A arte e o poder das histórias, por Martin Puchner | Críticas | Revista Ambrosia
em ,

A arte e o poder das histórias, por Martin Puchner

Professor de Harvard mostra como a literatura transformou a civilização

O livro O Mundo da Escrita, publicado pela Companhia das Letras, traz a importância da literatura como agente transformador civilizatório.

Os textos escritos marcaram a evolução da história, são os códigos que definem a identidade das civilizações, como a escrita inspirou a ascensão e a queda de povos e impérios, o desabrochar de ideias politicas e filosóficas e o nascimento de crenças religiosas.

O professor da Universidade de Harvard, Martin Puchner, conduz a uma viagem histórica, de Gilgamesh a Harry Potter, e analisa a gênesis das grandes obras: a transcrição da Ilíada que Alexandre Magno levava em suas conquistas, as Escrituras Sagradas, os textos de Buda, Jesus, Confúcio e Sócrates, o primeiro romance no Japão, Genji, escrita por una mulher, e a renovação que Miguel de Cervantes fez no gênero, entre outros momentos da História Literária.

Puchner viaja além dos cenários mais conhecidos, como ao sul do Saara,onde se recita a epopeia de Sunjata ou na selva mexicana de Lacandona, onde vivem os herdeiros da cultura maia do Popol Vuh. Um livro que nos oferece uma visão nova e enriquecedora da história da cultura e como o poder das histórias moldou o nosso planeta.

A arte e o poder das histórias, por Martin Puchner | Críticas | Revista Ambrosia

Didático. Puchner atrai pelo título comercial, mas também por desenvolver um ensaio que segue o caminho da palavra escrita antes mesmo dela nascer. O autor aborda a pressão entre a oralidade e a palavra escrita em todos os capítulos, para citar alguns exemplos, Sócrates é um dos grandes pensadores que conquistou um lugar na História do “o mundo escrito”, apesar de não ter escrito nada; a Ilíada, a Odisseia, a Epopeia de Gilgamesh e a épica indiana Ramayana foram  preservadas por meio de uma tradição oral que poderia perecer pela dependência excessiva do papiro; Jesus escreveu apenas uma vez, e na areia, para que suas palavras sejam lavadas; a sabedoria de Buda é preservada nas memórias de seus alunos, etc, etc.

Professor de Inglês e Literatura Comparada em Harvard e editor geral da The Norton Anthology of World Literature, o autor evita fazer uma pesquisa direta, mas compor vinhetas que saltam da cópia da Ilíada de Alexandre, o Grande, para as escrituras judaicas, dos sermões de Martin Luther à Harry Potter, de Goethe ao Manifesto Comunista.

A arte e o poder das histórias, por Martin Puchner | Críticas | Revista Ambrosia

A escrita tem seu inicio na Mesopotâmia, cerca de 3500 aC, com inscrições em tábuas de barro, mas foram os fenícios que criaram o primeiro alfabeto moderno e os chineses com o aperfeiçoamento do papel levaram aos árabes o comércio a granel e ao mercado europeu. Puchner aborda brilhantemente o desempenho que o papel teve na formação da literatura, ambientando o cenário de O Conto de Genji, o clássico japonês do século XI da anônima Sra Murasaki, através das camadas de papel que separam o jovem príncipe da história e a garota que ele espia. O papel os separa, mas também os une, o rapaz escreve poesia para a jovem, o cuidado de dobrar o papel e receber a indiferença, o leva a sequestrar e a ensinar a escrever seus próprios poemas.

Quando Gutenberg estabeleceu sua imprensa, ele se baseou nas técnicas orientais. Sua invenção (“se ainda queremos chamar assim”, sugere Puchner), a primeira máquina de imprensa foi o culminar de idéias anteriores. E o processo se aperfeiçoou, evoluiu e chegou ao que é hoje, lembrando da produção de cópias dos sermões de Martin Luther a uma taxa mais rápida do que a Igreja poderia jogá-los no fogo.

A viagem que o autor nos presenteia é decorrente de uma pesquisa ampla, parecida com uma investigação. O professor rastreia as vidas posteriores de muitas obras literárias em seus países de origem, descrevendo, em cada capítulo, suas viagens para sentir a visão que cada autor teve ao fazer certa obra.

Puchner cria uma obra com uma profundidade e legibilidade, mas que torna o livro acessível a todos os leitores. Conecta tempos e lugares em que a literatura e os famosos livros, como os conhecemos hoje, foram criados de uma maneira nova, esclarecedora e surpreendente.

Deixe sua opinião

Publicado por Cadorno Teles

Entre as atrações está My Magical Glowing Lens (Crédito Giovana Rosetti)

Festival Patrimônio da Música convida 10 bandas

Rodrigo Zin apresenta Grana Azul no Estúdio 172 Sessions | Música | Revista Ambrosia

Rodrigo Zin apresenta Grana Azul no Estúdio 172 Sessions