em , ,

CCXP19: Painel de O Rei Leão conta como o filme foi recriado

Supervisor de efeitos especiais de O Rei Leão fala sobre a savana digital africana

O live action de O Rei Leão pode não ter sido uma unanimidade entre críticos e até mesmo os fãs da animação antiga, mas é sem sombra de dúvidas um trabalho assombroso da equipe de CGI que recriou a savana africana literalmente do zero, uma vez que não houve nada feito em estúdio. Para explicar um pouco dessa mágica, o supervisor de efeitos especiais do filme, Julien Bolbach esteve na CCXP no primeiro dia do evento em um painel dedicado ao longa. Ele trabalhou por sete meses com a equipe do diretor Jon Favreau.

Trabalhos anteriores da MPC, empresa responsável pelos efeitos foram citados e tiveram trechos mostrados. Liga da Justiça, Esquadrão Suicida, Harry Potter fazem parte do currículo. Mas o que arrancou aplausos mais entusiasmados foi o mais recente trabalho, a série do Disney + “The Mandalorian”. “Quem aqui é fã do Baby Yoda?”, perguntou ele percebendo o quão bem recebida está sendo a produção do streaming da Disney.

Bolbach deixou claro que o trabalho anterior com a Disney e Jon Favreau, “Mogli: O Menino Lobo”, havia um set, com alguns elementos de cenário e tela azul. Em O Rei Leão foi 100% blue screen. Para recriar a paisagem africana com fidelidade uma equipe foi enviada para captar imagens do cenário e dos animais em seu habitat. Ele próprio não foi nessa excursão, mas já havia ido à região. Uma parte da equipe também foi ao parque Animal Kingdom, o mega zoológico da Disney em Orlando.

Realidade virtual foi um recurso amplamente utilizado para a fotografia e o design de produção. Favreau queria movimentos de uma câmera real, conseguidos com uma grua virtual. O vídeo mostrando um passeio pela savana do estágio inicial até a renderização final é impressionante.

Muita gente criticou a ausência de expressões dos animais, todavia, Bolbach contou que a equipe trabalhou para que cada bicho exprimisse no olhar e em movimentos personalidade distinta. E foram 355 espécies animais desenvolvidas para o longa. No final, ele mostrou um clipe com a música ‘The Lion Sleeps Tonight’ e as espécies que aparecem nesse momento do filme em diferentes fases de renderização.

E uma curiosidade: em meio a todo o CGI, Bolbach confirmou que a tomada do nascer do sol no início do filme foi real, feita durante a viagem da equipe à África. Foi o único momento realmente live action do filme.

Deixe sua opinião