em

Mozart in the Jungle: uma grata surpresa no mundo das séries

Até o começo de janeiro de 2016, eu nunca tinha ouvido falar da série “Mozart in the Jungle”. Se ela não tivesse ganhado o Globo de Ouro de melhor série de comédia, complementando a vitória de Gael García Bernal como Melhor Ator de Comédia, eu provavelmente nem teria notado a existência da série. Mas, que alegria que ela ganhou! Hoje, duas temporadas e vinte episódios depois, posso dizer: “Mozart in the Jungle” é uma das melhores séries da atualidade, com um frescor que só o streaming foi capaz de adicionar ao mundo multimídia.

A Orquestra Filarmônica de Nova York contrata um novo maestro, o popstar da música clássica Rodrigo de Souza (Gael). Ele é a nova aposta de Gloria Windsor (Bernadette Petters) para atrair os jovens para os concertos da orquestra. Entretanto, o modus operandi do jovem maestro entra em choque com os hábitos dos músicos da orquestra, e também com o antigo maestro, Thomas Pembridge (Malcolm McDowell).

mozart in the jungleEm paralelo à história de Rodrigo, e logo se confundindo com a dele, está o sonho de Hailey (Lola Kirke) de ser oboísta na Filarmônica de Nova York. Enquanto não realiza o sonho, ela dá aulas particulares do instrumento, vive com uma melhor amiga e companheira de quarto incrível, Lizzie (Hannah Dunne), e pratica várias horas por dia.

Lola_Kirke_Mozart_in_the_JungleA origem da série está no livro com o óbvio título “Mozart in the Jungle: Sexo, Drogas e Música Clássica”. Por trás da série está o toque de Midas da família Coppola: Roman Coppola e Jason Schwartzmann são os produtores, e Jason também faz algumas participações como Bradford Sharpe, o responsável por um podcast de música clássica.

Como qualquer boa produção, “Mozart in the Jungle” (que, aliás, recebeu o nome de “Sinfona Insana” no Brasil e é exibido pelo canal Fox Life) tem uma trama imprevisível. Casais óbvios não ficam juntos com facilidade, Rodrigo precisa espantar diversos fantasmas, entre eles pendências com a terra natal e com a quase ex-esposa, Anna Maria (Nora Arnezeder); e Thomas, que de início parecia ser o grande antagonista, na segunda temporada se torna hermano de Rodrigo e o apoia em diversos momentos.

mozart maestros[Mesmo quem torce o nariz para a música clássica vai encontrar muitas qualidades na série. Não há papo-cabeça sobre compositores mortos há séculos, e as apresentações da orquestra são sempre curtas e muito emocionantes. Uma terceira temporada já foi encomendada pela Amazon e deve estrear em dezembro. Ficamos ansiosos pelas novas tramas de um certo maestro Rodrigo.

Deixe uma resposta

Publicado por Letícia Magalhães

Letícia Magalhães é estudante universitária e tem dois livros publicados. Desde cedo mostrou interesse pela escrita, ganhado cinco vezes consecutivas o concurso de poesia de sua escola, tendo seus trabalhos publicados em antologia. É também ganhadora do concurso da Câmara Municipal de Poços de Caldas, edição 2010. Atualmente mantém o blog Crítica Retrô, sobre cinema clássico, e escreve para os sites Leia Literatura, Filmes e Games, Os Cinéfilos e Antes que Ordinárias.

“Boa Noite, Mamãe” é um eficiente suspense tendo complexo de édipo como motor

Com retorno do Iron Maiden, confira as apresentações mais clássicas da banda