Na semana passada Kevin Feige, produtor e presidente da Marvel Studios, comentou que a empresa já está trabalhando em sua quarta onda de filmes. Se lembramos bem, o estúdio de fato divide seus lançamento em ondas: na primeira tivemos Homem de Ferro e O Incrível Hulk, ambos de 2008; pulando 2009 fomos para a segunda onda com Homem de Ferro 2 em 2010 e agora Thor e Capitão América; para a terceira já esperamos Os Vingadores, que está em pré-produção, um possível longa-metragem dos Fugitivos e o Homem-Formiga.

No que diz respeito aos fãs de quadrinhos e curiosos sobre cinemas de super-heróis e HQs em geral isso é ótimo. Todavia é importante ressaltar que uma expansão tão rápida como esta necessita de um controle cada vez mais cuidadoso e bem planejado ou as coisas tendem a sair dos eixos. Sobre os Vingadores Feige disse o seguinte:

Thor vai entrar numa nova aventura e o Capitão América continuará a explorar o mundo moderno num outro filme dele. Esperamos que todos os personagens que aparecem e aparecerão nestes filmes – Viúva Negra, Gavião Arqueiro, a SHIELD – sejam capazes de ter seus próprios filmes. Temos muitos outros personagens que estamos preparando para isso também em todos os âmbitos: artes marciais, fantasias cósmicas e o lado mágico do Universo Marvel com o Doutor Estranho. Há muitas histórias a serem contadas.

Percebam como a expansão pode ir longe aqui. É natural de uma empresa querer levar seus produtos a um público cada vez maior e, se tratando de marcas registradas que são personagens, quanto mais deles puderem ser levados a outras pessoas melhor. Entretanto existe o fator apelo quando se fala de cinema. Para que o filme dê certo a uma grande massa é necessário que a história seja suficientemente boa e com o apelo necessário ou então esta empresa está fadada ao fracasso. Teria o Gavião Arqueiro este fator apelativo, por exemplo?

Peguemos um outro exemplo: o caso da SHIELD. Naturalmente eles teriam que explicar o surgimento desta entidade bem como o de seu líder, além de colocar nomes bem conhecidos das HQs lá dentro – dentre eles Dum Dum Dugan, Valeria, Maria Hill etc. Não seria mais interessante vincular a Viúva Negra e o Gavião Arqueiro à SHIELD (como, aparentemente, já estarão) e transformar tudo num grande filme de ação com a presença de Nick Fury? Algo semelhante à Trilogia Bourne poderia funcionar.

Uma movimentação esperta para a Marvel Studios permanecer saudável e se expandindo sempre – ou pelo menos ficar estável – é fazer filmes de temáticas diversificadas nas quais seus personagens caibam. Um filme do Surfista Prateado não precisa ser necessariamente sobre ele mas sobre o Universo Marvel fora do planeta Terra numa aventura temática espacial. Um filme do Punho de Ferro pode acontecer ao lado do Mestre do Kung Fu em dois lugares diferentes, tais como a China e os Estados Unidos envolvendo máfia, busca pela paz interior da arte marcial e muitos outros elementos típicos e imortais.

As possibilidades são muitas. O mais importante é que os responsáveis pela Marvel Studios saibam expandir suas visões além da lucratividade hollywoodiana e se tornem realmente uma empresa responsável pela transposição de grandes marcas a uma mídia muito mais popular sem se prender ao formato padrão do cinema americano de super-herói criado na década passada. “Pensar fora da caixa” é a chave do negócio.

[Este artigo é baseado no original do blog SpinOff]

  • Marcelo Soares

    Tb acho que é mais viavel pra Marvel Studios fazer um filme da SHIELD com uma missão de ação contra um inimigo só (IMA?) e nele colocar a Viuva, o Gavião, e outros que possam aparecer em uma unica coisa mesmo, do que um filme para cada um. Esse é até mais facil, afinal é contar origem do grupo e uma missão a cumprir, podendo se fechar com referencias a fatos dos outros filmes ja feitos (como o que a Shield estava fazendo quando o Homem de Ferro e Hulk surgiram?)

    Sobre os outros segmentos de generos heróicos. O espacial pode-se explorar (e com o sucesso do novo Star Trek mostrou que ainda tem espaço no cinema) usando ate a versão espacial da SHIELD a SWORD como ponto de inicio da implementação de personagens cosmicos (Imperio Shiar, Nova), ainda mais se os vilões dos Vingadores forem os Skrulls (abrindo brecha para os Krees e o Capitão Marv-Vell).

    O Dr. Estranho nem precisa se conectar com os outros heróis nao é? Sò fazer histórias misticas e pronto, assim como o Punho de Ferro. Não acho que seja apressada não essa expansão, afinal é lucro, enquanto sair filmes pelo menos divertidos e coerentes ta legal. O problema pode ser desgastar demais o genero no cinema.