em ,

“Isso vai funcionar de alguma forma” funciona

Em Isso vai funcionar de alguma forma, temos uma dramaturgia coletiva, plural, feita por mulheres, interpretada por mulheres, dirigida por mulheres, construída de modo coletivo por mulheres, e cuja estreia se deu na semana do 8 de março.

Amanda Mirásci, Dominique Arantes, Mariana Nunes, Larissa Siqueira e Vilma Melo, sob a direção de Cristina Moura, Denise Stutz, Inez Viana e Rúbia Rodrigues e idealização e coordenação artística de Dominique Arantes e Rúbia Rodrigues, dividem o palco para trabalhar cenicamente questões atuais relativas a pertencer socialmente ao gênero mulher. O que é essa construção? Em que resulta sua desconstrução?

A cena de três mulheres sentadas à mesa, servindo e compartilhando uma refeição, é emblemática nesse sentido, pois remonta, de algum modo, àquilo que se diz delas (de nós) ou que se espera delas (de nós) ou, conforme a cena se desenvolve, do que não se quer esperar delas, de nós, as mulheres. As três, envolvidas na refeição, começam a se perguntar, em um looping aparentemente infinito, em um tom que vai do sussurro quase inaudível, difícil de desvendar inicialmente, ao brado brilhantemente desgovernado, o que aconteceria se elas gritassem. Esse é um dos elementos interessantes da peça, que, aliás, começa no mais absoluto silêncio embora prenhe de movimentos, até que a primeira frase se dê, em um discurso que coloca em questão tudo aquilo que é comportamento esperado e naturalizado por parte da mulher.

E, aliás, o silêncio tem muito lugar na dramaturgia proposta, mas também o grito, que, quando calha de acontecer, de mãos dadas com outras condutas supostamente loucas, é aquilo que pode fazer algum sentido e promover alguma libertação em meio a um turbilhão de silenciamentos e violências repetidas e banalizadas. Jogar o macarrão pro alto e rolar no chão será sempre considerado como mais maluco do que aquilo que se impõe cotidianamente à mulher, sem que ela queira, goste ou aprove.

Mas, ao propor formas de pensar o mundo em meio à complexidade de histórias que se interligam e que formam e informam cada pessoa, ao problematizar a conexão entre todos na construção do prédio em que o teatro está e onde a peça acontece, os materiais usados para que seus alicerces o mantenham de pé e todos os elementos presentes em cada existência, a dramaturgia de Isso vai funcionar de alguma forma aponta para mais além do gênero em questão. A peça trata, então, de vida. E de tudo o que a compõe, de forma interdependente.

Não se trata, o espetáculo, de uma dramaturgia linear e tradicional, mas de uma costura de cenas e discursos que sacodem o espectador, que requerem um esforço para que compreendam o que é dito através de leitura labial, que se espantem com a eloquência de uma comunicação que prima pelo não-verbal, que usa terra no cenário para provocar a reflexão sobre o protagonismo de cada um de nós naquilo que plantamos e no que podemos colher. Que traz impacto e consegue arrancar alguns risos. E que, sim, funciona de alguma forma.

FICHA TÉCNICA

Idealização e Coordenação artística: Dominique Arantes e Rúbia Rodrigues – Grupo BARKA
A partir das dramaturgias: “Licença” de Renata Mizhari; “Movimento Plantar” de Dominique Arantes; “Silência” de Keli Freitas e “Você tem medo de quê?/Não pode” de Daniele Ávila Small
Direção Cristina Moura, Denise Stutz, Inez Viana e Rúbia Rodrigues
Elenco: Amanda Mirásci, Dominique Arantes, Mariana Nunes, Larissa Siqueira e Vilma Melo
Direção de trilha sonora: Letícia Novaes
Iluminação: Daniela Sanchez
Figurino: Luiza Fardin
Cenografia: Mina Quental – Ateliê na Gloria
Assistente de Figurino: Julie Mateus
Assistente de cenografia: Ana Clara Albuquerque
Assistente de fotografia: Daniela Paoliello
Direção de Palco: Ana Paula Gomes e Mariah Valerias
Operação e técnico de Luz: Rodrigo Lopes
Operação de Som: Camila Costa
Cenotécnico: André Salles
Tradução em libras: JDL Traduções
Programação Visual: Elisa Riemer
Fotos e registros videográficos: Elisa Mendes
Assessoria de Imprensa: Bianca Senna – Astrolábio Comunicação
Mídias Sociais: Rafael Teixeira
Direção de Produção: Davi de Carvalho – Travessia Produções.
Produção executiva: Ártemis Amarantha, Jefferson Almeida e Tamires Nascimento – Tem Dendê! Produções
Assistente de Produção: Lucas Lins
Coordenação Administrativa: Davi de Carvalho
Assessoria Contábil: Jorge Chenkel – CVR Contabilidade
Assessoria Jurídica: Colen Advogados e Assistentes
Patrocínio: OI, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Lei de Incentivo à Cultura
Produção: Travessia Produções
Realização: Grupo Barka e Travessia Produções
Apoio Cultural: Oi Futuro

SERVIÇO

Espetáculo: Isso Vai Funcionar de Alguma Forma
Estreia para convidados: 8 de março de 2018
Temporada: 9 de março a 29 de abril de 2018
Local: Oi Futuro (R. Dois de Dezembro, 63 – Flamengo)
Informações: (21) 3131-3060
Dias e horários: quinta a domingo, às 20h.
Capacidade: 62 lugares
Duração: 70 minutos
Classificação indicativa: 16 anos
Gênero: Drama
Ingressos: R$15 (meia) e R$30 (inteira)
Horários da bilheteria:
De terça a sexta, das 14h às 20h.
Sábados, domingos e feriados, das 13h às 20h
Ingressos à venda: www.ticketplanet.com.br ou pelo telefone 2576-0300.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Comentários

Vivian Pizzinga

Publicado por Vivian Pizzinga

Vivian é escritora e psicanalista. Lançou dois livros de contos (A primavera entra pelos pés, 2015; Dias roucos e vontades absurdas, 2013), ambos pela Editora Oito e Meio.