Cultura colaborativa! Participe, publique e ganhe pelo seu conteúdo!

Bruna Longo faz novas apresentações gratuitas do solo Criatura, Uma Autópsia 

“Como eu, então uma menina, pude pensar  e me debruçar sobre ideia tão terrível?”  (Mary Shelley na introdução da edição de 1831  de Frankenstein, ou O Prometeu Moderno. )

A atriz Bruna Longo provoca uma fricção entre o romance Frankenstein, ou O Prometeu Moderno e a vida de sua autora, Mary Wollstonecraft Godwin (Shelley), no solo Criatura, Uma Autópsia. O trabalho volta à Oficina Cultural Oswald de Andrade, onde estreou em 2019, com apresentações de 26 a 30 de setembro, após participar em festivais na Turquia, Cabo Verde e Angola, e circular por outros três teatros municipais entre maio e julho de 2023. 

Fruto de dois anos de pesquisas dentro e fora da sala de ensaio, o espetáculo foi originalmente imaginado como uma adaptação para o palco de Frankenstein, ou O Prometeu Moderno, sob o ponto de vista da Criatura. Mas os caminhos da pesquisa são frequentemente misteriosos: por vezes busca-se algo e outra coisa nos encontra. Ao tentar falar da Criatura cada ação, cada palavra, cada dor encontrava Mary Wollstonecraft Godwin (mais tarde Shelley), a jovem que escrevera o livro. Sua história se impunha através da narrativa que ela mesma escreveu. 

Em junho de 2018, com a pesquisa avançada e já em meio aos ensaios, Bruna Longo é convidada pela Bodleian Libraries da Universidade de Oxford e pelo curador do acervo especial Stephen Hebron a acesso total aos diários, cartas e manuscritos originais de Mary Shelley, reservado geralmente apenas a acadêmicos ligados a grandes centros de pesquisa. 

A visita à Inglaterra a levou ainda a todos os lugares relevantes à vida de Mary Shelley em Londres e Bournemouth (onde está o túmulo da família). Além disso teve acesso a outros documentos na British Library. Voltando à sala de ensaio, a atriz chega à versão final da dramaturgia física, criada tendo como base duas narrativas: a do romance e a da vida de Mary Shelley, buscando os pontos de fricção. 

Dois anos depois do início da pesquisa, o espetáculo que nunca se propôs uma biografia da Criatura ou tampouco da autora, tornou-se uma autopsia de um romance e de uma personagem, revelando as entranhas, artérias, musculatura de dores pessoais e universais. 

Outra grande questão que circunda a peça é uma reflexão sobre a morte e o luto, que a dramaturga Bruna Longo evoca motivada pela perda do próprio pai e é tema do Projeto Memento Mori . Memento Vivere, ou Precisamos Falar Sobre a Morte, contemplado pela 16ª Edição do Prêmio Zé Renato. “A morte é, para nós ocidentais, talvez o último intransponível tabu. Não falamos sobre ela. Não sabemos lidar com ela. No entanto, ela é também a única certeza inexorável. Desde o início do processo de pesquisa do espetáculo, eu queria falar sobre morte e luto, mas sempre acabei entrando mais na esfera feminista, da questão da autoria. Agora, com a morte do meu pai, as mortes na vida de Shelley – centrais no espetáculo, assumiram uma camada mais pessoal. Vivemos nos últimos anos num estado de necropolítica em meio à maior pandemia da história recente, e ainda assim não conseguimos falar de morte, da nossa própria morte, daqueles que amamos. Falamos de morte como uma generalidade social, como um elemento político, mas não conseguimos discutir a morte como um assunto cotidiano”, revela. 

Criatura, Uma Autópsia realizou temporada de estreia na Oficina Cultural Oswald de Andrade (SP) em agosto de 2019 (sendo estendida até fim de setembro). Em novembro de 2019, realizou curta temporada no Espaço Cia da Revista (SP). Foi indicado ao Prêmio Aplauso Brasil 2019 na categoria Melhor Atriz. Em 2021, cumpriu circulação em versão audiovisual por quatro teatros da cidade de São Paulo como parte do Projeto Anônimo Muitas Vezes Foi Mulher, idealizado por Bruna Longo e contemplado pela 11a Edição do Prêmio Zé Renato. 

Em 2022 o espetáculo participou da Mostra Solo Mulheres, no Teatro de Contêiner (São Paulo), Festival Monofest22, organizado pelo Tyiatro Medresesi em Sirince, Turquia, e do Festival Internacional de Teatro do Mindelo – Mindelact, em Cabo Verde. Em 2023 participou do Festival Internacional de Teatro e Artes organizado pelo Elinga Teatro, em Luanda, Angola, e voltou a São Paulo em circulação por teatros públicos como parte do projeto Memento Mori . Memento Vivere – Ou Precisamos falar sobre a morte, contemplado pela 16ª Edição do Prêmio Zé Renato.

Ficha Técnica

Concepção, dramaturgia e elenco: Bruna Longo

Assistentes: Giovanna Borges e Letícia Esposito

Cenário: Bruna Longo e Kleber Montanheiro

Cenotécnica: Evas Carreteiro, Nani Brisque e Alício Silva

Figurinos: Kleber Montanheiro

Objetos: Bruna Longo  

Desenho de luz: Rodrigo Silbat

Trilha: Bruna Longo

Fotos: Danilo Apoena  

Design Gráfico: Kleber Montanheiro

Colaboradores artísticos: Larissa Matheus (provocações de dramaturgia), Lino Colantoni (edição de trilha), Mateus Monteiro (interpretação textual), Victor Grizzo (direção de arte) e Anna Toledo (canto). 

Projeto Memento Mori . Memento Vivere:

Direção de Produção: Jota Rafaelli

Assistente de produção: Amanda Chaptiska

Libras: Mirian Caxilé 

Filmagem/Edição palestras: Felipe Lwe

Sinopse

Criatura, Uma Autópsia, espetáculo solo de Bruna Longo, é uma fricção entre o romance Frankenstein, Ou O Prometeu Moderno e a vida de sua autora Mary Wollstonecraft Godwin (Shelley).

Serviço

Criatura, Uma Autópsia, de Bruna Longo

Classificação: 10 anos

Duração: 70 minutos

Ingressos: Grátis, distribuídos sempre uma hora antes de cada sessão


Oficina Cultural Oswald de Andrade

Rua Três Rios, 363, Bom Retiro

Quando: 26 a 30 de setembro, de terça a sexta, às 19:30h, e no sábado, às 18h

Compartilhar Publicação
Link para Compartilhar
Publicação Anterior

X-Men: Os ‘cinco originais’ são trazidos de volta para salvar o Multiverso

Próxima publicação

Justiça manda pintor que expôs telas em branco devolver R$ 340 mil para museu

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia a seguir