em

História e ação na HQ “A Carta”

A promessa de um bom pagamento é o que leva Dimas a se alistar no Exército Brasileiro para lutar na Guerra do Paraguai. Com o salário de soldado, o pobre camponês planeja casar-se com sua amada Dora, mudar-se pra cidade e começar uma nova vida como comerciante. Os horrores e sofrimentos da guerra abatem o entusiasmo de Dimas, mas a chegada de uma carta com notícias sobre Dora renova seu ânimo. O problema é que Dimas não sabe ler, e, logo que chega a carta, começa uma nova batalha, em meio a qual o soldado precisa lutar por sua sobrevivência, enquanto busca alguém que consiga ler as notícias sobre sua amada.

a carta meioO roteiro de “A Carta”, escrito por Carlos Felipe Figueiras e Rodrigo Martins Soldado, prende a atenção do leitor da primeira à última página. É uma narrativa engenhosa e ágil, talvez ágil demais. Desde o momento em que o primeiro tiro é disparado até a sequência final, que se passa após o término da guerra, a ação é praticamente ininterrupta, e o leitor pode ficar com a sensação de que a história termina rápido demais. Mas o roteiro é muito bem construído, não possui momentos fracos, e o final calmo e reflexivo equilibra a obra.

CARTA2-640x480

A arte de Rodrigo Martins Soldado certamente agradará à maioria dos leitores. É simples, mas muito eficiente em retratar tanto momentos de horror, como de ternura e humor. A escolha das cores é ótima, e ajuda a dar o clima desejado para cada cena. Graficamente, os melhores momentos da HQ são aqueles em que as cores ajudam a ressaltar a expressividade dos traços.

Os autores optaram por mostrar os horrores da guerra de modo relativamente sutil, de modo que a HQ pode ser lida por qualquer criança e utilizada em salas de aula. Três textos trazem informações complementares sobre o momento histórico em que se passa a narrativa. A publicação é enriquecida por páginas com rascunhos, desenhos finalizados que acabaram não sendo usados na HQ e artes de vários outros artistas.

“A Carta” é uma leitura agradável para leitores de qualquer idade, com roteiro e arte de boa qualidade. Uma obra com muitas informações históricas, mas que é capaz de cativar até o leitor que detestava as aulas de História. E também uma ótima opção para quem lê quadrinhos em busca de simples entretenimento.

Título: A Carta
Autores: Carlos Felipe Figueiras e Rodrigo Martins “Soldado”
Número de páginas: 76 coloridas
Editora: Devaneio

ACartap04

Deixe uma resposta

Publicado por Gustavo Guimaraes

Arquiteto e ilustrador, aficcionado por
quadrinhos, literatura, música e cinema.

Blog:
http://gustavopop.blogspot.com/

Festival do Rio – Première Brasil: O hermetismo de “Periscópio” depõe contra sua aparente proposta

Festival do Rio – Première Brasil: Otávio Müller e o ensaio sobre a Vida em “Minutos Atrás”