em , ,

“Cobra Kai” é a série mais empolgante dos últimos anos

Em How I Met Your Mother, o personagem de Neil Patrick Harris, nos fala sobre a teoria que Johnny Lawrence (William Zabka), do “Karatê Kid” original, é o verdadeiro herói da história, e Daniel LaRusso (Ralph Macchio) foi quem desencadeou o conflito. De certa forma aproveitando esse viés, o canal YouTube Red traz a série “Cobra Kai”, que nos mostra esses dois personagens nos dias atuais e como estão sua vidas.

Em 10 episódios de aproximadamente 30 minutos cada, vemos Lawrence decadente, solitário, vivendo de pequenos empregos e quase sempre bêbado, enquanto “Daniel San” é um empresário de concessionária de carros de sucesso que utiliza sua fama como carateca em sua publicidade, e que vive com sua aparente família feliz.

Quando o ex-Cobra acaba salvando sem querer um garoto da vizinhança, Miguel Díaz (Xolo Maridueña) de um ataque de valentões, usando sua técnica de lutador. O jovem deseja aprender os golpes que viu, e assim surge a ideia de reabrir o Dojo Cobra Kai, onde há 30 anos atrás Lawrence se destacou como melhor aluno. Quando uma série de infortúnios acabam cruzando os caminhos dos dois antigos rivais, a trama ganha em emoção, e seus capítulos entram linha crescente, que faz o espectador ansiar por ver o que vai acontecer.

Somos apresentados a um Johnny Lawrence acabado como pessoa, mas que ao se tornar Sensei do rapaz, recupera sua dignidade, mas tem que lidar com seus preconceitos, sua raiva e alguns fantasmas dos seu passado. Já Daniel é mostrado como alguém que se tornou mesquinho e vingativo ao descobrir a volta da Cobra Kai, o que reforça a teoria de que ele sempre foi o vilão da história. Seus únicos momentos de lucidez são quando seus pensamentos e atos se ligam à memória do seu antigo mestre Sr. Miyagi (o já falecido Pat Morita– que recebe uma belíssima homenagem).

A série parece querer brincar com os atores principais, mostrando como eles ainda são apenas lembrados pelo clássico da sessão da tarde oitentista, e o que isso fez com suas carreiras, além de reletir como não apenas eles, mas todos nós parecemos que só queremos ficar nas nosso saudosismo e presos nos tempos de garoto.

A série tem uma bela construção de história, que nos pega forte com a nostalgia do filme original, se utilizando de cenas ou referências mesmo. O formato da série acaba fazendo a história ter o tempo correto e não se torna cansativa, Com os últimos capítulos empolgantes nos fazendo vibrar junto com os personagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

alexandre Giuberti David

Publicado por alexandre Giuberti David

Professor de História, cinéfilo e torcedor do America-RJ