em

“Game of Thrones” se realinha a sua própria maestria

Desde a primeira temporada, a série Game of Thrones padece de um único grande problema: a fragilidade narrativa diante de sua própria complexidade. Percepção só reforçada pela recente entrevista do autor literário da obra, George R. R. Martin, em que afirma que nem ele mesmo tem o domínio de sua história. Nessa eletrizante quarta temporada, parece que a evolução da trama está conseguindo melhorar essa deficiência, tornando tudo mais corrente e menos auto derivativo como o costume. Os diálogos continuam excelente e as mortes – inesperadas e climáticas – ainda demarcam o espírito da série quase como uma identidade. O já tradicional pulsante penúltimo episódio entra para história como um dos mais bem dirigidos do audiovisual norte-americano, melhor até que muitos filmes do gênero.

GoT_the-children_stannis2

A “batalha de Jon Snow” teve requintes técnicos de superproduções épicas Hollywoodianas, além de uma bem construída tensão dramática no todo. Daenerys (Emilia Clarke) vinha recebendo atenção especial de outras temporadas, sempre prometendo grandes viradas, mas aqui pouco evoluiu, apesar da boa sacada em ilustrar sua maturidade como líder ao perceber que as coisas não são bem como imaginava. O grande protagonista foi, sem dúvida, Tyrion Lannister (Peter Dinklage) com todo o arco de emoções a qual foi submetido, eclodindo numa resolução catártica até para quem já leu o livro. A grande questão que fica para a próxima temporada reside na sua justificativa principal: quem governará de fato a partir de agora? A evolução dos personagens aponta para ainda mais intrigas e tragédias. Só que, pelo visto nessa temporada que acaba, mais azeitada á seu próprio universo e ambição.   

Deixe uma resposta

Publicado por Renan de Andrade

Renan de Andrade

A paixão pelo audiovisual me pegou de assalto desde o berço. Assim como a necessidade de desbravar o alcance da comunicação. Formado em Jornalismo e atuando nas áreas de roteiro e direção na TV, sinto-me cada vez mais imerso nos matizes da arte (audiovisual) e da vida (comunicação).

Entre a crônica e o musical, “Jersey Boys – Em Busca da Música” revigora Clint Eastwood

Copa de Arte e Cultura: dicas do Grupo E