“Gravadas no Corpo” em SP

Mulheres que pesquisam o corpo a partir da gravura e de processos gráficos no Brasil contemporâneo.

25
0

Com curadoria de Ana Carla Soler, a exposição “Gravadas no Corpo” traz um mapeamento de gravuristas que investigam o corpo a partir da perspectiva da mulher. A mostra reúne o trabalho de 28 artistas em atividade no Brasil, que atuam no campo da gravura e de processos gráficos. Estão lá obras de Ana Calzavara, Andrea Hygino, Cleiri Cardoso, Elisa Arruda, Eneida Sanches, Leya Mira Brander, Gabriela Noujaim, Natali Tubenchlak, Nara Amelia, entre outras. A exposição vai de 27 de março até 21 de abril de 2024, no Bananal Arte e Cultura, na Barra Funda, em São Paulo.

O mote propulsor dessa exposição é o corpo de trabalho de Käthe Kollwitz (1867-1945), desenhista, escultora e gravadora alemã, que em um cenário entre a I e a II Guerra Mundial, teve um papel fundamental nos movimentos antiguerra. Seus trabalhos trazem figuras femininas como protagonistas dos horrores causados pelo período bélico. São mães protegendo seus filhos, mulheres enfrentando a morte cercando seus entes queridos e a fome e a miséria provenientes das crises econômicas. No Brasil, o trabalho de Kollwitz ganhou projeção nacional no início do século XX, impulsionado pela crítica especializada. Mario de Andrade, Flávio de Carvalho e Mário Pedrosa foram críticos e escritores que escreveram importantes análises sobre sua obra.

Tendo como inspiração as investigações de gravuristas mulheres sobre o corpo feminino, a exposição é dividida em três eixos. Um deles é “Onde cabe o corpo”, que traz trabalhos que questionam as relações do corpo perante a sociedade, o meio ambiente e a natureza, com obras de artistas como Natali Tubenchlak, Andrea Hygino e Marina De Bonis. Outro núcleo é “Representação ou Autorrepresentação”, que reúne trabalhos que de artistas que investigam a própria imagem a partir das artes gráficas, incluindo obras de Ana Calzarava, Gabriela Noujaim e Cleiri Cardoso. O terceiro grupo chama-se “Narrativas gravadas” e trata de obras desenvolvidas a partir de obras literárias, contos, poesias ou que tenham em sua essência a construção narrativa. Nesse grupo estão obras de Nara Amelia, Leya Mira Brander, Hully Roque, entre outras.

O projeto é resultado da pesquisa da curadora, que estuda a presença feminina na gravura nacional. “O Brasil é uma referência mundial na gravura, sendo muito conhecido internacionalmente pela produção entre as décadas de 1940 e 1970, mas que nos últimos anos tem visto nos espaços contemporâneos cada vez menos trabalhos e artistas que exploram essa linguagem. Essa mostra é uma espécie de mapeamento que visa reunir importantes nomes da gravura contemporânea em conjunto. Além disso, carrega a ambição de ampliar o conhecimento tanto do público, como também de pesquisadores, críticos, curadores e agentes do sistema da arte sobre gravadoras que têm pesquisas sólidas em gravura”, conta Ana Carla Soler.

Artistas que participam da exposição:
Anabel Antinori (SP), Ana Calzavara (SP), Ana Clara Lemos (RJ), Ana Fátima Carvalho (MG), Andrea Hygino (RJ), Andrea Sobolive (SP), Angela Biegler (MG), Barbara Sotério (RJ), Beatriz Lira (SP), Bruna Marassato (SP), Camila Albuquerque (CE), Catarina Dantas (PE), Cleiri Cardoso (RJ), Elisa Arruda (PA), Eneida Sanches (BA), Gabriela Noujaim (RJ), Hully Roque (RJ), Julia Bastos (SP), Julia Contreiras (SP), Letícia Gonçalves (SP), Leya Mira Brander (SP), Luciana Bertarelli (SP), Luiza Nasser (SP), Marina De Bonis (SP), Nara Amelia (RS), Natali Tubenchlak (RJ), Patricia Brandstatter (SP).

Período expositivo: de 27/03 a 21/04/2023
Horário: quinta e sexta, das 12h às 18h. Sábado, das 10h às 16h
Local: Bananal Arte e Cultura Contemporânea
Endereço: R. Lavradio, 237 – Barra Funda – São Paulo – SP

Na imagem, obra de Elisa Arruda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *