Ambrosia Música Jorge Drexler evoca o silêncio em show no Teatro Riachuelo, no Rio de Janeiro

Jorge Drexler evoca o silêncio em show no Teatro Riachuelo, no Rio de Janeiro

O cantautor Jorge Drexler, que tem vindo ao Brasil e ao Rio regularmente nos últimos anos, lotou mais uma casa carioca, desta vez o Teatro Riachuelo, na Cinelândia, com show da turnê Silente (Silencioso), que começou no Brasil no último dia 31/05 por Porto Alegre.

Nem a segunda-feira chuvosa e “fria” do dia 3 de junho afastou o público carioca, cativo de Jorge, das poltronas do Riachuelo e do magnestismo do artista. A nova turnê brasileira do uruguaio radicado em Madrid há mais de 20 anos segue em São Paulo nos dias 6 e 7 de junho e em Curitiba no 8.

No show, o artista evoca o silêncio e seus mistérios. Mas, paradoxalmente, silêncio foi tudo o que o público não fez, acompanhando e cantando, estalando os dedos e batendo palmas junto com Drexler, que brindou seus fregueses com consagrados sucessos. Entre eles, “Guitarra y Vos”, ” Todo se Transforma”, “Movimiento”, além de arriscar-se, com êxito, a transformar “Chega de Saudade” , de Tom e Vinícius, canção inaugural da Bossa Nova, lançada em 1958, numa milonga.

Fã da música brasileira e igualmente admirado por muitos de seus artífices, Jorge também cantou, como habitualmente sempre que vem ao Brasil, “Disneylândia”, de Arnaldo Antunes. Na plateia, aliás, valendo menção e registro do artista e visita ao camarim pós show, estavam Lenine e Marisa Monte, curiosamente dois artistas que já cantaram com outra pop star latina, Julieta Venegas. Na pessoa de Djavan, por sinal, a música brasileira e Drexler tiveram recentemente mais um encontro, só que apenas virtual. Os dois, que não se conhecem, compuseram juntos, cada qual no seu canto, a música ” Esplendor”, que está no álbum ” Vesúvio”, em lançamento pelo alagoano.

Para a turnê que ora apresenta, o artista vem sem sua banda, alternando instrumentos como violão e guitarra, algumas vezes no ” banquinho e violão”, algumas vezes se apropriando do palco inteiro que tem cenário minimalista composto por telas que se desmembram e iluminação num jogo de luzes e sombras, em concepção do iluminador na madrilenho Andrés Conesa.

Durante o show, simpático como sempre, Jorge usou de ironia fina e inteligente, falou um esforçado português, contou casos e defendeu a educação pública em risco atualmente no Brasil no único momento político da noite. Um show para ficar na memória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

próxima publicação