Já virou tradição algumas atrações do Lollapalooza Brasil realizarem shows em pequenos espaços, onde o clima é bem mais intimista e a plateia é praticamente toda formada por fãs de carteirinha. Em São Paulo ocorreram as Lolla Parties (que contaram com The 1975, Tove Lo e Glass Animals) e no Rio, na noite de anteontem, se apresentaram no Circo Voador Two Door Cinema Club e Jimmy Eat World. E não é exagero afirmar que quem opta por esses shows acaba levando a melhor.

Em um grande festival, bandas como as citadas se apresentam ao longo do dia, para uma plateia composta em sua maioria por fãs dos headliners, última atração da noite. Sobra para eles um palco enorme, que dá uma sensação de “roupa larga”, e um ou outro fã que está ali também para vê-los. Em ocasiões específicos, como na Lapa carioca, é bem diferente. O evento foi organizado pelo Queremos (grupo de crowdfunding que traz atrações internacionais ao país). Assim sendo, ali estão os verdadeiros fãs, que sabem todas as letras de cor e gritam o nome dos integrantes das bandas.

O Jimmy Eat World abriu os trabalhos da noite com um show bem superior ao do Lollapalooza no domingo. Apesar dos quase 25 anos de carreira, são estreantes no Brasil. A banda americana do Arizona, que faz uma sonoridade power pop/punk bubble gum, é conhecida como one hit wonder. A música ‘The Middle’, do disco de 2001, é seu único grande êxito nas paradas de sucesso. Para surpresa dos que nem sabiam que eles ainda estavam por aí, eles estão com disco novo na praça.

Jimmy Eat World

Com boa recepção do público presente, que tinha uma boa parcela para vê-los, mesclaram músicas novas, como ‘Sure and Certain’ com as mais antigas ‘Bleed american’, ‘Sweetness’ entre outras. Ficou claro, na comparação com a apresentação de dois dias antes, que é uma banda que rende melhor em locais menores, com contato mais direto com o público, o que garantiu um show empolgante, que fechou com o Circo quase indo abaixo ao som do maior hit (teve até gente subindo no palco).

E o clima ficaria ainda mais festivo. O Two Door Cinema Club subiu no palco com a plateia em suas mãos. O palco contava com painéis (na verdade telas de led) que eventualmente compunham um telão. Também com disco recém lançado (“Gameshow”), o TDCC detonou o material novo com energia, que teve recepção calorosa, sobretudo na já considerada hit ‘Bad Decision’. Contudo, a comoção vinha mesmo nos sucessos dos dois álbuns anteriores como ‘Undercover Martyn’, ‘This is the Life’, ‘Changing of the Seasons’, ‘Sleep Alone’ e ‘Something Good Can Work’.

A banda se formou em 2007 na Irlanda do Norte, claramente influenciada pela geração que estava estourando no rock britânico naquela época, como Kaiser Chiefs, Artic Monkeys, Kooks e Fratellis. Atingiram o mainstream em 2010 com o debut “Tourist History”. Hoje, o trio formado por Alex Trimble (vocal e guitarra), Kevin Baird (baixo e backing vocals) e Sam Halliday (guitarra e backing vocals) mostra pleno domínio de palco. Eles ainda contam com dois músicos de apoio: um baterista e um pianista e tecladista, que também contribui com reforço na guitarra e opera os sintetizadores.

Essa já é a segunda vez dos rapazes por aqui, e o show de quatro anos atrás foi lembrado por Trimble. ‘Eat That Up, It’s Good For You’ e ‘Sun’ fecharam a parte regular do set, que contou com duas músicas a mais do que no show do Lolla. Na volta para o bis foi a vez de ‘Someday’ e o ponto alto, a obrigatória ‘What You Know’, maior hit da banda. Depois do show da última terça, não é preciso ser adivinho para prever que o TDCC voltará em breve.