em ,

Pousada Refúgio, com texto de Leonardo Cortez

Zé Carlos e sua mulher, Walkíria (representados pelo autor e por Glaucia Libertini) recebem em sua casa o professor Pardela e a psicóloga Cleide (interpretados por Maurício de Barros e Tatiana Thomé) servidos por Ronaldo (o ator Daniel Dottori), o irmão problemático de Walkíria.
O encontro celebra longa data da amizade e o sonho de empreender.
A formalidade denota normalidade, a profundidade é estampada em tom crítico da finalidade inócua da audiência nas mídias sociais.
O débil privilégio põe à serviço a condição escassa em contorno da dramaturgia empetecada que evidencia os personagens, na emissão do texto, deflagra estabilidade das aparência até a reviravolta.
Conforme brindam e bebem questões como feminismo, autoridade e alteridade de poder entre cada casal emerge entre os personagens, na defesa de suas condições vitais.
O incômodo perpétuo da carreira acadêmica do professor Pardela faz ver a grama mais verde do publicitário Zé Carlos. Propriamente os bens materiais são elementos que roem a defasagem material. As respectivas esposas evidenciam conversão conveniente à alienação magnética, com sustentação de princípios na parte da psicóloga Cleide que incentiva a transformação pelo diálogo.
Pousada Refúgio, com texto de Leonardo Cortez | Críticas | Revista Ambrosia
Ronaldo é a interdição; das proibições de atos e privação de direito porém é o que realiza o ofício em grau de especialização do conjunto; traz a maquete da Pousada Refúgio, o empreendimento de um sonho dos amigos.
Zé Carlos e o talento publicitário conforma a todos no avanço da possibilidade da libertação da condição do lugar-comum mas aparece a vulgaridade. Contagiados pela angústia coletiva amparam-se em reflexões frias.
A sucessão de acontecimentos à chegada do imprevisto fere a confiança e a crueza vem como qualidade explícita em teste de civilidade.
Um peça de argumentação, sutil, abstrata e obscura é implacável à indiferença da plateia com atores defendendo o pandemônio.

Pousada Refúgio, com texto de Leonardo Cortez | Críticas | Revista Ambrosia

Ficha técnica

Direção: Pedro Granato
Dramaturgia: Leonardo Cortez
Elenco: Daniel Dottori (Ronaldo), Glaucia Libertini (Walkiria), Leonardo Cortez (Zé Carlos), Maurício de Barros (Pardela) e Tatiana Thomé (Cleide).
Iluminação: Beto de Faria
Figurinista: Marichilene Artisevskis
Assistência de Direção e Cenografia: Diego Dac
Assistente de cenografia: Paulo Viel
Cenotécnico: José Roberto Tomasim
Fotos: Ana Alexandrino
Logomarca do Espetáculo: Lucas Sancho
Produção: Contorno Produções e Pequeno Ato
Direção de Produção: Jessica Rodrigues e Victória Martinez
Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli
Apoio: Rick Cuckierma e Brechó Frou Frou Vintage

Participe com sua opinião!