Cine Ceará divulga selecionados para competitiva brasileira de curtas | Agenda | Revista Ambrosia
em ,

Cine Ceará divulga selecionados para competitiva brasileira de curtas

Doze filmes, dos quais oito inéditos, foram selecionados para a Mostra Competitiva Brasileira de Curta-Metragem do 29° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, que acontecerá de 30 de agosto a 06 de setembro em Fortaleza.

Esse ano, o Cine Ceará bateu recorde de curtas inscritos, com 985 concorrentes de todas as regiões, reflexo de uma produção brasileira que explora as possibilidades de diálogo e experimentação da linguagem audiovisual.

Foram selecionados curtas de seis estados, sendo cinco do Ceará, três de São Paulo e um de Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro. A curadoria, composta por Diego Benevides e Breno Reis, juntamente com a direção do Festival, selecionou trabalhos que representam a pluralidade de propostas fílmicas, com destaque para a participação representativa das produções nordestinas.

Cine Ceará divulga selecionados para competitiva brasileira de curtas | Agenda | Revista Ambrosia

A maior parte dos curtas selecionados é de ficção, gênero presente em sete dos 12 concorrentes. Entre eles estão quatro dos cinco filmes cearenses na mostra: “Além da jornada” (Direção de Victor Furtado e Gabriel Silveira), “Marco” (Dir. Sara Benvenuto), “Pop ritual” (Dir. Mozart Freire) e “Oração ao cadáver desconhecido” (Dir. Sávio Fernandes). Também são curtas de ficção “Ilhas de calor” (Dir. Ulisses Arthur), de Alagoas, “Marie” (Dir. Leo Tabosa), de Pernambuco, e “Primeiro ato” (Dir. Matheus Parizi), de São Paulo.

O quinto cearense na mostra é o documentário “O tempo do olhar e o olhar no tempo” (Dir. Samuel Brasileiro). O gênero está presente em quatro dos selecionados. Os outros três são: “As Constituintes de 88” (Dir. Gregory Baltz), do Rio de Janeiro; “O grande amor de um lobo” (Dir. Adrianderson Barbosa e Kennel Rógis), do Rio Grande do Norte; e “Rua Augusta, 1029” (Dir. Mirrah Iañez), de São Paulo. Completa a lista dos selecionados a animação “Livro e meio” (Dir. Giu Nishiyama e Pedro Nishi), de São Paulo.

No Festival, será concedido o troféu Mucuripe aos vencedores indicados pelo júri oficial nas categorias de Melhor Curta-metragem, Direção, Roteiro e Produção Cearense. Também recebem o troféu Mucuripe o melhor curta eleito pelo Júri Abracine (Prêmio da Crítica) e pelo Júri Olhar Universitário. Os curtas cearenses inscritos que não foram selecionados para a Competitiva Brasileira, serão submetidos à comissão de seleção da Mostra Olhar do Ceará.

Filmes selecionados para a Competitiva Brasileira

Além da jornada. Dir. Victor Furtado e Gabriel Silveira. Ficção. 2019. Ceará.
As Constituintes de 88. Dir. Gregory Baltz. Documentário. 2019. Rio de Janeiro.
Ilhas de calor. Dir. Ulisses Arthur. Ficção. 2019. Alagoas.
Livro e meio. Dir. Giu Nishiyama e Pedro Nishi. Animação. 2019. São Paulo.
Marco. Dir. Sara Benvenuto. Ficção. 2019. Ceará.
Marie. Dir. Leo Tabosa. Ficção. 2019. Pernambuco.
O grande amor de um lobo. Dir. Adrianderson Barbosa e Kennel Rógis. Documentário. 2018. Rio Grande do Norte.
Pop ritual. Dir. Mozart Freire. Ficção. 2019. Ceará.
Primeiro ato. Dir. Matheus Parizi. Ficção. 2018. São Paulo.
Rua Augusta, 1029. Dir. Mirrah Iañez. Documentário. 2019. São Paulo.
O tempo do olhar e o olhar no tempo. Dir. Samuel Brasileiro. Documentário. 2019. Ceará.
Oração ao cadáver desconhecido. Dir. Sávio Fernandes. Ficção. 2019. Ceará.

SERVIÇO

29° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema
De 30 de agosto a 06 de setembro de 2019 em Fortaleza.
Informações: www.cineceara.com.
E-mail: [email protected]
Tel: (85)3055-3465 e 99134-1101.
Toda a programação tem acesso gratuito.

Deixe sua opinião

Paraense Gil Móia lança “Areia” refletindo sua terra natal e ancestralidade | Música | Revista Ambrosia

Paraense Gil Móia lança “Areia” refletindo sua terra natal e ancestralidade

Sem emoção? O que deu errado no novo Rei Leão – Crítica sem spoiler | Videocast | Revista Ambrosia

Sem emoção? O que deu errado no novo Rei Leão – Crítica sem spoiler