em , , ,

Festival do Rio: “Pacarrete” é filme que carrega em si todos os sonhos do mundo

Pacarrete é daqueles filmes de coração para coração. E essa singeleza vem da soma de fatores que vão desde a imersão irrepreensível de uma atriz gigante como Marcélia Cartaxo, quanto de uma direção que cria espaços para essa sensibilidade ter a dimensão necessária para emocionar.

Pacarrete é uma mulher de personalidade idiossincrática. Tem arroubos de histeria e raiva, ao mesmo tempo em que parece completamente imersa no lirismo de seus desejos artísticos: a música e o balé clássico. A história é toda centrada na transformação e percepção dessa mulher, que vai do riso ao choro na mesma intensidade, e que, incompreendida pelas pessoas, faz de si seu próprio universo.

O diretor Allan Deberton captou exatamente essa contradição e ilustrou de maneira lúdica seu “universo” (com belíssimos figurinos) para que sobressaísse o estado de espírito de sua protagonista.

O elenco, qua ainda conta com um apaixonante João Miguel, tem pérolas do teatro nordestino, como Zezita Matos e Soia Lira, todos com a devida acepção de tornar Pacarrete do tamanho de sua complexidade. Pacarrete é algo como a Cabiria do Nordeste. E assim como a criação de Fellini, carrega em si todos os sonhos do mundo. Ao transformar isso em cinema, Deberton nos carrega junto com ela.

Cotação: Excepcional (4,5 de 5 estrelas)

Deixe sua opinião