A artista mineira Marilda Castanha traz em Sem fim a convivência entre um homem e uma árvore de uma maneira belíssima, onde as imagens também contam histórias. Com as ilustrações, feitas em tinta acrílica e máscara de aquarela, a autora convida o leitor a pensar a própria relação com a natureza. Mas para isso as imagens pedem que o leitor seja criativo e ousado porque não havendo palavras, elas precisam ser inventadas. Nesta narrativa visual quem imita quem? O homem imita a árvore ou a árvore imita o homem? Mas será que um tenta imitar o outro? Ou é desafio. E nesse caso, quem desafia quem? A natureza desafia o homem ou é o homem quem desafia a natureza? Há um vencedor no fim? Ou no fim há outra história? Outras histórias. Há somente dor ou, pelo contrário, há muita esperança nesse sem fim de narrativas que não param de brotar.

O trabalho é o único representante brasileiro selecionado e premiado no Nami Concours deste ano, realizado na Coréia do Sul e que, a cada dois anos, seleciona e premia os maiores expoentes dos “picture books” (os livros de imagens) do mundo. Um convite da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) para a autora Marilda Castanha também fez com que uma das ilustrações da obra fosse capa do catálogo da entidade para a Feira de Bolonha 2017.