em ,

“Amorte chama semhora” canta em verso a linguagem “solta” do aparelho semântico

Você já sentiu alguém irritado lhe dizer em tom crítico Pelo amor de Deus. Se pensarmos que o amor é um sentimento que necessita do corpo que lhe destina, que o afeto e seu desenvolvimento: o amor é possível? Se existe o outro. Uma idealização que requer materialidade do sujeito corpóreo. Mas há nesta reprovação uma boa argúcia argumentativa. Manter a fé ou manter o compromisso?

Se Deus é tudo, está em todo lugar, teremos aí uma bela alquimia poética quando estamos usando o nome dele em prol de um desejo não realizado. De um chamado não respondido.

A linguagem está nas palavras, a linguagem está numa imagem, numa cor que mesmo sem palavras nos dá uma nota afetuosa. Vocês já perceberam a dicotomia Branco x preto.

Mas quando utilizamos a linguagem no seu máximo poderio de expressão, quando sua imagem e seus signos são potencializados  numa dança ou numa mudança de percepção, de concepção. Tal como o amor de Deus.

Por uma ordem

Por um desejo real

Por um monte de gente diferente

Sem nome

Sem gênero

Identitário mesmo na sua especificidade

Assim é

Um treta assim se dá quando a poesia entra na ciranda

Na tela letra?

Ou na felação canção

Tudo vira miscigenação na morte chama Semhora.

Se pararmos com Deus e pensarmos em nossos desejos

————–como apenas poesia

Precisaremos dizer? – Pelo amor de Deus

Sim nesta junção de quereres

está o livro lindo de J.r Bellé

Amorte chama semhora, pela editora Patuá.

Uma liberdade que a página estampa.

Signos foram soltos da prisão linguística

E estão nos espaços da rua aglutinando a tua palavra à leitura.

Deleuze não é forma de desencontros,

É a linguagem do Bellé tecendo [email protected] elas e elos

(quer)elas (quer)elos

A linguagem é gozo no livro do camarada

Tal como o corpo sem norte sem sul do leste de Éden nem a oeste do faroeste.

A morte é uma sem hora com(o) Deus pode ser uma mulher com 80 anos

Assim vejo Hilda- Wislawa- Plath- Meirelles todas Deusas da linguagem.

Sinto que ler um livro como este do Bellé me aproxima da orgia que um texto

Pode provocar em um leitor assumidamente apaixonado pelas palavras.

Opiniões

Participe com sua opinião!

Carregando

0