Poucas vezes o autor de quadrinhos Chris Ware foi tão impiedoso com um personagem. Sua mais recente novela gráfica devassa a vida de Jordan Lint, desde o berço até o leito de morte. Seus sentimentos e atitudes ora tocantes, ora detestáveis, são mostrados sem condescendência. Não há heróis nem vilões nesta obra de Ware, e não há conclusões fáceis. Acme Novelty  Library 20 é um livro deliciosamente incômodo.

Jordan Lint é um sujeito bem comum, a criança problemática que se torna o valentão da classe e na vida adulta acumula relacionamentos desastrosos. A história de sua vida se torna interessante pelo modo como é contada. O autor acerta ao equilibrar os aspectos positivos e negativos da personalidade de Lint, e deixar que o leitor julgue o personagem. Ele é o garoto que agride os colegas e o homem que trai as mulheres, mas também é a criança que perdeu a mãe e foi criada por um pai racista; pode ser cruel e egoísta, mas também é uma vítima. E embora viva muitos momentos felizes, Lint nunca deixa de ser perseguido por seus fantasmas.

A história é contada de modo fragmentado, construída com uma sucessão de narrativas curtas (geralmente de uma página) que mostram diferentes aspectos da personalidade do protagonista. Ware corta e reconstrói habilmente o fluxo do tempo: a passagem de vários anos tranqüilos é resumida em uma página de apenas seis quadrinhos, enquanto um instante mais intenso pode aparecer também em uma página, mas na forma de um mosaico de mais de trinta quadrinhos.

O traço do autor continua claro, simples e geométrico, e as cores são sempre agradáveis, mas algumas ousadias visuais aparecem em momentos estratégicos. Logo no início do livro, o nascimento e a infância de Jordan Lint são mostrados com desenhos extremamente simples, que vão ficando gradualmente mais realistas enquanto o personagem se aproxima da idade adulta. O estilo da arte muda radicalmente para um rabiscado quase infantil quando Lint lê um relato escrito por seu filho, numa passagem que também é uma homenagem declarada ao estilo visual primitivo do autor de quadrinhos underground Gary Panter. O delírio simétrico da última página encerra o livro com perfeição visual e narrativa (mas o leitor cuidadoso perceberá que Ware estende o final da história até a última capa do livro).

Acme Novelty  Library 20 (ou “Lint”, como já é chamada por alguns leitores) faz parte do arco de histórias do personagem Rusty Brown, assim como a também excelente Acme 19, mas se sustenta individualmente. O autor não se acomodou e optou por um estilo narrativo mais denso e direto que em Jimmy Corrigan, sua obra mais conhecida (e a única publicada no Brasil). Está entre as mais belas criações de Chris Ware, e sem dúvida foi uma das melhores novelas gráficas lançadas nos EUA em 2010.

Autor: Chris Ware

Editora: Drawn and Quarterly

Ano de Edição: 2010

72 páginas

[xrr rating=4.5/5]