em

Uma apresentação dos premiados pelo Eisner 2017

Já conhecemos os vencedores de cada um dos Prêmios Eisner deste ano, também conhecidos como o Oscar dos quadrinhos. Vamos apresentar cada um em sua categoria, e fazer uma breve apresentação delas.

MELHOR HISTÓRIA CURTA: Good Boy, por Tom King e David Finch,

Publicada no Batman Annual #1 (DC), uma história simples e encantadora sobre um menino e seu cachorro, através do filtro do Cavaleiro das Trevas.

MELHOR TÍTULO AUTO-CONCLUSIVO: Beasts of Burden: What the Cat Dragged In, de Evan Dorkin, Sarah Dyer e Jill Thompson (Dark Horse)

Uma one-shot de terror envolvendo um grupo de gatos pretos contra um demônio.

MELHOR SÉRIE REGULAR: Saga, de Brian K. Vaughan e Fiona Staples (Image)

A odisseia espacial, super-premiada, consagrando pela quarta vez, superando o recorde de Sandman. O primeiro volume já resenhei por aqui desta maravilhosa space opera, publicada pela Devir Livraria.

MELHOR SÉRIE LIMITADA: The Vision, por Tom King e Gabriel Walta (Marvel)

Um drama suburbano carregado de medo sobre assassinato, mentiras e o que significa ser humano.

MELHOR SÉRIE ESTREANTE: Black Hammer, da dupla Jeff Lemire e Dean Ormston (Dark Horse)

Uma homenagem aos super-heróis clássicos.

MELHOR PUBLICAÇÃO INFANTIL: Narwhal: Unicorn of the Sea, de Ben Clanton (Tundra). Ganhou na faixa etária até os 8 anos, com as aventuras de um narval.

MELHOR PUBLICAÇÃO INFANTILGhosts, de Raina Telgemeier (Scholastic). Venceu na faixa dos 8 aos 12 anos, a autora de Sorria, traz uma família se mudando para uma nova casa, mas com fantasmas.

MELHOR PUBLICAÇÃO PARA ADOLESCENTES: The Unbeatable Squirrel Girl, de Ryan North e Erica Henderson (Marvel)

A controversa Garota Esquilo.

MELHOR PUBLICAÇÃO DE HUMOR: Jughead, por Chip Zdarsky, Ryan North, Erica Henderson e Derek Charm (Archie), com o clássico personagem de Riverdale.

MELHOR ANTOLOGIA: Love Is Love, Sarah Gaydos e Jamie S. Rich (IDW/DC)

Um conjunto de quadrinhos que homenageiam as vítimas do ataque à boate Pulse, em Orlando.

MELHOR OBRA BASEADA EM FATOS REAIS: March (Book Three), por John Lewis, Andrew Aydin e Nate Powell (Top Shelf)

A história de John Lewis e o movimento dos direitos civis.


MELHOR NARRATIVA GRÁFICA: Wonder Woman: The True Amazon de Jill Thompson (DC Comics)

Aqui, Thompson reimagina os primeiros anos de vida da princesa Diana

MELHOR REIMPRESSÃO NARRATIVA GRÁFICA: Demon, de Jason Shiga (First Second)

Uma mórbida aventura de um cara que deseja morrer, mas que está preso em um quebra-cabeça sobrenatural.

MELHOR ROTEIRISTA: Brian K. Vaughan, por seu trabalho em Paper Girls, Saga e We Stand On Guard (Image), Em 2016, o norte-americano com sua space opera, sua homenagem aos anos 1980 e à guerra futurista entre o Canadá e os EUA, lhe garantiram a quarta vez que ganha o Eisner de Melhor Escritor. Em 2005 por Y: The Last ManEx Machina e Runaways, em 2013 e 2014 por Saga.

 

 

MELHOR ARTISTA COMPLETO (ROTEIRISTA E DESENHISTA): Sonny Liew, The Art of Charlie Chan Hock Chye (Pantheon), que também recebeu o prêmio por Design de Produção e Edição Americana de Material Internacional.

MELHOR ILUSTRADOR/EQUIPE DE ARTE: Fiona Staples, por Saga da Image, a canadense também venceu na categoria de MELHOR CAPISTA.

 

MELHOR ARTISTA MULTIMÍDIA: Jill Thompson, Wonder Woman: The True Amazon (DC); Beasts of Burden: What the Cat Dragged In (Dark Horse)

 

 

 

 

 

MELHOR COLORISTA:Matt Wilson, Cry Havoc, Paper Girls, The Wicked + The Divine (Image); Black Widow, The Mighty Thor, Star-Lord (Marvel).

MELHOR LETRISTA: Todd Klein, Clean Room, Dark Night, Lucifer (Vertigo/DC); Black Hammer (Dark Horse).

MELHOR LIVRO SOBRE QUADRINHOS: Krazy: George Herriman, A Life in Black and White, por Michael Tisserand (Harper), a biografia do criador de Krazy Kat.

MELHOR TRABALHO ACADÊMICO: Superwomen: Gender, Power, and Representation, de Carolyn Cocca (Bloomsbury), um estudo sobre como e por que eles se tornaram um ponto de inflamação para lutas sobre gênero, sexualidade, raça e deficiência.

MELHOR WEBCOMIC:Bird Boy de Anne Szabla, http://bird-boy.com

MELHOR HQ DIGITAL: Bandette, da dupla Paul Tobin e Colleen Coover (Monkeybrain/comiXology).

HALL DA FAMA – JUDGES’ CHOICES: Milt Gross, H.G. Peter, Antonio Prohias, Dori Seda Voters’ Choices Gilbert Hernandez, Jaime Hernandez, George Perez, Walter Simonson, James Starlin, que entraram no mural da fama da premiação.

E é isso.

Deixe uma resposta

Publicado por Cadorno Teles

Habitante das terras áridas dos vales, guerreiro aposentado que desgraçadamente foi jogado numa dimensão que ninguém acredita nele. Se tornou professor, e nos momentos livre aproveita para ler e levar livros pelo sertão. RPG, quadrinhos, literatura e cinema estão entre seus vícios, para esquecer ou mesmo lembrar de seu mundo originário.

“De Canção em Canção”: mais um entediante maneirismo de Terrence Malick

70 anos de Schwarzenegger: Os 10 melhores filmes da carreira do ator