em ,

“O ódio que você semeia” faz um pedido necessário por mudança

Starr vive entre dois mundos: o bairro pobre onde mora e o colégio particular onde estuda. Uma mocinha de 16 anos, com amigos, problemas com os irmãos, vai a festas e também ajuda o pai no trabalho. Até que o equilíbrio de sua vida é quebrado. Ela presencia morte de seu melhor amigo por um policial. A partir daquele momento, todo o que Starr diga sobre a aterradora noite que mudou sua vida poderá ser usado desculpa por uns ou como armas para outros. E o pior de tudo é que tanto os policiais como os traficante esperam que ela dê um passo em falso para pôr fim a sua vida.

Na atualidade, o número de crimes de ódio no mundo vem aumentando de forma alarmante. E nos casos de condenação pelos crimes, na maioria dos casos, o tratamento mais violento são com afro-descendentes, entre outros problemas que o racismo implica, como a desconfiança nas ruas ou nas grandes cidades. E a estimativa, nos EUA, 59,2% de crimes por motivos raciais são, em sua maioria, contra a comunidade afro-americana, 19,7% por motivos religiosos, a maioria contra judeus e muçulmanos, enquanto 17,7 por causa da orientação sexual.
A sinopse e o momento que vivemos me levaram ao livro de Angie Thomas, O ódio que você semeia, e dentro do gênero juvenil não ser tão recorrente a temática ainda aumentou meu interesse. Com uma narrativa rápida e que não implica muita análise do leitor para entender o que ocorre na história. Precisamos entender que, por ser dirigida aos adolescentes, os detalhes não são tão explícitos como são na vida real, mas poderia dar a importância necessária para criar consciência nos leitores.

O conflito se origina por uma disputa com a polícia que termina em tragédia, o que muda a perspectiva de Starr a respeito da vida que levava anteriormente e após o triste ocorrido. Mas o problema da autora de não arriscar aprofundar na realidade do problema, no dano que resulta está dentro de uma minoria faz falta à história. Além disso, Thomas recorre a típica trama de uma relação amorosa, o que leva a protagonista esquecer ao que é realmente importante. E, também, o conflito com suas amigas poderia ter sido omitido ou ter sido apresentado que não fosse tão superficial.

Mesmo assim, parabenizo a Thomas por escrever uma narrativa juvenil com toques políticos que tanta falta faz na atualidade. O que vemos é que as gerações atuais estão se acostumando com estas situações, por vê-las todo os dias na televisão, redes sociais, jornais, etc. E na busca para criar certa consciência, se arrisca com O ódio que você semeia ao dirigir ao público jovem, dando detalhes que conseguem a empatia com os personagens.

A autora e a capa original norte-americana.
É certo que a trama tarda a evoluir, mas pouco a pouco aumenta seu interesse para chegar à conclusão; a qual, é um dos pontos fortes do livro, por ser realista e não busca o final que alguns clichês transpareciam em surgir. Uma estreia poderosa, que apesar de não ser perfeita, me leva a seguir a autora em seus futuros projetos. É um livro que inova, convidativa ao respeito e a luta contra a onda de ódio que cresce no mundo. Recomendo.

Deixe uma resposta

Publicado por Cadorno Teles

Habitante das terras áridas dos vales, guerreiro aposentado que desgraçadamente foi jogado numa dimensão que ninguém acredita nele. Se tornou professor, e nos momentos livre aproveita para ler e levar livros pelo sertão. RPG, quadrinhos, literatura e cinema estão entre seus vícios, para esquecer ou mesmo lembrar de seu mundo originário.

Uma análise sobre “Mãe!”, novo filme do polêmico diretor Darren Aronofsky

Star Trek: Discovery renova a franquia sendo reverente aos seus antecessores