em ,

Suco de Lúcuma desbrava a psicodelia brasileira com “Nada no Ar”

Suco de Lúcuma (Crédito de Camila Sánchez)
Suco de Lúcuma (Crédito de Camila Sánchez)

Cada vez mais perto do lançamento do disco de estreia, a Suco de Lúcuma fecha o ano de 2019 com o single “Nada no Ar”. A faixa começa com uma melodia que remete aos primeiros discos do Mac Demarco, e passa por mais duas paisagens sonoras com influências da tropicália e artistas internacionais como Gustavo Ceratti e Pink Floyd. “Nada no Ar” foi precedida pelo single de estreia “Ausência”, e por “Fios de Desejo” que ganhou uma live session em abril deste ano.

“A música, quase em desabafo, fala sobre a sensação de saudade de algo que pode nunca ter acontecido, e na aceitação da tristeza dessa situação”, comenta Carlos Bechet, vocalista e guitarrista da banda. Terceiro single do disco de estreia, “Quase Rosa, Quase Azul”, a faixa mostra um pouco mais da fusão de sonoridades presentes no álbum, que é baseado em dualidades. A capa de cada single é fruto da arte da capa do disco, influenciada pelo teste de Rorschach, e feita pela banda usando tinta a óleo num papel que foi fotografado depois.

A Suco de Lúcuma é formada por Thomáz Bonatto (guitarra e voz), Carlos Bechet (guitarra e voz), Vicente Pizzutiello (bateria) e Felipe Pizzutiello (baixo). A música foi produzida e mixada por Bechet e Bonatto, e lançada pela produtora Orelha Muda (distribuição Tratore). O ensaio fotográfico com a Suco de Lúcuma contou com fotografia e iluminação de Camila Sánchez, enquanto o figurino e direção foi de Anne Santoro e Giovanna Rodrigues.

Deixe sua opinião

“Brooklyn – Sem Pai Nem Mãe” e a pura vaidade de Edward Norton

O retorno triunfal de Eddie Murphy: Meu nome é Dolemite