em ,

Álbum "Rosário de balas" tece falas, sons e ritmos em harmonia

Um mosaico não seria laico se fechasse o plural do seus encaixes. Assim como o arcaico pode coexistir com o dito “civilizado” sem um descriminar o outro. As coisas simples como uma casa caiada podem servir de contraluz ao edifício mais alto. Esta dicotomia entre o interior e a cidade; entre sertão/mar, quando o poeta faz poesia, ele não está interessado no mais valia das coisas, mas sim na estética e nos sons das palavras, na maneira de se juntar áudio e grafia, o poeta é um bom caminhador das palavras.
O músico e poeta Paulo Netto em seu primeiro álbum, chamado Rosário de balas” pelo selo Circus, cria em gêneros, números e graus, num circuladô caleidoscópio de tons e matizes sobre o pensar ou pesar do homem contemporâneo em meio a discursos de balas ; falas-metralhas que giram e giram pela vergonhosa munição argumentária. Com produção musical de Rodrigo Campos, direção artística do Celso Sim e amparado por um grupo de músicos com diversos registros da inventiva música popular brasileira, um mosaico-aglutinador de todas as árvores plurais que tem por este Brasil afora. O rock se embebeda  da MPB, aglutina com o folk e procria numa universalidade de gêneros e matizes, com cirandas e cantigas de toda espécie.
Se queres ser universal, fale da sua aldeia. O olhar do poeta não é acadêmico pois não estuda uma bela cena de uma casa rústica, com olhar crítico/estrangeiro. Paulo traz em si, um repertório afetivo de lembranças quando viveu em Pernambuco, e mesmo em São Paulo, sua fala-tapeçaria é prosada em afeto pelo lume-poética da memória.
Duas letras chamam bastante atenção: a quinta faixa ‘Temos todos o mesmo a perder’, composta por Paulo quando leu um texto da compositora Zélia Duncan na imprensa; e faixa que dá nome ao álbum, ‘Rosário de balas’. Por sinal, um título lapidar, entre o novo mundo novo da guerra da linguagem que assola as redes sociais com um tipo de instrumentalização cirúrgica de matar alteridades no discurso do outro.

Deixe sua opinião

Publicado por Fernando Andrade

"As Aventuras de Paddington 2" é uma boa diversão para a família

Emicida lança música inspirada em Pantera Negra