junho, 2018

20jun(jun 20)19:0022jul(jul 22)20:30'Tchekhov é um cogumelo' em cartaz no CCBB-RJ(junho 20) 19:00 - (julho 22) 20:30 CCBB RJAgenda cultural:Teatro

Detalhes

Depois de apresentar o consagrado ‘Ilhada em mim – Sylvia Plath’ (de 3 de maio a 10 de junho no Teatro Poeira), a companhia paulistana Estúdio Lusco-Fusco vai dar prosseguimento à sua temporada na cidade com seu mais recente espetáculo: ‘Tchekhov é um cogumelo’, que estreia dia 20 de junho no Centro Cultural Banco do Brasil, com sessões de quarta a domingo, às 19h. A montagem mergulha de maneira original no universo de ‘As Três Irmãs’, do dramaturgo russo Anton Tchekhov, a partir de linguagem que une ficção, neurociência e memória. A peça foi indicada ao Prêmio APCA de Melhor Espetáculo de 2017, ao Prêmio Shell de Melhor Música e eleita um dos Três Melhores Espetáculos do Ano no júri dos críticos do Jornal Folha de SP.

Com direção de André Guerreiro Lopes, ‘Tchekhov é um Cogumelo’ combina múltiplas linguagens para retratar a vida de três mulheres presas em suas memórias de um tempo passado, acuadas por um mundo em transformação. Em cena, Djin Sganzerla, Helena Ignez e Michele Matalon, atrizes de gerações distintas, criam um jogo cênico que embaralha os diversos tempos: serão as três irmãs ou a mesma mulher em três momentos da vida? O cantor Roberto Moura e os dançarinos Samuel Kavalerski e Fernando Rocha completam o elenco. Em uma síntese livre da peça original, espécie de “Três Irmãs haicai”, são abordados temas como apatia, caos, medo e desejo de mudança, ecoando as contradições do tempo presente. O espetáculo marcou uma década da fundação da Cia. Estúdio Lusco-fusco, data celebrada no ano passado, e representa o reencontro em cena de Helena Ignez e Djin, mãe e filha na vida real.

Cenas de uma rara videoentrevista gravada em 1995 com o diretor José Celso Martinez Corrêa sobre o processo de criação de ‘As Três Irmãs’ no Teatro Oficina, em 1972, que envolveu o uso de alucinógenos, são projetadas ao vivo, intensificando o jogo entre os tempos e o olhar sobre a peça. A entrevista foi gravada pelo próprio diretor do espetáculo, na época um jovem estudante de teatro.

“O espetáculo de certa forma é mental, na medida em que sua matéria prima é a memória: a minha memória do encontro com Zé Celso, capturada em uma fita VHS; a memória das três irmãs, embriagadas de lembranças de um passado bom e sonhando com um futuro, uma espécie de prisão mental; a própria memória do Zé, trazendo à luz sua experiência de 1972. O público participa desse jogo dos tempos para, quem sabe, percebermos juntos a urgência e beleza de se viver o único tempo possível, o agora, o hoje, o tempo presente, que é o eterno tempo do teatro”, analisa André Guerreiro Lopes.

Neurociência em cena

A cada apresentação, o diretor André Guerreiro Lopes interfere de forma inusitada no espetáculo. Sentado em silêncio vestindo um capacete de eletrodos, sua atividade cerebral, emoções e ondas mentais são captadas e transformadas em impulsos elétricos, que acionam ao vivo uma instalação sonora e visual criada pelo músico Gregory Slivar. A atividade invisível da mente do diretor interfere na ação, controlando frequências que vibram poças d’água e tocam sinos, completando o mosaico desta experiência teatral.

Ficha técnica

Direção, Concepção e Adaptação: André Guerreiro Lopes
Texto: Extratos de “As Três Irmãs” de Anton Tchekhov
Elenco: Djin Sganzerla, Helena Ignez, Michele Matalon, Roberto Moura (cantor), Samuel Kavalerski e Fernando Rocha (dançarinos) e André Guerreiro Lopes
Cenário e Figurinos: Simone Mina
Direção Musical e Instalação Sonora: Gregory Slivar
Iluminação: Marcelo Lazzaratto
Assistente de Direção e Direção de Cena: Rafael Bicudo
Projeções: André Guerreiro Lopes
Preparação Vocal e Músicas Tradicionais: Roberto Moura
Direção de Produção: Djin Sganzerla / Estúdio Lusco-Fusco Produções Ltda.
Produção Rio:           Sandro Rabello/Diga Sim! Produções

Serviço

Tchekhov é um Cogumelo
Temporada:  De 20 de junho a 22 de julho.
Centro Cultural Banco do Brasil / Teatro I
Rua Primeiro de Março, nº 66 – Centro – Rio de Janeiro
Telefone: (21) 3808-2052
Dias e horários: Quarta a domingo, às 19h.
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).
Lotação: 172 lugares
Duração: 1h30
Classificação indicativa: 14 anos

Horário

Junho 20 (Quarta) 19:00 - Julho 22 (Domingo) 20:30

Localização

CCBB RJ

R. Primeiro de Março, 66 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, 20010-000

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo
Publicar

Ad Blocker Detected!

Advertisements fund this website. Please disable your adblocking software or whitelist our website.
Thank You!

Log in

Esqueceu a senha?

Já tem uma conta? Registrar

Esqueceu a senha?

Entre com os dados da sua conta para reenviarmos a senha para você.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

To use social login you have to agree with the storage and handling of your data by this website.

Close
of

Processing files…

X