Ensaios provocativos de uma sociedade em livro da Novo Século

Ambrosia Literatura Ensaios provocativos de uma sociedade em livro da Novo Século

As discussões sobre gênero nunca estiveram tão em evidência. Na verdade, em poucos períodos na história a população brasileira esteve tão ativa nos debates sociais e políticos. No livro Má feminista – Ensaios provocativos de uma ativista desastrosa, a autora e ativista Roxanne Gay nos apresenta sua visão política e pessoal sobre o assunto.

Ensaios provocativos de uma sociedade em livro da Novo Século | Literatura | Revista Ambrosia

Publicado pela editora Novo Século, os ensaios, como a própria Gay relata em sua introdução, são, como o feminismo, falhos, mas são genuínas maneiras de uma situação  que ultimamente está em voga.
Por meio de uma seleção de ensaios engraçados e perspicazes, a escritora nos leva a uma viagem sobre sua própria evolução como mulher negra, ao mesmo tempo em que nos transporta a um passeio pela cultura nos últimos anos.
Ela brinca com o problema, com suas frustrações e apresenta um olhar provocativo e ácido sobre o feminismo, o racismo, a leviandade, a intolerância dos movimentos entre outros pontos.

Ensaios provocativos de uma sociedade em livro da Novo Século | Literatura | Revista Ambrosia

Roxane Gay, 41, é escritora, professora universitária em Indiana (EUA) e feminista. Mas uma “má feminista”, como se apresenta. Sonha com o closet cheio de sapatos e vestidos. Já disse muitas vezes que preto é sua cor preferida, mas gosta mesmo é de rosa. Repudia letras ofensivas de música que mostram a mulher como um objeto, como uma conquista do homem, mas se pega dançando essas mesmas músicas.
Ficcionista e ensaísta americana de origem haitiana, ela ganhou destaque por sua defesa de assuntos como igualdade de gênero e de raça e respeito ao outro ao publicar artigos sobre esses temas em diversos veículos. E conquistou o grande público quando lançou, em 2014, Má feminista. Best-seller internacional, a obra chega às livrarias brasileiras pela Novo Século no momento em que as mulheres protestam país afora contra o machismo e a cultura do estupro e depois que uma adolescente de 16 anos foi brutalmente estuprada por vários homens. “Fiquei horrorizada”, disse Roxane Gay ao Estadão, sobre o caso brasileiro que, ela diz, em nada se difere do que aborda no ensaio A linguagem negligente da violência sexual – o de uma criança de 11 anos estuprada por 18 homens em Cleveland, nos EUA, também filmado. “Este é o futuro. O indizível agora é televisionado”, ela escreve.

#Novidades