em ,

“O Muro”, usa da ingenuidade de uma criança para narrar uma fábula política e ideológica

Joshua tem 13 anos e mora com a mãe e o padrasto em Amarias, um lugar isolado no topo da montanha, onde todas as casas são novíssimas. Na fronteira da cidade, há uma barreira bem alta, guardada por soldados fortemente armados e que só pode ser cruzada através de um posto de controle. Ninguém deve entrar naquele lugar, e quem está lá não tem permissão para sair. Desde pequeno, ele sabe que, do outro lado daquela muralha, há um território violento e implacável e que O Muro é a única coisa capaz de manter seu povo em segurança. Desde pequeno, ele sempre ouviu que, do outro lado, havia um território proibido, um lugar violento e perigoso, do qual um garoto como ele deveria manter distância. Um dia, a bola de Joshua cai do outro lado do Muro e, ignorando tudo o que sempre ouviu, ele vai atrás dela e acaba descobrindo um túnel que o leva a uma realidade que jamais imaginou encontrar. Lá ele acaba caindo nas mãos de uma gangue sanguinária, mas a bondade de uma menina salva sua vida. Porém isso acaba desencadeando um ato de extrema crueldade e o coloca em dívida com ela… Uma dívida que ele fará de tudo para pagar.

Com uma sinopse como essa, O Muro (The Wall, tradução de Rodrigo Abreu) atrai os leitores de fábulas modernas como O menino do pijama listrado de John Boyne ou A menina que roubava livros de Markus Zusak de imediato. Mas de maneira diferente, seu autor, não usa do embasamento histórico para narrar sua história, e sim de uma distopia. E assim que passei pelo O Muro de William Sutcliffe adianto que gostei, mas não tanto como esperava.

A narrativa tem como cenário uma cidade onde a paz reina ou é isso que parece. Amarias é a cidade imaginada por Sutcliffe, onde vive Joshua, o protagonista, um menino que fará refletir através de seus pensamentos e diálogos.  O Muro é uma história carregada de realismo contemporâneo, muros já existiram para separar duas sociedades diferentes ou simplesmente por não ter o mesmo nível aquisitivo que o vizinho e muros seguem existindo, muros para controlar a população. Há também uma analogia a uma população tranquila, dominada pelo receio do que ocorrerá se tudo se perder.

Sensível e não usa da violência para passar a mensagem, se esperas uma distopia com ação e sangue não achará aqui, é mais profundo, e dolorida de que toda história tem dois lados. Narrada em primeira pessoa, sob a perspectiva de Joshua, conhecemos tanto a cidade de Amarias e sua família, como também o que há no outro lado do muro e o que conheces. (Não irei revelar nada por detrás do muro, pois é um dos melhores aspectos do livro).

A identidade é um tema que surge nesta narrativa e não depende de onde nascera, nem de qual é a sua família, e sim, do lugar onde queres viver e a quem consideras tua família. O que Joshua conhecia de lealdade e justiça é virado de cabeça para baixo, e é nesses outros dois temas que o autor constrói essa fábula contemporânea.

Os personagens estão bem construídos. De uma parte encontramos o protagonista mal comportado, mas que a medida que a narrativa avança vai crescendo em amadurecimento, decidido e com bom coração que irá surpreender os leitores ao longo das páginas. Suas reflexões são transmitidas de uma maneira singular, pela forma simples que ver as coisas. O padrasto de Joshua, Liev, é um típico antagonista que segue o tio Válter Dursley de Harry Potter ou o tutor dos irmãos Baudelaire.

O Muro é um livro surpreendente, baseada num futuro bem real, em que um muro separa os privilegiados dos não-privilegiados, e o medo ao diferente e o ódio são a base para sua trama. Com final tão inesperado, que deixarei vocês com isso na mente. Leiam, aguardo comentários.

Deixe uma resposta

Publicado por Cadorno Teles

Habitante das terras áridas dos vales, guerreiro aposentado que desgraçadamente foi jogado numa dimensão que ninguém acredita nele. Se tornou professor, e nos momentos livre aproveita para ler e levar livros pelo sertão. RPG, quadrinhos, literatura e cinema estão entre seus vícios, para esquecer ou mesmo lembrar de seu mundo originário.

Realizadores e produtores de cinema debatem mercado audiovisual internacional no FICA 2017

A fofura e a cretinice de “Tudo e Todas as Coisas”