em

‘Resistência’ traz uma história de esperança às sombras do Holocausto

A Rocco apresenta em seu selo Fábrica 231, uma narrativa que aborda o Holocausto e parece que apesar da oferta de obras que abordam o tema seja enorme, a combinação de pesquisa, enredo e escrita como foi apresentado no teaser da editora para com este livro me chamou a atenção. Resistência foi eleito como  Livro notável pelo The New York Times; Livro do Ano pela Amazon e pela Publishers Weekly; indicação de leitura dos principais veículos de imprensa norte-americanos, escrito pela jovem norte-americana Affinity Konar,  traz a trajetória de duas irmãs gêmeas lutando pela sobrevivência na Segunda Guerra Mundial.

Pearl e Stasha chegam a Auschwitz em 1944 e ainda vivem sob o encantamento da infância – têm uma conexão muito forte, se entendem, se confortam e brincam juntas, mas é ali que também são transformadas em cobaias de uma medicina não a serviço da cura e da vida, mas da dor e da morte.

Ali, no zoológico de Josef Mengele – o “Tio Mengele”, como gostava de ser conhecido, ou o “Anjo da Morte”, como ficou conhecido – são submetidas a alguns dos piores tipos de atrocidades da História. Sob o terrível pretexto de provar a superioridade da raça ariana, Mengele – que morreu nos anos 70, no Brasil, onde se refugiou – conduzia com gêmeos, anões, grávidas uma série de experimentos científicos grotescos: de amputações sem anestesia à injeção de azul de metileno nos olhos das vítimas na tentativa de mudar sua cor original. Mas não é Mengele o foco do livro, e sim Pearl e Stasha, duas mischling (termo usado pelos nazistas para denotar “mestiços”, “miscigenados”, em referência a judeus com traços arianos).

A autora Affinity Konar, de descendência polonês-judaica.

As irmãs assim conhecem o horror e têm suas identidades fraturadas pela dor e pelo sofrimento. No inverno, Pearl desaparece; Stasha chora pela irmã, mas mantém a esperança de encontrá-la viva. Ao final do conflito, Stasha se depara com um mundo em ruínas, uma Polônia devastada pela guerra, e tenta reconstruir sua vida a partir dali. Romance narrado com uma voz poderosa e única, Resistência desafia qualquer expectativa ao atravessar um dos períodos mais devastadores da história contemporânea e mostrar que há beleza e esperança até diante do caos e ganhou elogios da crítica e de autores como Anthony Doerr, autor de Toda luz que não podemos ver e vencedor do Prêmio Pulitzer. Uma das leituras que quero ter para este 2017.

Deixe uma resposta

Publicado por Cadorno Teles

Habitante das terras áridas dos vales, guerreiro aposentado que desgraçadamente foi jogado numa dimensão que ninguém acredita nele. Se tornou professor, e nos momentos livre aproveita para ler e levar livros pelo sertão. RPG, quadrinhos, literatura e cinema estão entre seus vícios, para esquecer ou mesmo lembrar de seu mundo originário.

Ilhan Ersahin, Fernando Catatau, Yury Kalil e Dengue lançam “Praia Futuro”

Star Wars: Correção no título nacional e anúncio do próximo spin off