.

FICHA TÉCNICA

Texto e atuação: Anderson Cunha
Direção:  Guilherme Miranda e Anderson Cunha
Direção de arte:  Ronald Teixeira
Cenografia e Figurinos:  Ronald Teixeira e Guilherme Reis
Iluminação:  Paulo César Medeiros
Direção de movimento:  Clarice Silva
Fonoaudióloga: Luisa Catoira
Trilha Sonora:  Guilherme Miranda e Anderson Cunha
Assistência de direção: Renata Benicá
Direção de Produção:  Andreia Fernandes e Lya Baptista
Programação Visual:  Silvio Cunha e Rodrigo Micheli
Assessoria de Imprensa: Bianca Senna
Fotografia:  Rodrigo Castro
Mídias Sociais:  Rafael Teixeira
Vozes em off: Julia Shaeffer, Márcio Machado, Guilherme Miranda, Renata Benicá, Adriano Pellegrino e Thaine Amaral
Coordenador Técnico/ Operação: Moisés Farias
Realização:  Cavalo Marinho Produções Artísticas Ltda.

O REI DA GLÓRIA

Temporada: De 12 a 28 de maio de 2016.
Local: Sesc Tijuca – Teatro II (Rua Barão de Mesquita, 539 – Tijuca)
Informações: (21) 3238-2139
Dias e horários: De sexta a domingo, às 19h.
Capacidade: 50 pessoas
Duração: 50 minutos
Classificação indicativa: 14 anos
Ingressos: R$25 (inteira), R$12 (estudantes e idosos) e R$6 (comerciários)
Horários da bilheteria: terça a sábado, de 7h às 20h. Domingo, 9h às 20h.

Horário

12 (Sexta) 7:00 PM - 28 (Domingo) 8:00 PM

Localização

Sesc Tijuca

Rua Barão de Mesquita, 539

Voltar ao topo