Capa do disco "Hemisférios", do Antiprisma
Capa do disco "Hemisférios", do Antiprisma
em

Antiprisma lança segundo disco, “Hemisférios”, via Alcalina Records

Uma das bandas de destaque da cena indie brasileira, o Antiprisma, lança o segundo álbum, “Hemisférios”, via Alcalina Records. O duo formado por Elisa e Victor inaugura uma nova fase musical, com guitarra, bateria e piano. Com 12 faixas, o trabalho apresenta diversas influências musicais, evocando no ouvinte sensações, indo do desespero à esperança. “Tudo de novo, mas diferente”, como cantam na faixa de abertura: Amanhã Tudo Volta a Nascer.

O caminho percorrido para chegar em “Hemisférios”, começou com o single “Fogo Mais Fogo”, que contou com a guitarra de Gabriela Deptulski (My Magical Glowing Lens) e ganhou clipe. Em seguida, vieram os lançamentos de “Só Porque Você Não Se Encontrou”, “Caos” e “Planície Sem Nome”. Estas canções mostraram ao público a mutação do som do Antiprisma.

“Eu tenho a impressão que neste disco nós conseguimos imprimir, mais do que nunca, as nossas influências e intenções com a música. Talvez seja o disco que mais tem a nossa cara, a nossa identidade, que é algo que vai se desenvolvendo ao longo do tempo.”, avalia Elisa Moreira Oieno (voz, violão e guitarra). Quem também concorda com a fala é Victor José (voz, violão e viola caipira):

“Acústico e elétrico, melodia e percussão, tudo em contraste e se complementando. Foi tudo muito natural. Nos deslocamos para outras abordagens sonoras, e nos inspiramos a experimentar bastante. Até fizemos duas faixas instrumentais, coisa que nunca havíamos feito antes”, observa. 

Independência Musical

Diferentemente do disco de estreia, “Planos Para Esta Encarnação” (2016), no segundo álbum a ideia do Antiprisma foi explorar e produzir o álbum sozinhos. Enquanto aprendiam a mexer com o equipamento de home studio, o “Hemisférios” foi surgindo. Já na fase de pré-produção, as faixas foram concebidas para terem guitarra, bateria e piano.

“Dessa vez, não tínhamos mais a pretensão de manter o formato minimalista acústico como foi nos primeiros trabalhos, em que as músicas foram gravadas com a intenção de serem tocadas ao vivo, necessariamente em dupla. Acho que as referências que estão ali são as que sempre estiveram no som do Antiprisma, mas agora talvez de forma mais direta por conta de ter mais elementos no som.”, define Elisa Moreira Oieno. 

Músicos Convidados

Para alguns momentos de “Hemisférios”, o duo contou com mais artistas convidados, como Roger Alex, João Rocchetti (Vitreaux) e Pedro Pelotas (Cachorro Grande), Marlon Marinho, Lua Gior e Rafael Gamadan. A mudança na sonoridade também é percebida nos palcos, graças ao envolvimento com a cozinha que acompanha o Antiprisma ao vivo, formada pela baterista, Ana Zumpano (ex-Lava Divers), e o baixista, Rafael Bulleto (ex-BIKE).

É também em “Hemisférios” que Elisa e Victor se envolvem mais do que nunca: tocam mais instrumentos do que nos registros anteriores, além de criarem a capa e ser responsáveis pela produção.

“Esse é um projeto de imersão, mesmo. Levou um bom tempo para ser concluído, sem pressa, o que fez com que a gente pudesse aprimorar com calma o que a gente queria transmitir”, finaliza Victor.

Ouça “Hemisférios”:

FICHA TÉCNICA

Elisa Moreira – Vocais, violão, guitarra, piano, bateria e percussão

Victor José – Vocais, violão, guitarra, viola caipira, baixo, piano, teclados e percussão

Engenharia de som (faixas 1, 6, 8, 9, 10 e 11): Fábio Cardelli

Bateria (faixas 1, 6, 8, 9, 10 e 11): Marlon Marinho

Piano (faixas 1, 6 e 10): João Rocchetti 

Piano (faixa 6): Roger Alex

Piano, mellotron & synth (faixa 12): Pedro Pelotas

Guitarra (faixa 2): Gabriela Deptulski 

Vocais de apoio (faixa 12): Lua Gior & Rafael Gamadan

Capa: Elisa Moreira e Victor José

Alcalina Records

Deixe sua opinião

Publicado por OrBe Comunicação

Antiprisma lança segundo disco, "Hemisférios", via Alcalina Records | Música | Revista Ambrosia

Tom Clancy’s Jack Ryan – Segunda temporada ganha trailer oficial

Antiprisma lança segundo disco, "Hemisférios", via Alcalina Records | Música | Revista Ambrosia

“Clocking Days”, disco de estreia de BEX, une eletrônico e experimental