Juma celebra reencontros pós-pandêmicos em seu novo single ‘Dança da Chuva’

72
0

Após o lançamento dos seus dois primeiros singles, Juma lança hoje, 26 de janeiro, a terceira de uma série de três músicas sobre desejos suprapandêmicos, que versam sobre o desejo por encontros e toques.  A canção “Dança da Chuva” tem lançamento pela Alcalina Records e se encontra disponível nas principais plataformas de streaming.

Dança da Chuva fala sobre os rituais para a concretização física desses encontros que por todo o período de isolamento não puderam acontecer. Juma se inspira em músicas da MPB para as suas composições e para a letra de Dança da Chuva, a canção “Explode Coração”, composta por Luiz Gonzaga, e mais conhecida pela interpretação de Maria Bethânia, serviu como um forte referencial, como ponto de partida: “Eu adoro a ambiguidade contida tanto na letra de ‘Explode Coração’ quanto na interpretação da Bethânia, que contém aquele gozo final espetacular! Me inspirei nela pela tentativa de construir uma narrativa desse encontro físico, desse gozo que agora se faz pós-pandêmico, desde o primeiro momento ao seu ápice de liquidez. Essa dança da chuva pelos reencontros, e ao mesmo tempo uma dança desses corpos quando esse reencontro acontece” – afirma o artista.

As outras duas músicas, já lançadas pelo artista e que fazem parte da série de três canções que falam sobre desejos suprapandêmicos – Agente Plural e Contramão – cantam sobre desejos contidos e encontros que só acontecem após dificuldades, um retrato de diferentes momentos da pandemia de COVID-19. No caso de Agente Plural, essa narrativa também pode ser acompanhada em um videoclipe dirigido por Juma. Já Dança da Chuva exalta um momento de liberdade que torna possível os novos encontros, uma realidade mais leve e com maior possibilidade de escolhas.

E é por retratar esse momento que Juma escolheu trabalhar o samba em seu novo single: “Durante todo o isolamento da pandemia, uma das coisas que mais senti falta foi o encontro semanal com os meus afetos em rodas de samba. Foi um local que acabou se tornando esse lugar idílico, sabe? Essa miragem de esperança pelo fim da pandemia… ou pelo menos pelo fim do isolamento. Um lugar possível para reencontros e novos encontros”- diz Juma.

Com seu novo single, o cantor e compositor fecha a série inicial de três músicas e já trabalha em novas canções para o lançamento do seu primeiro álbum, que falará sobre algumas das histórias e sentimentos que lhe perpassaram em seu primeiro ano vivendo na cidade de São Paulo, sobretudo nas temáticas que permeiam a política do afeto. Juma se configura como um artista que já tem demonstrado uma forte inclinação pela discussão do afeto por meio de recortes temporais dos tempos em que vivemos.

Ficha técnica:

Vozes e Letra: Juma

Cavaco: Gustavo Araujo

Congas, Pandeiro, Agogô e Tamborim: Bruno Pedrazolli

Violão: Agê

Baixo e sintetizador: Eduardo Arrj

Clarinete: Quiriku

Composição: Juma, Agê, Eduardo Arrj

Produção: Juma e Eduardo Arrj

Mixagem e Masterização: Eduardo Arrj

Foto da capa: Felipe Stucchi

Capa: Eduardo Zilio

Selo: Alcalina Records

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *