em ,

TopTop

“Camaleão” é o título do novo álbum de Leo Quintella

Chamam de “camaleão” aquele que circula por diversos meios e se adapta a todo tipo de situação. Algumas linhas da psicologia reconhecem essa capacidade como uma maturidade do ser humano. A metáfora veste como uma luva o trabalho do cantor, compositor e multi-instrumentista paulistano Leo Quintella, que está lançando o álbum “Camaleão”, pela gravadora Biscoito Fino.

Quintella já lançou os singles Jangada (ijexá repaginado), Slowmotion Cameraman (folk moderno) e a releitura de Meu Sangue Ferve por Você (mistura house e disco music), nessa ordem, e agora chega às plataformas digitais com as outras faixas de Camaleão. O álbum é o resultado das múltiplas influências desse artista que é moderno e retrô ao mesmo tempo, ouve de tudo e transforma todas as experiências em melodia boa e letra inteligente. Além de nome do álbum, Camaleão é também a quarta faixa e representa a versatilidade de Leo Quintella para a composição e para a vida: “Me desculpa se eu mudo de cor / Troco o meu sentido, troco o meu amor / É que eu sou tipo um camaleão / Que corre sem juízo numa direção”, canta ele sobre uma melodia simples – mas que pega o ouvinte – ao estilo Paul McCartney, um de seus ídolos.

A música apareceu na adolescência, quando Leo descobriu os Beatles e ganhou uma guitarra de um dos irmãos. Na faculdade, reconheceu seu próprio valor quando sua primeira canção viralizou: depois que compôs Menina, trazida agora para o disco, Leo Quintella passou a gostar de administrar sua própria criatividade – por sinal, muito elogiada pelo cantor Sidney Magal depois do lançamento do clipe de Meu Sangue Ferve por Você.

Prédios de Papel, nona faixa do álbum, vem com a herança de quem também aprendeu em casa a pensar no outro: “Um amigo trabalhou no projeto Um Teto para o Meu País, que construía casas populares para sem tetos. Ele ia pintar e eu ia junto, levando comida, violão… Meu pai era envolvido com questões do meio ambiente, e eu trabalhei com ele. Essa música é sobre tudo isso”.

Eu Vi Você Mudar de Cor já traz a perspectiva de Leo Quintella sobre religiosidade: “O céu que trouxe à tona as novidades / que fazem essa gente evoluir”, canta ele. Já Ritmo é uma bela e envolvente canção de amor composta para uma namorada e inspirada nos anos de vai e vens. Qualquer Coisa Boa também é sobre o amor, e o título já diz tudo. Festa encerra o álbum em ritmo dançante, misturando rock, soul e MPB.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *