A Rio Comicon veio em sua primeira edição para o Rio de Janeiro, trazendo vários artistas brasileiros e estrangeiros, todos famosos cartunistas, mas nenhum com tanto carisma com o público quanto Mauricio de Sousa.

Esse paulista, nascido em Santa Isabel e filho de poetas, nasceu para brilhar. Começou sua carreira no jornal Folha da Manhã, escrevendo uma coluna policial que ilustrava com desenhos que eram bem aceitos pelos leitores. Seu primeiro personagem a figurar publicamente foi o cãozinho Bidu. Ele e seu dono Franjinha participavam das mais diferentes aventuras, e só um pouco mais tarde que veio a Mônica e seus amigos. As tirinhas da turma apareceram pela primeira vez no suplemento infantil do Estado de São Paulo, O Estadinho, onde são publicadas até hoje.

Mauricio é pai de dez filhos, e foi em alguns deles que se inspirou para criar seus personagens mais famosos como Mônica, Magali, Marina, Nimbus e Do Contra. Além dos amigos e vizinhos que o inspiraram a criar outros personagens como Cebolinha, Cascão entre outros.  E é aí que mora o diferencial nos quadrinhos de Mauricio de Sousa, pois é justamente esse lado família que faz com que a cada dia, mais e mais pessoas se tornem fãs da turminha. Não são meros personagens vindos simplesmente da imaginação do autor, são seus filhos, amigos, vizinhos que o fizeram criar um universo tão rico e cativante.

E enquanto todos se matavam por um minuto da atenção do homenageado Milo Manara na sala de imprensa do evento, eis que surge uma figura sorrateira, com uma simples câmera em punho tentando tietar um pouco esse ilustre convidado. Era ninguém menos que o próprio Mauricio de Sousa, tentando passar despercebido numa frustrada tentativa devo dizer.

Logo a imprensa que estava aguardando por Manara, foi atraída como imã até o Mauricio o cercando de câmeras e flashes de fotos. E ele, todo simpático e sorrisos, percebeu que estava atrapalhando a vez de Manara e saiu da sala, levando consigo metade dos jornalistas, e lá ficou o Manara, o homenageado. Isso porque ele nem deveria estar lá, já que de acordo com a programação ele só deveria aparecer no Domingo.

E agradecendo a sorte consegui conversar um pouco com ele e garantir uma promessa para o dia seguinte. Apesar disso qual não foi a minha surpresa, quando ele me reconheceu e pediu que eu ficasse por perto e esperasse a fila de fãs que aguardavam um tempo por um autógrafo, desenho e foto com a carismática figura de Mauricio de Sousa.


Ele atendeu a todos com um sorriso no rosto, conversou, e se assustou com as relíquias que foram aparecendo, como um jogo de Mega Drive, uma edição dos trabalhos de Hércules com páginas amareladas, revistinhas antigas e a minha relíquia, uma boneca da Mônica com quatro expressões diferentes, a qual ele segurou com todo cuidado e me perguntou aonde eu tinha conseguido aquela boneca. Pude explicar o quanto eu era fascinada na Mônica quando criança e em todos os brinquedos que tive, incluindo festas de aniversário, as fitas em VHS , edições limitadas de historinhas e como no final das contas, essa tinha sido o único brinquedo que restou.


Espantando por ver aquele brinquedo tão antigo ainda intacto ele contou que na época em que foi lançada, lá em 1989, a idéia era mostrar as crianças uma espécie de quadrinho animado, onde a boneca tinha quatro distintas expressões a maior parte sempre usada nas histórias da turminha. Ele deu seu autógrafo no vestidinho vermelho da Mônica, fez um desenho e tiramos mais uma foto. No final ele me abraçou e eu agradeci mais uma vez a oportunidade. E ele todo sorrisos me disse: “Eu que agradeço por você gostar tanto da turminha.”

Foi um domingo memorável. O evento estava deveras calmo e os artistas circulavam quase que anonimamente entre os passantes, que pareciam já acostumados com a presença deles. No final, uma palestra reuniu todos eles, mas foi atrasada porque o Mauricio de Sousa ainda não tinha chegado, pois ele ainda estava atendendo aos fãs, dando entrevistas, o que não constava da programação. Pois é assim que ele é, tenta agradar a todos ao máximo, pois ele sabe que o seu sucesso é graças a essas pessoas que continuam seguindo a turminha e todas as suas aventuras.

Mauricio de Sousa é ícone, pois ele é simpático, acessível, atencioso e dedicado aos fãs.

  • Salve Melissa, ótimo texto, visivelmente feito por uma admiradora do desenhista, não que você esteja escondendo isso. Essa sua emoção comentando seu encontro torna tudo muito mais interessante. adorei!

  • Concordo com você Melissa, também agradeço a Maurício de Sousa por muitos ensinamentos que ele passou na minha infância com sua turminha, tanto que aprendi a ler com os quadrinhos do Cascão! Que sorte a sua ter conhecido essa lenda. Lhe einvejo, hehehehe! Parabéns