em ,

"Monalisa – A Mulher Por Trás do Quadro" por Dianne Hales

Por trás de alguns quadros e pinturas famosas sempre há uma história que verte ao momento e ao período que foi concebida. Entre as mais enigmáticas, a Mona Lisa de Leonardo da Vinci, o rosto mais famoso do mundo das artes, com certeza possui muito o que contar. A jornalista Dianne Harris ao visitar o Louvre ficou curiosa acerca do quadro e da mulher nele retratada e como estava fazendo um trabalho sobre a língua italiana, mergulhou na sociedade florentina dos séculos XV e XVI em busca de respostas sobre Lisa Gherardini, a mulher retratada na pintura de Leonardo da Vinci e pouco conhecida.

O resultado é o livro Mona Lisa – A Mulher Por Trás do Quadro, título publicado pela José Olympio, com tradução de Martim Vasques da Cunha e Tiago Starling de Mendonça. Um livro divertido, pois Harris narra de forma coloquial a reconstrução da vida de Mona Lisa Gherardini del Giocondo, a esposa de um próspero comerciante florentino, Francesco del Giocondo, que ou encomendou a pintura a Leonardo da Vinci ou foi abordado pelo artista para criar o retrato agora abrigado no Louvre.
Combinando história, biografia, diário de viagem pessoal e uma carta de amor para a Itália, o livro retrata Lisa Gherardini como uma típica mulher de seu tempo, mas com um diferencial, vivenciou a Renascença; e seria impossível contar a história de Lisa sem falar sobre as tramas políticas que moldaram a vida das italianas durante o Renascimento, as famílias proeminentes de Florença e o papel da mulher naquela época.
Diane vasculhou arquivos em situações precárias, caminhou por ruas degradadas e conheceu a vizinhança onde Lisa nasceu, conversou com descendentes da retratada por Da Vinci, e se aventurou pelos mais antigos palácios de Florença. Conseguindo pintar, fazendo analogia aos quadros, os espaços em branco da vida daquela que ficou conhecida como Mona Lisa. Assim, nós, leitores seguimos os passos dos Gherardini até o nascimento de Lisa, seu casamento com Francesco Del Giocondo, seu encontro com Leonardo, sua vida de esposa e mãe e, por fim, sua morte. Hales pinta os espaços em branco de sua vida com a história cultural da Renascença, considerando diversos aspectos desde a educação que recebeu, a etiqueta que observara, o que teria comido, que roupas provavelmente usaria, a natureza de sua vida sexual e muito mais.
O resultado é um livro que faz um exame da vida das mulheres em Florença no período. Pode ser que haja um pouco de ficção, difícil de levar a sério, como no caso sensacionalista de que talvez artista e assistente “criassem uma conexão tão intensa que tudo parecia desaparecer em um momento suspenso no tempo”. Enquanto Hales percorre a Itália, entrevistando historiadores, inspecionando os afrescos de Ghirlandaio na igreja de Santa Maria Novella, aluga uma casa na Toscana e um apartamento em Florença, e uns almoços com os nobres florentinos, os leitores aproveitarão o passeio, pelas descrições da autora de cada um desses momentos.
Como resultado temos uma biografia recheada de história e memória – um tour por Florença e uma jornada de descoberta que recria o dia a dia de uma mulher, Lisa, em uma época que se equilibra entre o medieval e o moderno. Recomendado.

Deixe sua opinião

6 mortes totalmente inesperadas nos animes

"Homem-Formiga e a Vespa" é frágil na tentativa de ir além da diversão