O texto abaixo pode conter spoilers

Parece que a Microsoft não achou muita graça na brincadeira feita com um de seus produtos em “Guardiões da Galáxia Vol. 2”. No final do filme, após ter seu walkman quebrado, Peter Quill (Chris Pratt) ganha de Kraglin (Sean Gunn) um Zune, aquele player de MP3 que a Microsoft lançou há 14 anos para tentar competir com o iPod… e naufragou. O dispositivo é apresentado a Quill como uma grande evolução tecnológica, “o que se usa hoje na Terra, com capacidade para mais de 300 músicas (!!!)”. A piada está justamente aí, já que os celulares hoje englobam a função de tocadores de música, além disso, em um mundo de streaming MP3 ficou para trás.

Mas a Microsoft não interpretou dessa forma. Durante um Q&A no Facebook, o diretor James Gunn disse que a Microsoft se opôs à referência, porque zombaria do fato de o Zune ter sido um notório fiasco. No entanto, ele também apontou que o dispositivo de música da Microsoft tem um papel fundamental no filme porque cria um momento de ligação entre Peter Quill e Baby Groot.

“Enquanto [Peter Quill] começa a ouvir a música … Baby Groot sobe em seu colo”, Gunn explicou. “E quando vemos Peter Quill olhando para Baby Groot, vemos o amor de um pai por seu filho. E é um momento muito altruísta por parte de Peter Quill.” Disse Gunn.
“É por isso que esse momento é tão importante para mim no filme, e por isso é tão importante para o desenvolvimento de Peter Quill”, acrescentou.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 está em cartaz no Brasil e já é um dos grandes sucessos do ano, se mantendo pela segunda semana consecutiva em primeiro lugar nas bilheterias americanas. O terceiro filme já está marcado para ser rodado e James Gunn assume mais uma vez a direção.

Fonte: NME