A cidade. O Chrysler building, a ponte do Brooklyn, o cintilar do sol sob os arranha-céus. A história de Manhattan se funde à de Carrie Bradshaw, e temos um flash dos anos 80 quando a mocinha recém-chegada tenta pegar um táxi. Nos dias de hoje, o que cintila é o dourado de seus saltos Louboutin. Charlotte, Miranda e Samantha também estão de volta. As quatro amigas são a cidade.

Sex and the City 2 começa mostrando a vida de casada de Carrie e Mr.Big. Sem a cobertura na 5ª avenida eles estão mais próximos do chão, mas há um closet que é um pedaço do paraíso. Os dois anos casada se transformaram no novo livro de Carrie, que depois de passar a vida escrevendo sobre procurar o amor e finalmente encontrá-lo, agora lida com o lado maduro da vida a dois.

O casamento dos amigos Stanford e Anthony, a glamurosa premiére do novo filme de Smith Jerrod, compras e coquetéis com as amigas são algumas das coisas que fazem Carrie Bradshaw se sentir Carrie Bradshaw. Mas como manter o brilho no casamento, quando tudo parece girar em torno de um sofá, uma nova TV e comida entregue em casa? Carrie finalmente tem tudo que sempre quis, mas há algo que não se encaixa na vida de “Sra. Preston”.

Uma fuga para seu antigo apartamento vem como um alívio, mas vira preocupação quando Big sugere que ambos tenham dois dias de “folga” da relação por semana. Assim, o casamento parece mais um emprego… a verdadeira folga vem quando Samantha é convidada por um sheik a passar uma semana nas areias de Abu Dhabi. É a oportunidade perfeita para as amigas se reunirem não só umas com as outras, mas com suas identidades individuais.

Miranda deixou o emprego para se dedicar mais à família, mas seu amor por eles não é tudo em sua vida. Charlotte finalmente tem tudo que sempre desejou, mas a maternidade parece mais do que ela pode suportar. Samantha só quer se divertir. Carrie continua tentando decifrar o amor, e um encontro inusitado com o ex-noivo Aidan faz com que ela se sinta a mesma garota de dez anos atrás.

Mas será que depois de tanto anos, é isso que ela realmente deseja? Carrie não é uma mulher como as outras, e a idéia de um casamento tedioso está longe do seu ideal, mas a vida de festas talvez tenha ficado para trás. Para que o passado não destrua o futuro, Carrie precisa amadurecer sua visão de relacionamento, e entender que o brilho de uma relação pode estar em coisas simples como um filme em preto e branco.

Nessa aventura, temos a conclusão da jornada pessoal da personagem. O fim das perguntas que durante anos motivaram sua coluna semanal e geraram seus livros. É uma história sobre como manter o seu final feliz e respeitar sua individualidade. Temos todos os elementos que cativaram milhões de fãs nesses anos todos: moda, riso, cores, emoção e amizade. Mas com maturidade.

Doze anos após o início da jornada, tanto o público quanto os atores conhecem esses personagens. A excelente Cynthia Nixon mostra o lado divertido de Miranda e uma ótima sintonia com Kristin Davis, que emociona e faz rir como Charlotte. Sarah Jessica Parker é a estrela, mas as próprias questões de Carrie fazem com que ela perca um pouco do brilho para Kim Catrall. Agora que as outras estão casadas, Samantha é a única a manter o sexo como tema, e entre as burkas e camelos do deserto, seu horror com a menopausa rende os momentos mais engraçados do filme.

Com a franquia fazendo tanto sucesso, é provável que o diretor Michael Patrick King consiga criar um teceiro filme, mas não é necessário. Sex and the City 2 parece por fim a busca de Carrie Bradshaw.

Ela cresceu.

  • Parece bacana, que bom que a série tem continuado bem nos cinemas (ao contrário do que acontece geralmente).

  • Fabricio Longo

    É, como eu disse, não vejo necessidade de outra continuação, já que na minha opinião esse filme concluiu tudo.
    Mas, como fã, é claro que gostaria de rever as garotas num filme legal. Cabe ao diretor inventar algo que ainda não tenha sido explorado…