Quatro produções para entender o conflito Rússia e Ucrânia

28
0

A guerra na Ucrânia começou em 2014, embora pareça atual, o conflito começou bem antes; muitos esqueceram, seria uma amnésia coletiva? E o interesse no assunto explodiu agora com a invasão russa no país. Já são mais milhares de refugiados e mais de dez mil mortes que engrossam a lista de vítimas deste então. Neste artigo publicaremos uma pequena lista de filmes recentes de ambos os lados para entender melhor o conflito entre Ucrânia e Rússia através do cinema.

E a primeira vítima do conflito não foi russa nem ucraniana. Era a verdade. E entre ambas nações não teve a tragédia em si, mas uma guerra de propaganda, que era óbvio que atingiria a cinematografia. Já que o cinema, como já alertou Theodor Adorno, como qualquer outra arte, é quase sempre uma cadeia de transmissão da ideologia vigente.

Não trataremos de documentários ou outros tipos de produções audiovisuais, ou mesmo olhares de diretores estrangeiros (vide  o caso do ator Sean Penn),mas vamos nos referir apenas a obras de ficção.

Rússia (Rússia e Ucrânia no cinema)

Na Rússia encontramos um longa-metragem que narra o conflito.

Donbass. Borderland (Donbass. Okraina, 2019)

Um jovem soldado do exército ucraniano, Andrei Sokolov, é enviado para a zona de combate como motorista. Fugindo do bombardeio, Andrew se encontra no porão de uma casa, onde conhece pessoas diferentes, cada uma das quais sonha com apenas uma coisa: que a guerra termine o mais rápido possível.

Filme dirigido por Renat Davletyarov, um diretor experiente com uma longa carreira cinematográfica, razão pela qual certamente foi escolhido para ser o responsável pelo projeto.

O filme teve apoio financeiro do Ministério da Cultura russo, conforme os próprios créditos. O filme apresenta ao espectador uma série de cartazes informativos que explicam a situação política do conflito, e que são mais ou menos neutros.

Apesar de não ser perfeito, a verdade é que tenta mostrar os horrores da guerra de uma forma mais humana, sem deixar de lado, claro, a propaganda. Donbass. Borderland entra em uma cidade nas fronteiras de Donbas, uma cidade fantasma cuja população civil foi praticamente evacuada, mas na qual, por acaso, vão convergir personagens de diferentes ideologias, tanto soldados quanto pessoas a favor da Ucrânia e do oposto. Para sobreviver, todos devem fazer uma frente comum. Com um olhar mais argumentativo, não é um filme de guerra, mas sim um trabalho de sobrevivência.

O soldado ucraniano não é um personagem malvado, mas possui seus ideais e culpa os separatistas pela traição, mas sem ser agressivo. Não tem o carisma se o compararmos com o soldado pertencente às tropas pró-russas, que exala liderança, o “herói” do filme, embora traumatizado por tudo o que viveu (e que o filme nos lembra através de flashbacks).

Os demais personagens civis, tanto de um lado quanto do outro, apesar de suas diferenças ideológicas, sabem formar uma frente comum para sobreviver. Em grande medida, o filme tem um fundo humanista.

Em contraste com o mencionado, temos uma pequena aparição do batalhão Azov. Conhecido por suas conexões ideológicas com o nazismo e o filme efetivamente os retrata como personagens sanguinários, capazes de assassinar seus próprios civis sem hesitação.

Em suma, Donbass. Borderland é um filme que retrata a guerra de forma bastante crua, mostrando as verdadeiras vítimas, a população civil.

Ucrânia (Rússia e Ucrânia no cinema)

Na Ucrânia, obviamente, temos mais produções, quatro por sinal, que conseguimos encontrar mais recentemente.

Donbass (2018)

Na região de Donbass, no leste da Ucrânia, uma guerra mistura conflito armado aberto, crimes e saques perpetrados por gangues separatistas. Aqui a guerra é chamada de paz, a propaganda representa a verdade e o ódio afirma ser amor. Uma viagem pelo grotesco e o trágico que se mistura com a vida e a morte.

Sergei Loznitsa viveu em Kiev praticamente toda a sua vida, e sua filmografia foi inteiramente dedicada, com apoio financeiro de fundos ucranianos e europeus, a fazer documentários contra a Rússia e a URSS. É claro que as relações entre a Rússia e a UE nunca foram animadas… Mas por que a crítica ferrenha à União Soviética vinda de um ex-cidadão que fazia parte do bloco?

Bem, porque um dos rumos que a política ucraniana tomou nos últimos anos é negar o passado soviético, atacando-o de todos os lados, como forma de legitimar sua própria independência. Assim, temos  vários documentários de Loznitsa que tratam da história soviética de uma perspectiva mais do que crítica. É a isso que Putin se referia em seu discurso em 21 de fevereiro de 2022, quando falava sobre a descomunização ucraniana. De certa forma, para a Ucrânia, descomunizar-se significa criar sua própria identidade, ao contrário da Rússia, que reivindica exemplos do passado soviético. O que por vezes levou alguns setores ultranacionalistas do país a reivindicar exemplos que se opunham à URSS.

Nesse filme, premiado no festival de Cannes, o diretor nos apresenta uma história ficcional por meio de 13 histórias entrelaçadas. Os separatistas russos são, neste caso, os selvagens impiedosos. Donbass foi banido na Rússia e nunca foi lançado em cinemas comerciais.

Atlantis, 2018

Leste da Ucrânia, em um futuro próximo. Sergey, um ex-soldado que sofre de síndrome pós-traumática, tem problemas para se adaptar à sua nova realidade: uma vida em frangalhos, uma terra em ruínas. Desempregado, encontra uma maneira inesperada de superar sua tristeza juntando-se à tarefa dos “Tulipas Negras”, um grupo dedicado a exumar os cadáveres que a guerra com a Rússia deixou para trás. Trabalhando ao lado de Katya, começa a entender que um futuro melhor é possível.

Talvez o melhor filme como obra cinematográfica, e um dos piores como arma de propaganda, seja este, dirigido por Valentyn Vasyanovych. O filme premiado, traz um estilo atípico, autoral, que realmente foge dos clichês para apresentar uma história muito crua.

Atlantis se passa em um futuro próximo, 2025, no qual a guerra parece ter deixado muitas consequências. O filme não trata de personagens russos, mas se dedica a nos mostrar as consequências da guerra entre os sobreviventes ucranianos. Com um tom distópico de 1984, a Ucrânia aparece como uma colônia dependente das potências econômicas europeias, com um grande número de pessoas totalmente inúteis após a Guerra.

Atlantis também tem uma das sequências mais cruas que já vimos, quando Sergey e Katya carregam um cadáver que encontraram para a sala de autópsia. O cadáver já está totalmente mumificado, mal se vê uma figura humana. A mensagem é fácil, não sabemos quem foi a vítima, russo ou ucraniano, é simplesmente mais uma morte. Enquanto os médicos tiram suas roupas, analisam o cadáver da forma mais asséptica possível, e o diretor alonga o plano estático, que enquadra a autópsia, pelo maior tempo possível. Uma sequência bestial, que resume muito bem a loucura da guerra e suas consequências.

Em outras palavras, Atlantis não é muito eficaz como peça de propaganda porque seu alvo parece muito menor. E, claro, não encoraja ninguém a ir à guerra, muito pelo contrário.

Reflection

O cirurgião ucraniano Serhiy é capturado pelas forças militares russas na zona de conflito no leste da Ucrânia e, enquanto em cativeiro, é exposto a cenas horríveis de humilhação, violência e desrespeito pela vida humana.

Atlantis, talvez por ser um filme bastante crítico da guerra na Rússia e na Ucrânia, o mesmo diretor recebeu um toque, pois seu próximo filme, é muito mais explícito em seu efeito de propaganda para O país dele. Estamos falando de Reflexão (2021), uma obra mais crua e sem o talento artístico que o diretor já havia exibido anteriormente.

O tempo ainda vai mostrar outras produções, mas por enquanto o retrato do conflito ainda está imerso nas sombras e se pronuncia em vários festivais um boicote a arte russa, um posicionamento que vai de encontro à liberdade de expressão da arte.

Cadorno Teles
WRITTEN BY

Cadorno Teles

Cearense de Amontada, um apaixonado pelo conhecimento, licenciado em Ciências Biológicas e em Física, Historiador de formação, idealizador da Biblioteca Canto do Piririguá. Membro do NALAP e do Conselho Editorial da Kawo Kabiyesile, mestre de RPG em vários sistemas, ler e assiste de tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *