em ,

Breve análise dos 9 indicados a melhor filme no Oscar 2017

LA LA LAND de Damien Chazelle

O alcance de filme pode ser medido pelo tanto que se discute sobre ele. Uma ode ao cinema, ao sonho e ao que se pode fazer com eles. Além do bom uso de velhas formas em novas perspectivas. Encantador.

Leia as críticas aqui e aqui.

MOONLIGHT de Barry Jenkins

Espetacular a forma como esse longa demonstra a universalidade do indivíduo em confronto interno e externo com seu próprio meio. E uma direção das mais singelas e belas do cinema americano. Filmaço!

Leia a crítica aqui

A QUALQUER CUSTO de David Mackenzie 

Um dos grandes filmes do ano. E sendo grande exatamente por melhor expor a decadência moral da sociedade americana. Merece muito mais atenção do que vem tendo…

Leia a crítica aqui

LION de Garth Davis

LION, Sunny Pawar, 2016. ph: Mark Rogers. ©The Weinstein Company/courtesy Everett Collection

Quando uma história real sobre lacunas emocionais ganha tamanha dimensão que nem seu próprio filme consegue dar conta de si. Mesmo imperfeito, um filme comovente.

Leia a crítica aqui

A CHEGADA de Denis Villeneuve

Metáfora cheia de personalidade de Denis Villeneuve sobre tantas questões atuais que o filme ganha uma complexidade consistente para além de suas telas.

Leia a crítica aqui

ATÉ O ÚLTIMO HOMEM de Mel Gibson

Mais um grande filme de Mel Gibson, muito mais talentoso na arte que íntegro na vida. Essa contradição faz bem ao longa. É o toque de controvérsia que faltava na fábula que apresenta. Uma forte parábola sobre convicções.

Leia a crítica aqui

ESTRELAS ALÉM DO TEMPO de Theodore Melfi

Um simpático retrato de como a resistência pessoal em um cenário social, mudou todo um caminho, que ainda está sendo aberto. Mesmo como toda perfumaria bem hollywoodiana, dá para aceitar a pecha de “edificante” sem medo de soar pejorativo. Não há melhor palavra para classifica-lo…

Leia a crítica aqui

MANCHESTER A BEIRA MAR de Kenneth Lonergan

Diálogos que falam muito de si. Roteiro estruturado e emocionado. Diferente de Um Limite Entre Nós, aqui o teatro realmente é a base, não a forma de seu cinema. E a complexidade dos sentimentos nunca é banalizada.

Leia a crítica aqui

UM LIMITE ENTRE NÓS de Denzel Washington

Puro teatro filmado. Um discurso importante. Uma Viola Davis. O arrepio que ela proporciona. Esse filme realmente precisa de poucos elementos para refletir. Mesmo preso a um excessivo rigor teatral.

Deixe uma resposta

Publicado por Renan de Andrade

Renan de Andrade

A paixão pelo audiovisual me pegou de assalto desde o berço. Assim como a necessidade de desbravar o alcance da comunicação. Formado em Jornalismo e atuando nas áreas de roteiro e direção na TV, sinto-me cada vez mais imerso nos matizes da arte (audiovisual) e da vida (comunicação).

“Caçambas” faz da poética um traço de percepção agudo sobre os condutos das coisas

Sete grandes “zebras” da História do Oscar