em , ,

Ringo Starr lança novo (e bom) álbum cheio de paz e amor

Ex-beatle usa, mais uma vez, a ajuda dos amigos para levar mensagem positiva em seu 20⁰ álbum, What’s My Name

Muita gente não leva Ringo Starr a sério. Dizem que ele é apenas um “homem de sorte”. Mas tocar na maior banda de todos os tempos, casar com uma Bond Girl e ainda ter uma carreira musical solo cheia de sucessos não é para qualquer um.

What’s My Name, título do 20⁰ álbum de Sir Richard Starkey, segue uma fórmula de sucesso criada no início dos anos 70 e que fez com que seus singles e LPs vendessem mais do que os dos geniais Lennon & McCartney.

Certa vez, John Lennon chegou a enviar um telegrama para Ringo dizendo: “Parabéns. Como você se atreve? Por favor, escreva um hit para mim”.

Ringo reúne uma série de amigos — dessa vez Joe Walsh, Steve Lukather, Edgar Winter, Dave Stewart, Nathan East, Benmont Tench, Dave Stewart, Colin Hay e um certo Paul McCartney — escolhe um punhado de canções originais e outras do seu passado e manda ver em registros diretos, básicos e cheios de alegria.

O melhor em muito tempo

Apesar da fórmula não ser nova e do disco não ter a pretensão de mudar os rumos do rock, Ringo & Cia conseguiram produzir uma boa coleção de canções — a melhor de Starr em muitos anos.

Se as referências aos Beatles aparecem na regravação de Money (originalmente gravada pelos Fab Four no LP With the Beatles) e no registro de Grow Old With Me — canção que John Lennon compôs e pretendia dar para que Ringo gravasse no que seria o seu Stop and Smell the Roses (1981) e que conta com o baixo e backing de McCartney — não são elas que dão brilho ao disco.

Os destaques vão para a enxuta produção (do próprio Ringo) e para faixas como a que dá título ao disco (inspirada em uma das falas preferidas do baterista durante seus shows) e outras cheias de leveza como Send Love Spread Peace e Thank God For Music.

“Eu não quero mais estar em um estúdio tradicional, de verdade. Já passei bastante tempo em lugares com paredes de vidro e separações. Aqui, nós estamos todos juntos, seja lá quem eu convide para vir. É um pequeno clube e eu amo isso. Amo estar em casa e ser capaz de dizer “oi” para a Bárbara. Isso faz bem para mim e para a minha música”, explica Ringo.

Mantendo as baquetas em alta, Ringo Starr nos brinda com um leve e descompromissado álbum. Perfeito para lembrarmos a razão do rock ser esse ritmo apaixonante.

Cotação: Muito bom .(3.5 de 5)

As canções
Gotta Get Up To Get Down
It’s Not Love That You Want
Grow Old With Me
Magic
Money
Better Days
Life Is Good
Thank God For Music
Send Love Spread Peace
What’s My Name

Deixe sua opinião

A Era dos Festivais invade a Zona Norte do Rio

Os bons e fortes ingredientes de “Succession”