adoraveis mulheres greta gerwig emma watson

Festival do Rio: O notável crescimento de Greta Gerwig no ótimo “Adoráveis Mulheres”

Cada vez mais estabelecida por seu cinema ali entre o cool e o sensível, a diretora Greta Gerwig correu atrás, conseguiu e se revelou a melhor pessoa para dirigir a nova versão do clássico livro de Louisa May Alcott, Adoráveis Mulheres, que já teve inúmeras versões cinematográficas.

O seu envolvimento se estendeu ao roteiro, buscando assim estabelecer seu olhar na história do amadurecimento de quatro irmãs de personalidades distintas, em plena guerra civil norte-americana, quando a maioria dos homens saiu de casa para os conflitos.

adoraveis mulheres filmes cinema criticas revista ambrosia

Historicamente, o livro original sofreu críticas por ser contra tudo o que feminismo defende, sobretudo pelo casamento ser o objetivo final da vida da mulher. O primeiro grande êxito de Greta é justamente em adaptar o discurso sem prescindir da essência da história.

O roteiro ressignifica o papel da protagonista Jo March (Saoirse Ronan, esplêndida) e faz um bom recorte entre as outras personagens/irmãs com ótimas atuações de Emma Watson, Eliza Scanlen e a revelação do ano, Florence Pugh (que já havia demonstrado muito talento em Midsommar). Timothée Chalamet, fisicamente até não parece ter o que seu personagem precisa, mas ele é tão bom que a estatura vem com sua interpretação.

festival do rio adoraveis mulheres filmes cinema revista ambrosia

O elenco – que ainda conta com Laura Dern, Louis Garrel e Meryl Streep – é muito bom, e todos têm o seu momento na trama. Direção de arte, figurino e fotografia mimetizam de maneira muito elegante o universo do livro para plateias do final dos anos 2010.

Greta demonstra muita segurança ao brincar com a estrutura da história, arrojando a narrativa com elipses, vai e vem no tempo e até exercício de metalinguagem. E assim como seu delicioso filme anterior, Lady Bird, sua obra se desenvolve pela leveza de sua própria consistência.

Adoráveis Mulheres não simplesmente atualiza a história original de May Alcott, mas a torna atemporal. Que grande diretora tem se tornado essa Greta Gerwig…

Cotação: Excelente 4 de 5 estrelas.

adoraveis mulheres filme greta gerwig cinema festival do rio ambrosia

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ant.
Festival do Rio: O paralelismo de universos em “A Febre”
a febre maya da rin scaled

Festival do Rio: O paralelismo de universos em “A Febre”

Grande vencedor do Festival de Brasília desse ano, A Febre, da diretora carioca

Próxima
10 melhores aberturas de anime em 2019
10 MELHORES ABERTURAS de ANIME em 2019

10 melhores aberturas de anime em 2019

Ano chegando ao fim, sempre bom lembrar das coisas boas que ficaram pra trás mas

Você pode gostar