Um deleite em stop-motion no curta-metragem A Sabiá Sabiazinha

49
0

A Aardman Animations tem uma longa história quando se trata de animação em stop-motion. Na verdade, seu primeiro projeto se originou em 1975 e, desde então, o estúdio só cresceu.

Fuga das Galinhas (2000), Wallace & Gromit: A Batalha dos Vegetais (2005), Por Água Abaixo (2006), Shaun, o Carneiro (2007) entre outros usam esse recurso repleto de charme próprio. Mesmo seus esforços mais recentes, como O Homem das Cavernas (2018) e Operação Presente, conseguem capturar a essência do que torna a Aardman tão boa.

A mais recente incursão do estúdio vem na forma de um curta-metragem de 30 minutos chamado A Sabiá Sabiazinha (Robin Robin) para a Netflix. É uma história simples, que brinca com as fábulas dos Natais passados, incluindo recursos como O Boneco de Neve de Hans Christian Andersen e O Grúfalo, de Julia Donaldson. Entretanto, o curta é uma animação original, que será adaptado em livro, com certeza, pela narrativa apresentada. É o candidato ao Oscar da Aardman e Netflix na categoria curta-metragem.

Criado e dirigido por Daniel Ojari (Slow Derek, 2012) e Mikey Please (The Eagleman Stag, 2010) com um roteiro que escreveram com Sam Morrison (Shaun, o Carneiro, Peppa). Sabiá Sabiazinha, tem nuances de diferentes contos populares e os transforma em algo familiar, mas também original. A narrativa traz um passarinho adotado por uma família de ratos, desde que saiu do ovo. E começa a questionar o seu papel naquela família e em sua vida enquanto luta naquele mundo agindo como um rato. Incapaz de voar e de se esconder, o protagonista é essencialmente incomum.

A história então toma um rumo previsível, mas bem-vindo, com Sabiá tentando descobrir seu verdadeiro eu e enfrentando perigos de frente. É o primeiro grande projeto dos diretores (exceto alguns curtas anteriores em sua filmografia) e tanto Ojari quanto Please trazem o mesmo nível de cuidado, qualidade e ofício que esperamos da Aardman, mesmo que seja uma versão muito familiar cujas origens da história parecerão mais do que uma reminiscência de Rudolph, a Rena do Nariz Vermelho.

Há um pouco de O Patinho Feio aqui e uma pitada de Em Busca do Vale Encantado ali, mas tudo bem combinado para fazer um conto de Natal bastante agradável, mesmo que não haja nada aqui que seja surpreendente.

È um curta que usa bem o recurso, encantador para crianças, com até piadas interessantes, mas não chega a ser um expoente do gênero. Temos uma narrativa ingênua que consegue trilhar em um terreno comum, já contado em outras histórias, superando essa familiaridade graças à sua atenção aos pequenos detalhes e o trabalho realmente sólido da direção e do elenco de voz.

A animação em stop-motion é maravilhosa, os bonecos, as paisagens, e o trabalho de câmara são exemplares. Todas as cenas desde a abertura expressam o estilo da Aardman, dando uma sensação real de tangibilidade aos procedimentos, mesmo com as menores interações. A sequência de abertura onde vemos o ovo de Robin rolar para fora de seu ninho e através da floresta passa perfeitamente por uma série interconectada de conjuntos que são todos lindamente trabalhados com apenas um “truque de edição” ocasional para dar a ilusão de fluxo. A Aardman realmente se esforçou ao máximo para tornar isso um deleite visual e a sensação calorosa que sentimos ao assistir é inegável.

Os personagens do filme são cheios de personalidade graças ao trabalho de design em conjunto com o elenco perfeito. Bronte Carmichael como a personagem título carrega tanto a tenacidade entusiasmada quanto a ingenuidade de boa índole para um protagonista como este, e Adeel Akhtar como o pai rato é maravilhoso no apoio e carinho em relação a ave e mostra o quanto ele quer que tenha sucesso em ser um rato. Richard E. Grant é bastante engraçado como a ave pega (Magpie) com sua música sobre “coisas” e o valor que dá a elas como uma peculiaridade divertida e bem-humorada. E por último, e certamente não menos importante, é Gillian Anderson como o gato que é absolutamente fantástico, nosso antagonista trazendo à vida alguns encantos sutis, mas macabros para o personagem.

O curta foi animado usando lã feltrada com agulha, um processo meticuloso de moldar fibras de lã usando uma agulha especial. A equipe de produção de 200 animadores, artistas e outros membros da equipe, criou 75 bonecos em várias escalas, incluindo 19 passarinhos, 11 Magpies, 20 ratos e quatro gatos, juntamente com uma série de esquilos, sapos, ouriços, e até três “who-mans”, como são chamados no filme. Durante os estágios finais de trabalho intensivo das filmagens, a equipe de produção conseguiu cerca de 10 segundos de animação concluída a cada semana.

Conclusão

Sabiá Sabiazinha (Robin Robin) é um conto de Natal, mas pode ser assistido em qualquer data do ano. Diverte, uma imagem doce e tematicamente forte com uma grande mensagem subjacente sobre encontrar o propósito e encontrar coragem. Vale a pena assistir.

Nota: Excelente – 4 de 5 estrelas

Cadorno Teles
WRITTEN BY

Cadorno Teles

Cearense de Amontada, um apaixonado pelo conhecimento, licenciado em Ciências Biológicas e em Física, Historiador de formação, idealizador da Biblioteca Canto do Piririguá. Membro do NALAP e do Conselho Editorial da Kawo Kabiyesile, mestre de RPG em vários sistemas, ler e assiste de tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *