em

A transgressão de Asumiko Nakamura no complexo “Utsubora”

A amizade construída em tempos de redes sociais é incrível. Acabo de terminar a leitura de dois tomos que um amigo me enviou da Espanha. Utsubora é um(a) mangá que apresenta uma das autoras japonesas mais polifacéticas e complexas do panorama atual, Asumiko Nakamura. Não a conhecia e creio que o mercado brasileiro ainda não tenha publicado nada desta mangaká, por trazer histórias em gêneros não tão visíveis, como o yaoi ou o yuri e com um estilo gráfico que se afasta completamente do mangá mais comercial.

No caso de Utsobora, Nakamura segue em outro gênero, se afastando do hentai e indo para uma narrativa shounen, construindo a história seguindo o estilo de um thriller, em que as relações entre os personagens criam uma trama de mistério na qual nada é o que parece e todos estão escondendo algo.

A narrativa começa com um suicídio e como as duas únicas pessoas que tinham um certo contato com a falecida se veem envoltos numa investigação policial para descobrir se o suicídio foi na realidade um assassinato. Assim conhecemos Jun Mizorogi, um escritor reputado que está publicando um novo livro, Utsubora; Sakura Miki, a irmã gêmea de Aki Fujino, a moça que suicidou, e vários personagens que ajudam a dar credibilidade e complexabilidade ao mundo em que os protagonistas adentram, como um amigo escritor de Mizorogi, seu editor, os investigadores, a sobrinha do escritor.

O certo é que Utsubora tem dois planos distintos: o primeiro, está relacionado a temas com a ambição artística e o êxito de seu trabalho, a artificialidade da beleza nos dias de hoje e sua importância para alcançar determinadas metas, a complexidade da metalinguagem e os processos de construção de identidade na sociedade contemporânea. Por outro lado, é especialmente como a autora converte a historia sobre a investigação policial em um relato de suspense com uma narrativa que começa despretensiosa e se desenvolve em um sem fim de analepses que nos mostram as relações que os personagens escondem e vai dando, pouco a pouco, as peças para resolver o quebra-cabeça. E com um traço fino e sóbrio Nakamura consegue não só criar uma história muito sólida, como uma narrativa complexa que se sustenta tanta na composição dos quadros e vinhetas como na posição dos balões de diálogos para guiar a leitura, fazendo de sua arte como um fio condutor para sua história.

Nakamura desenvolve um relato sobre o fanatismo, o desejo de entrar na ficção, sobre o quixotismo extremo no qual confunde-se a realidade com a fantasia. Tudo relacionado com a construção de nossa identidade nos dias de hoje, onde muitas vezes podemos notar o nosso reflexo muito mais recorrente em uma ficção do que em eventos da vida real, e como esta fantasia nos abduz a um mundo fictício que desejamos que fosse real. Sob esta premissa parte Utsubora, e sua autora nos passa um conto sobre um mundo de beleza e artifício, de sensualidade e sexualidade onde o falso dá sua mão ao real para acabar questionando como se forma a realidade e como a fantasia forma parte dela. Espero ser publicada por aqui, mas a edição espanhola está maravilhosa.

Deixe uma resposta

Publicado por Cadorno Teles

Habitante das terras áridas dos vales, guerreiro aposentado que desgraçadamente foi jogado numa dimensão que ninguém acredita nele. Se tornou professor, e nos momentos livre aproveita para ler e levar livros pelo sertão. RPG, quadrinhos, literatura e cinema estão entre seus vícios, para esquecer ou mesmo lembrar de seu mundo originário.

“La Vingança” faz um divertido intercâmbio entre Brasil e Argentina

Livro “Lembranças do sítio” fala da memória do tempo, corrente(za)