Star Wars – A hora e a vez da trilogia prequel?

56
0

Durante anos (ou décadas) a trilogia clássica de Star Wars sempre foi o centro convergente da nostalgia dos fãs. Enquanto a trilogia próloga (ou trilogia prequel, que abrange os episódios I, II e III) era alvo de narizes torcidos. Mas, ao que tudo, está em processo de mudança. Ao menos em parte.

O Disney+ confirmou que 25 de maio será a data de lançamento de sua nova série spin-off de Star Wars: Obi-Wan Kenobi. Após o anúncio, Ewan McGregor – que reprisa seu papel da trilogia prequela do final dos anos 90 e início dos anos 2000 – explicou para quem essa série, que se passa dez anos após os eventos de “Star Wars: Episódio III – A Vingança dos Sith”, está sendo feita.

“Pessoas no final da adolescência ou início dos 20 anos, aquelas pessoas que eram crianças para quem fizemos esses filmes, eles os amavam”, disse ele à Forbes. “Para eles, são seus filmes de Star Wars, sabe? Para nós, eram os filmes originais dos anos 70, mas para eles, nossos filmes eram suas Guerras nas Estrelas. Então, voltar ao lugar dele novamente agora e fazer uma série, uma série inteira sobre Obi-Wan Kenobi para esses fãs, isso me deixa muito feliz.”

McGregor está certo. Star Wars é geracional. Cada faixa etária tem a sua trilogia favorita (e eventualmente desdenha da que está em andamento, ou acabou de ser concluída).

A empolgação com a série de Obi-Wan, que além de McGregor terá Hayden Christensen voltando ao papel de Anakin Skywalker/Darth Vader e o frisson causado pela aparição de Cad Bane em “O Livro de Boba Fett” são sintomáticos. A Força da nostalgia parece estar com a geração das prequels e Clone Wars.

A aparição live-action do mercenário Cad Bane, de Clone Wars, em The Book of Boba Fett – Imagem: Reprodução/Disney+

A explicação é simples. A garotada que foi aos cinemas conferir a história de Anakin Skywalker, ou a assistiu em DVD, assim como os que conheceram Star Wars através de Clone Wars no Cartoon Network e dali partiram para os filmes, são o público que mais consome cultura pop hoje.

Na faixa dos 25 aos 34 anos, são jovens adultos que, em muitos casos, ainda não sustentam família (alguns ainda moram com os pais), mas já trabalham e têm dinheiro para consumir cultura pop, assinando streamings e comprando produtos licenciados. É essa a faixa etária que movimenta o mercado de cultura pop, então, nada mais lógico que esse mercado se volte para eles.

Claro que, no fim das contas, tudo se volta inevitavelmente para a trilogia clássica. Foi ali que todo o culto começou e seus ícones (capacete de Vader, capacete de Stormtroopers, X-WIngs e Millenium Falcon) são sem dúvidas os mais identificáveis. Mas é interessante constatar como a trilogia que por muitos anos fora rejeitada e criticada agora tem um valor agregado. E talvez daqui a alguns anos esse fenômeno se repita em relação à trilogia sequel, que chegou festejada – vide o enorme sucesso nas bilheterias de Star Wars: O Despertar da Força – e hoje parece mais queimada que a prequel.

Se a série de Obi-Wan Kenobi será épica como The Mandalorian ou divisiva como The Book of Boba Fett, só saberemos daqui a 3 meses. Esse que vos escreve torce para a a primeira possibilidade, embora esteja ciente de que os 19 anos que Obi-Wan ficou no deserto esperando Luke Skywalker crescer para ser introduzido nos caminhos da Força podem não ter relevância suficiente para render uma série (a princípio será uma minissérie). Mas vale a pena observar qual será o resultado e para que lado da cronologia da galáxia muito distante as futuras produções irão rumar. Se Obi-Wan confirmar de vez que a trilogia prequel é a bola da vez, quem sabe não teremos uma história que se passe nos dez anos entre os episódios I e II? Fica a dica de um fã para a Lucasfilm e o Disney+.

A história da nova série de Star Wars focará nos anos em que o Jedi esteve exilado em Tatooine após a Ordem 66 dada pelo Imperador Palpatine, que determinou a caça aos Cavaleiros Jedi.

A direção ficará a cargo de Deborah Chow, que dirigiu dois capítulos da primeira temporada de “The Mandalorian”, além de séries como “Perdidos no Espaço”, “Better Call Saul” e “Deuses Americanos”.

Leia mais sobre Star Wars na Ambrosia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *