em , , , ,

Batman Day: Relembre os principais momentos da carreira do Homem-Morcego

Hoje é dia do Batman! A DC oficializou a data que já está no seu terceiro ano. Aqui no Brasil, Aqui no Brasil, a Panini Comics também está promovendo um encontro para celebrar o “Batman Day”.

o Dia do Batman foi introduzido pela primeira vez para honrar o 75º aniversário do personagem icônico e continuando a tradição, o evento vai ser palco dos principais anúncios no mundo da DC Comics e também disponibilizará promoções, brindes e muito mais, tudo para honrar o personagem que se tornou um super-herói para muitas gerações e continua a inspirar fãs em todo o globo.

Aqui na Revista Ambrosia, nós celebramos a data lembrando os momentos marcantes do Batman na cultura pop

O Debut

detective-comics-27

Claro, não estaríamos falando sobre Batman se não fosse pela Detective Comis número 27 lançada em maio de 1939. O clima já era bastante sombrio.

A estreia no cinema

lewis-wilson-1

Estrelada por Lewis Wilson, tratava-se de um seriado, como os de TV, tão populares até hoje. Como na época a televisão ainda estava chegando ao mercado estadunidense, as séries eram acompanhadas nos cinemas. Havia Super-Homem, Flash Gordon, Mandrake, Tarzan, Buck Rogers, todas acompanhadas semanalmente pelo público, e Batman fez parte dessa leva. Como os recursos eram parcos, a qualidade deixava a desejar. Os uniformes de Batman e Robin eram vergonhosos, fariam feio diante de qualquer cosplay hoje em dia. Isso sem falar nos diálogos e nas cenas de ação, responsáveis pelo humor involuntário da produção. A série contava com 15 episódios. Em 1949 houve uma nova série, também com 15 episódios, desta vez estrelada por Robert Lowery.

A série de TV

batman anos 60

Para muita gente, esse foi o primeiro contato com o Homem-Morcego. Fortemente influenciado pela psicodelia dos anos 60, a série tinha uma pegada de humor que se alternava entre o bufão e o fino sarcasmo. A série completou 50 anos no início de 2016 (leia sobre)

Frank Miller

frank_miller_batman

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não há como dissociar o nome de Frank Miller da trajetória do cruzado de Gotham. Nos anos 80, Miller reinventou o personagem com “Ano Um” e “O Cavaleiro das Trevas”. Com essas HQs de temática sombria e violenta, o colorido da série dos anos 60 e da série animada dos 70 ficou definitivamente para trás.

A superprodução cinematográfica

batman

Lançado nos EUA em 23 de junho de 1989, Batman foi uma superprodução dirigida por Tim Burton, que realizara Os Fantasmas Se Divertem, era cheia de superlativos e recheada de nomes estelares como Jack Nicholson, Jack Palance, Kim Bassinger, a então senhora Mick Jagger, Jerry Hall e o eterno Lando Calrissian, Billy Dee Williams, na pele de Harvey Dent. O filme era fortemente influenciado pelas HQs de Frank Miller.

O uniforme de malha seria substituído por uma armadura, que surtiria um efeito mais cool e distante do visual um tanto patético dos anteriores. Os motivos que decepcionaram os fãs das HQs, além da escolha do ator principal, foram as cenas de ação pouco empolgantes, um roteiro frouxos e com muitos furos. Por outro lado, foi indiscutível a atuação brilhante de Jack Nicholson como o Coringa, a primorosa direção de arte de Terry Ackland-Snow e Nigel Phelps, claramente inspirada em O Cavaleiro das Trevas, além da trilha sonora marcante de Danny Elfman.

A queda do morcego

batman-knightfall-vale

No início dos anos 90 as revistas dos heróis da DC estavam em queda. Para alavancar as vendas, foi preciso um golpe radical: a morte do Super-Homem. E logo em seguida, Batman também sairia de cena, ficando paraplégico em um violento embate com o vilão Bane. Foi a mais longa saga já publicada nas revistas do Batman, tendo durado aproximadamente 2 anos. E é uma saga muito mais bem resolvida do que a do Homem de Aço.

O Cavaleiro Ressurge nas telonas

batman_trilogia_cavaleiro_trevas_vale

Depois de um terceiro e quarto filmes pífios, a Warner queria voltar a Gotham City, mas de forma que não decepcionasse nenhum fã. Foram anos de especulação sobre um recomeço da série enquanto nomes como Darren Aronofsky eram cogitados. Até que em 2005, o britânico Christopher Nolan (de Amnésia e Insônia) assumiu o reboot da franquia, desta vez com uma proposta mais realista, que se mostraria a mais acertada. Ao invés de focar a trama nos vilões, mudou o fio condutor da trama para o herói, cuja complexidade rende um rico material se bem explorada. No fim tivemos o ótimo “Batman Begins”, o magistral “Batman: O Cavaleiro das Trevas” e o bom “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge”.

Arkham

Batman-Arkham-City-5

A série Arkham é a melhor empreitada do cavaleiro de Gotham nos games. O jogo combina ação, ação furtiva e investigação, proporcionando a jogador uma experiência de imersão no universo do Batman como jamais fora experimentada. A proposta de fazer o jogador ser o Batman foi se ampliando a cada título.

Gotham

gotham_serie

Bem sucedido spin off na TV tem a cidade como protagonista. É o melhor título da DC/Warner na TV atualmente.

 

Deixe uma resposta

Publicado por Cesar Monteiro

Cesar Monteiro

Um viciado em cultura pop que adora compartilhar seu vício com o maior número de pessoas possível

As intervenções da artista polonesa Julia Borzucka

Diretor de “Olympia 2016” em entrevista exclusiva para a Revista Ambrosia