em ,

Divulgada a capa de Luluzinha Teen e Sua Turma #1

Acaba de ser divulgada a capa da primeira edição de Luluzinha Teen e Sua Turma, novo título da editora Ediouro/Pixel. Na imagem podemos conferir Alvinho (surfista e encrenqueiro), Bolinha (magro e tem uma banda com amigos), Luluzinha (com cabelos soltos, esbelta, mas continua adorando uma boa investigação), Glorinha (agora amiga de Lulu, de cabelos lisos e super-antenada na moda) e Aninha (fechada, reservada, um doce de menina e viciada em games):

luluzinha-teen

O blog, LuluTeen.com.br, terá interatividade com o gibi, os leitores também poderão acompanhar a galerinha pelo próprio site, além do Twitter e Comunidade do Orkut da personagem. O blog vai ao ar no dia do lançamento da revista.

Luluzinha Teen e Sua Turma #1 tem roteiros e arte do estúdio Labareda Design, 96 páginas, previsão de lançamento para 5 de junho de 2009 por R$6,40 e conta com participação especial da cantora Pitty.

Aguardem no Ambrosia uma resenha muito especial!

O que eu acho? Edição e Design de (alguns) personagens: Rafael Lam. o/

Lam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

23 Comentários

  1. A turma da Luluzinha desapareceu nesse projeto, vamos ver quanto tempo essa versão vai durar, não curti a turma da Mônica teen mas eles não ficaram tão amplamente descaracterizados…
    Os biotipos diversos e o visual fora do padrão eram um dos atrativos mais marcantes da turma da Luluzinha, agora foram todos reduzidos ao padrão “massa, véio”, ainda bem que Charles Schulz deixou registrado em testamento que ninguém poderia pôr a mão na turma do charlie brown depois da morte dele, senão iamos ver outra heresia cometida contra a cultura pop, talvez teríamos um Charlie Brown colecionador de mangás, que sabe!

  2. Nada impede que as histórias dessa “outra” turma venham a ser muito boas, mas que tem algo do espírito original, ah isso não tem não, virou qualquer outra turma de qualquer outro lugar, embora tenham preservado os nomes!

  3. Eu realmente duvido que tenha algo com o original alem dos nomes dos persoanagens… Mas nao acho ruim.. Afinal e so uma sacada comercial pra alavancar uma historia nova…Eu realmente espero que se distancia bastante do original… e que ela descanse em nossas memorias para sempre…E que venha o novo!rs

  4. Esse é um processo deliberado de empobrecimento dos quadrinhos, a turma do Charlie Brown, por exemplo, serve como exemplo na contramão dessas mudanças arbitrárias, é um produto para todas as idades, não irei longe dizendo que é universal, mas além de ser inteligente, é acessível e agrada a todos os públicos, e assim se tornou um icone da cultura popular!
    Agora a cada dia surgem mais e mais projetos manjados, para vincular personagens de longa tradição e qualidade a esquemas ultra comerciais, se isso não é destruir elementos essenciais do imaginário coletivo eu não sei o que é, e isso em nome do lucro fácil e ambundante!
    Sou radicalmente contra essa grande onda de iniciativas retrô sem critério, tanto quanto me dá asco esse festival de modernosidades, ataques extremamente agressivos que estão deformando a indústria cultural cada vez mais, deixando tudo pasteurizado (tudo igual) e completamente insosso!

  5. Certíssimo, disparem a colocar outros tópicos sobre o assunto e deixem esse aqui com opiniões desfavoráveis bem lá para o fim, pode até ser que os colegas esqueçam a presente discussão, afinal é uma estratégia beeeeeeeem comum por que quase sempre é bem sucedida…
    A cada tópico sobre esse assunto, essa “coisa” me parece um pouco mais mercenária!

  6. Concordo em número, gênero e grau com você, Valmer.

    Por pior que Mônica Jovem possa ser, os personagens mantem a caracterização de suas versões clássicas. Ainda é possível reconhecê-los como Mônica, Cebolinha, Magali e tudo mais.

    Já esta versão da Luluzinha não tem absolutamente NADA em comum visualmente com o personagem original, tem cara de um mangá genérico onde a marca da Luluzinha foi usada como uma forma de tentar arrastar mais público.

    Mas foi uma decisão pobre, pois não vai interessar a público algum.

    A molecada não vai se interessar porque prefere comprar Naruto ou One Piece, mangás “genuínos” (por assim dizer) e de qualidade muito superior, independente do gosto pessoal.

    Os adolescentes não vão ler porque… bem, adolescente não lê nada. Quando o faz, lê exatamente o mesmo que as crianças ou então, Marvel e DC.

    Por fim, adultos que comprariam isso para seus filhos vão dar preferência a Mônica Jovem, que é uma marca com o qual eles provavelmente se sentem mais seguros e que podem identificar mais facilmente.

    Claro, adultos poderiam reconhecer a Luluzinha, mas apenas se a personagem “teen” não estivesse tão descaracterizada.

    Sou totalmente a favor do quadrinho nacional, mas que produza coisas de qualidade e não meros “copy-paste” sem alma para tentar emplacar na onda de sucesso de um outro trabalho.

    E sinceramente, qualquer quadrinho que tente se alavancar com a presença de uma celebridade está cometendo um ato de tremendo mau gosto.

    Se o filme novo do Exterminador do Futuro tentasse cativar o público colocando uma participação inexplicável da Hannah Montana, ninguém em sã consciência perdoaria. Devemos ter a mesma atitude com a presença da Pitty.

    Espero não ter ofendido ninguém com as críticas, mas esta é minha opinião.

    Se a revista der certo, serei o primeiro a admitir que estava errado e aplaudirei de pé os responsáveis pelo quadrinho.

    Cheers!

  7. Se ISSO vai fazer sucesso ou não, não é a questão que eu levantei, mas concordo com a análise do colega Amer, se não houver sucesso pode significar que o público de quadrinhos no Brasil se tornou um pouco mais exigente, se fizer sucesso vai significar mais do que o fim de um marco dos quadrinhos genuínos, mas nos dois casos o que mais me preocupa é a facilidade em que se promove a adulteração de um elemento da cultura pop sem chances de haver uma consulta de opinião pública, afinal esses personagens não são de domínio público, onde está a responsabilidade dos detentores desses direitos autorais? Quem são eles?

  8. Leia a análise do Amer aí encima, ele expressa um pouco do que eu penso a respeito da possível “repercussão” desse produto, eu foquei mais no oportunismo da iniciativa e sua hipocrisia eminentemente capitalista, na minha humilde opinião estão levando o FASTFOOD quadrinístico a um nível nunca antes imaginado, é o estilo “massa véio” numa versão mais apocalíptica do que qualquer outra já feita!

  9. Engracado, boa parte das pessoas estao chamando este trabalho de aproveitador e sem essencia.
    No entanto todos esses comentarios sao baseados em aparencia. Sempre achei que essencia fosse algo alem do corte de cabelo ou do peso….mas posso estar enganado pelo visto….

  10. Não claaaaaaaaaaaaro que não é um projeto OPORTUNISTA (IRONIA)!!!!!!!!!!!!!!
    Cara, estamos falando de Histórias em Quadrinhos, o visual dos personagens FAZ PARTE INDISSOCIÁVEL dos mesmos, no caso da Luluzinha isso é ainda mais evidente, o visual digamos “alternativo” dos personagens, principalmente dos principais Luluzinha e Bolinha é a marca registrada do título, dizer que você muda isso e não destrói a sua essência é ser no mínimo ingênuo e no máximo hipócrita, um Bolinha (gordo ou magro, tanto faz para mim) roqueiro não tem nada a ver com o temperamento dele nos quadrinhos, por exemplo!
    Mas sempre vamos encontrar gente para defender qualquer arbitrariedade, alguns conseguem ser capazes de menosprezar até o extermínio dos judeus na segunda grande guerra mundial pelos nazistas, justificar Luluzinha teen então é fichinha!

  11. Peraí.. que porcaria é essa?! Que eu saiba a Glorinha originalmente tinha cabelo crespo, e nem com uma chapinha muito boa ela conseguiria um cabelo tão naturalmente liso desses. Além disso a aninha tinha uma aparência toda largada e descuidada, tudo bem que com a adolescência a vaidade aumenta, mas se ela é uma garota fechada, vivendo em um mundo de games ela devia ter uma aparência mais descuidada ao meu ver.