- Altamira 2042 cre  dito Nereu Jr 1 - Festival internacional de artes cênicas toma conta do CCBB Rio em junho
Nereu Jr Imagens
em ,

Festival internacional de artes cênicas toma conta do CCBB Rio em junho

Com espetáculos de teatro e dança, performances, oficinas e palestras, a oitava edição do Cena Brasil Internacional acontece de 5 a 16 de junho, no CCBB Rio de Janeiro.

Do Brasil, o festival apresenta seis obras, vindas de São Paulo e Recife, além de quatro internacionais, da Argentina, Estados Unidos e França, totalizando 27 apresentações com preços populares (R$ 30 e R$ 15), que traçam um expressivo panorama das artes cênicas contemporânea.

Desde a sua primeira edição, o Cena funciona como um modelo híbrido, que conjuga residência artística e uma mostra seleta de espetáculos. A cada ano, as obras selecionadas são o reflexo de visões muito diversas sobre as possibilidades da cena, mas que trazem algo em comum: um olhar livre, desimpedido e oxigenado sobre as artes cênicas.

Segundo Luiz Felipe Reis, os espetáculos apresentados este ano têm, comumente, a capacidade de ampliar a nossa percepção sobre as possibilidades do fazer teatral. “São obras que se apresentam em cena através de formatos por vezes inclassificáveis, que exercitam vínculos e rupturas entre formas de teatro, dança, performance, instalação, intervenção e outras linguagens”, conta. “São contundentes em seus conteúdos e ousados em sua forma, que jogam luz em temas fundamentais e urgentes por meio de abordagens e estratégias estéticas incomuns e surpreendentes”, completa.

O festival apresenta ainda workshops, palestras e residências gratuitas, além de uma área externa de convivência com food trucks, um ponto de encontro entre artistas e público antes e depois da ampla programação cultural. A programação se estende também à Escola de Cinema Darcy Ribeiro, que recebe o espetáculo paulista “Quando quebra queima”. As atrações nacionais e internacionais contam com traduções de legendas eletrônicas em inglês e português.

O Cena Brasil é uma idealização do CCBB em parceria com o produtor Sérgio Saboya, que assina a curadoria junto com o jornalista, diretor e dramaturgo Luiz Felipe Reis. O Banco do Brasil é o patrocinador do Cena Brasil Internacional.

- Enchente cre  dito Mayra Azzi 1 1024x683 - Festival internacional de artes cênicas toma conta do CCBB Rio em junho

A PROGRAMAÇÃO DE 2019

Internacionais

O coreógrafo americano Shamel Pitts estreia no Cena Brasil Internacional com dois espetáculos que fazem parte da trilogia Black Series. Em “Black hole – Trilogy and triathlon” (Buraco negro – Trilogia e triatlon), inédito no Brasil, Pitts divide a cena com a bailarina goiana Mirelle Martins para apresentar uma experiência de arte performática caleidoscópica que utiliza movimento, luz e artes visuais. O público é levado numa jornada hipnótica e cheia de cores na qual quatro artistas negros — Mirelle (Brasil), Tushrik Fredericks (África do Sul), Ricardo Januario (Brasil) e Shamel (Estados Unidos) — se unem para criar uma trindade de vigor, afro-futurismo e acolhimento.

Já em “Black velvet – Architectures and archetypes” (Veludo negro – Arquiteturas e arquétipos), inédito no Rio, Pitts e Mirelle misturam dança, performance e projeções para refletir sobre as diversas cores da negritude.

Com estreia mundial no Cena Brasil, o espetáculo francês “Rester vivant” (Permanecer vivo), de Yves-Noël Genod, é uma obra cujo processo criativo iniciou-se na Europa com três performers (o português Ricardo Paz, o francês Baptiste Ménard e a brasileira Isabela Fernandes Santana), que será finalizada numa residência ao longo do festival. A eles se juntarão outros performers, profissionais ou não, que vão participar de um workshop para formar um coro na montagem do espetáculo. “Rester vivant” investiga a condição do artista diante dos dilemas do nosso tempo. Livremente inspirada no ensaio homônimo de Michel Houellebecq – uma série de cartas a um jovem poeta que o autor aconselha a não se suicidar –, a obra trata da dificuldade de se permanecer vivo, criativo e ativo e, ao mesmo tempo, da inevitabilidade de continuar resistindo.

Nova criação da bailarina, coreógrafa e diretora argentina Mayra Bonard, “Mi fiesta” (Minha festa), solo inédito do Brasil, investiga os limites e os atravessamentos entre as esferas do público e do privado. Em cena, Mayra se move em reação a um texto escrito pelo também argentino Pedro Mairal (“A Uruguaia”), que recria episódios afetivos, amorosos e violentos, vividos por uma mulher. Equilibrando-se sobre taças de vidro, assim como atando e desatando seu corpo, ela constrói, aos poucos, um espetáculo de superação.

Nacionais

Entre os espetáculos nacionais, “Isto é um negro?”, do coletivo paulista EQuemÉGosta?, faz uma alusão ao título da obra “É isto um homem?”, do escritor italiano Primo Levi. Com direção de Tarina Quelho, que assina a dramaturgia ao lado de Mirella Façanha, a montagem apresenta uma sequência de cenas que alternam seu foco no texto, na expressão verbal e na performance física de quatro jovens artistas: Ivy Souza, Lucas Wickhaus, Raoni Garcia e a própria Mirella. Além de articular as experiências de vida do elenco, o espetáculo traz reflexões de escritores e de pensadores como Angela Davis, Fred Moten, Achille Mbembe, Bell Hooks, Grada Kilomba, Frantz Fanon, Sueli Carneiro e Aimé Cesaire.

O deslocamento e o encontro entre artistas e comunidades locais do Rio Xingu são o ponto de partida de “Altamira 2042”, de São Paulo, com direção e performance de Gabriela Carneiro da Cunha. O espetáculo é uma instalação sonora composta por caixas que amplificam testemunhos diversos interlocutores sobre a hidrelétrica de Belo Monte, no Pará: ribeirinhos, indígenas, lideranças de movimentos sociais, moradores da cidade de Altamira, funcionários do Governo Federal e de instituições socioambientais, a mata, os animais da região, o vento, a chuva e até o próprio rio. Uma polifonia de seres, línguas, sonoridades e perspectivas tomam o espaço para abrir a escuta do público para essas vozes.

“Quando quebra queima” é um espetáculo de São Paulo, do coletivA ocupação, com direção de Martha Kiss Perrone com estudantes/performers que participaram do movimento secundarista entre 2015/2016. Na apresentação, 15 artistas deslocam para a cena a experiência vivida durante o período da ocupação em que estiveram juntos. A peça, que está na fronteira entre performance e teatro, é uma “dança-luta” coletiva construída a partir das vivências e memórias de cada performer: diários, textos, músicas, coreografias, e fotos feitas pelos próprios secundaristas compõem a cena.

De Recife, vêm três espetáculos concebidos pela performer e dramaturga Flávia Pinheiro. Inédita no Rio, “Enchente” surge de um estudo transdisciplinar do conto homônimo do também pernambucano Hermilo Borba Filho, uma metáfora para as catástrofes humanas atuais: a indiferença e o fracasso do mundo assim como o conhecemos. A montagem se constrói em base a procedimentos que envolvem restrições e obstruções de movimentos, jogos com regras e materiais de arquivo. As relações entre os corpos de três performers (Marcela Aragão, Rebeca Gondim e a própria Flávia) questionam as hierarquias e ampliam suas possibilidades ao realizarem tarefas de improvisação.

No solo “Como manter-se viva?”, Flávia investiga a urgência de permanecer em movimento como um mecanismo de sobrevivência. Um questionamento de como nos relacionamos com a imaterialidade das relações propostas pelos dispositivos e a certeza da impermanência. A dramaturgia converge para uma estética do precário, de uma lógica invertida, de um saber desde a experiência e da percepção.

Já “Diafragma: dispositivo versão beta” é uma performance manifesto construída em relação aos dispositivos low tech e às tecnologias obsoletas. Em cena, a artista pesquisa o músculo diafragma como parte de um mecanismo motor, utilizando princípios de Gerald Raunig, Michael de Certeau, Vilém Flusser e Gilles Deleuze como eixo que organiza uma grande máquina (o corpo) que atua no tempo de forma nômade em busca de (des)territorializar-se.

- Black Velvet cre  dito Alex Apt 2 - Festival internacional de artes cênicas toma conta do CCBB Rio em junho

LISTA DE ATRAÇÕES

Nacionais
“Altamira 2042”, de Gabriela Carneiro da Cunha – Inédito no Rio;
(SP | 2018 | 90 min. | 16 anos)
“Como manter-se viva”, de Flávia Pinheiro
(PE | 2017 | 50 min. | livre)
“Diafragma: dispositivo versão beta”, de Flávia Pinheiro
(PE | 2015 | 40 min. | 16 anos)
“Enchente”, de Flávia Pinheiro – Inédito no Rio;
(PE |2016 | 50 min. | 16 anos)
“Isto é um negro?”, do grupo EQuemÉGosta? – Inédito no Rio;
(SP | 2018 | 100 min. | 18 anos)
“Quando quebra queima”, do coletivA ocupação – Inédito no Rio.
(SP | 2018 | 90 min. | 10 anos)

Internacionais
“Black hole – Trilogy and triathlon”, de Shamel Pitts – Inédito no Brasil;
(EUA – BRA | 2016 | 61 min. | 14 anos)
“Black velvet – Architectures and archetypes”, de Shamel Pitts – Inédito no Rio;
(EUA – BRA | 2016 | 60 min. | 14 anos)
“Mi fiesta”, com Mayra Bonard – Inédito no Brasil;
(ARG| 2018 | 60 min. | 16 anos)
“Rester vivant”, de Yves-Noël Genod – Inédito no Brasil;
(FRA – BRA| 2019 | 120 min. | 18 anos)

PROGRAMAÇÃO DIÁRIA

5 de junho (quarta)
19h30 “Quando quebra queima” – Escola de Cinema Darcy Ribeiro foyer
20h “Black velvet– Architectures and archetypes” – CCBB Teatro I

6 de junho (quinta)
19h30 “Quando quebra queima” – Escola de Cinema Darcy Ribeiro foyer
20h “Black velvet– Architectures and archetypes” – CCBB Teatro I

7 de junho (sexta)
19h “Enchente” – CCBB Teatro II
19h30 “Quando quebra queima” – Escola de Cinema Darcy Ribeiro foyer
20h “Black velvet – Architectures and archetypes” – CCBB Teatro I

8 de junho (sábado)
15h Palestras “Hackeando as velhas estruturas” (ColetivA Ocupação), “Black box – Little black book of red” (Shamell Pitts) e “Salvem as bactérias! A luta contra os antibióticos” (Flavia Pinheiro) – CCBB Auditório 4º andar
19h “Enchente” – CCBB Teatro II
19h30 “Isto é um negro?” – CCBB Teatro I

9 de junho (domingo)
19h “Como manter-se viva?” – CCBB Teatro III
19h30 “Isto é um negro?” – CCBB Teatro I

10 de junho (segunda)
19h “Como manter-se viva?” – CCBB Teatro III
19h30 “Isto é um negro?” – CCBB Teatro I
20h “Mi fiesta” – CCBB Teatro II

12 de junho (quarta)
19h “Diafragma: Dispositivo versão beta” – CCBB Teatro III
19h30 “Black hole – Trilogy and triathlon”” – CCBB Teatro I
20h “Mi fiesta” – CCBB Teatro II
21h “Diafragma: Dispositivo versão beta” – CCBB Teatro III

13 de junho (quinta)
15h Palestras “Branquitude: artista e a normatização do direito de criar” (Mirella Façanha) e “Corpo específico” (Mayra Bonard e Carlos Casella) – CCBB Auditório 4º andar
19h30 “Black hole – Trilogy and triathlon” – CCBB Teatro I
20h “Mi fiesta” – CCBB Teatro II

14 de junho (sexta)
19h30 “Black hole- Trilogy and triathlon” – CCBB Teatro I
20h “Rester vivant” – CCBB Teatro II
20h30 “Altamira 2042” – CCBB Teatro III

15 de junho (sábado)
20h “Rester Vivant” – CCBB Teatro II
20h30 “Altamira 2042” – CCBB Teatro III

16 de junho (domingo)
15h Palestras “Possibilidades de um devir-documento daquilo que chamamos invisível” (Gabriela Carneiro da Cunha) e “Férias da realidade” (Yves-Noël Genod) – CCBB Auditório 4º andar
20h “Rester Vivant” – CCBB Teatro II
20h30 “Altamira 2042” – CCBB Teatro III

SERVIÇO – CENA BRASIL INTERNACIONAL

Data: de 5 a 16 de junho de 2019.
Local: CCBB (Rua Primeiro de Março 66, Centro).
Teatro 1 – Lotação: 172 lugares
Teatro 2 – Lotação 152 lugares
Teatro 3 – Lotação: 86 lugares
Auditório – Lotação: 64lugares
Escola de Cinema Darcy Ribeiro (Rua da Alfândega, 5, Centro)
Espetáculo: “Quando quebra queima”
Foyer – Lotação: 100 lugares
Datas: 5, 6 e 7 de junho, às 19h30

- Mi Fiesta Argentina cre  dito Alejandro Guyot 2 1024x683 - Festival internacional de artes cênicas toma conta do CCBB Rio em junho

Deixe sua opinião

Lil Sonia

Publicado por Lil Sonia

Sit there and count your fingers... What can you do?