em ,

Beach Boys ‘vendem’ seu legado as vésperas do aniversário de 60 anos

Um dos mais influentes grupos da década de 1960, os Beach Boys, agora, têm a sua obra controlada pela Iconic Artists Group, do empresário Irving Azoff

Beach Boys 2012

Os ídolos do rock estão mesmo envelhecendo. Nomes como Bob Dylan, Neil Young e David Crosby já decidiram passar o controle de toda (ou boa parte) de suas obras para empresas.

Essas empresas ficarão responsáveis pelo legado desses artistas, incluindo (re)lançamentos de material inédito, produção de documentários, etc.

Esse é o caso dos Beach Boys — grupo que praticamente criou a surf music e que, capitaneado pelo gênio Brian Wilson, produziu alguns dos melhores momentos musicais dos anos 1960 —, que, prestes a completar 60 anos da sua primeira gravação, passou a sua obra para a empresa Iconic Artists Group, do empresário Irving Azoff.

Muito dinheiro e previsão de novos lançamentos

Com um relacionamento complicado entre os membros sobreviventes da banda e a incapacidade de chegar a acordos minimamente básicos, os Beach Boys parece que tomaram uma decisão inteligente.

Com a entrada em cena de um novo personagem, é bastante possível que a música produzida pelo grupo ganhe (novamente) relevância (pelo menos para as gerações mais novas).

O valor do negócio não foi divulgado, mas é fácil de supor que envolveu muitos milhões de dólares para cada um dos músicos.

Afinal, foram vendidas todas as gravações (incluindo as fitas master), boa parte dos direitos autorais, memorabília e a marca “Beach Boys”. Um acervo inestimável para o rock.

Os membros da banda ainda poderão opinar, mas as decisões finais serão da Iconic Artists.

Como ponto positivo está a experiência de Azoff em já ter gerenciado artistas como os Eagles, Steely Dan, Jimmy Buffett, Van Halen, e Jon Bon Jovi.

Planos para comemorar os 60 anos dos Beach Boys

O primeiro grande desafio da Iconic Artists é organizar as comemorações pelos 60 anos da primeira gravação dos Beach Boys (Surfin’). Isso, porque qualquer iniciativa envolve a ”boa vontade” dos membros da banda.

Fala-se na produção de mais um documentário (os Beach Boys têm vários já produzidos), um especial de TV, lançamentos de material de arquivo e, quem sabe, uma nova turnê com todos os membros sobreviventes.

Infelizmente, nenhum desses planos é confirmado por qualquer um dos músicos, principalmente em relação a uma turnê.

Enquanto Mike Love parece não mostrar muito interesse, Brian Wilson diz que, até agora, ninguém falou nada com ele sobre essa possibilidade. Apenas Al Jardine se mostra animado com a possibilidade.

Em 2012 os Beach Boys fizeram uma bem sucedida turnê pelos 50 anos da banda (que gerou um CD e um DVD) e lançaram um excelente disco de inéditas (That’s Why God Made The Radio).

Porém, logo após o fim da turnê, Mike Love (que detinha o nome Beach Boys) praticamente demitiu Brian Wilson, Al Jardine e David Marks, azedando ainda mais a relação entre os músicos.

Enquanto não há anúncios oficiais sobre o legado dos Beach Boys, e enquanto a pandemia não permite aglomerações em nenhum canto do mundo, o jeito é torcer para que todos entrem em acordo e nos permitam ouvir novamente a boa música da banda em novos lançamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

One Comment

Street Fighter

Publicado por Fernando de Oliveira (feroli)

Jornalista com mais de 30 anos de carreira e que já teve a honra de entrevistar Sir Paul McCartney, entre outros feitos.

VerificadoEscritorColecionadorMusicólogoRepórterPromotor(a)

Rock in Rio adia edições do Brasil e de Lisboa para 2022

Paul McCartney lança ‘biografia através de suas canções’