“Praticantes do amor cujo nome não se ousava dizer” no Sesc Copacabana

Com roteiro e direção de Natássia Vello, a montagem reflete sobre os lugares de existência de figuras socialmente marginalizadas, a partir de técnicas de circo como trapézio, força capilar, paradas de mão, contorcionismo e acrobacias
"Praticantes do amor cujo nome não se ousava dizer” no Sesc Copacabana – Ambrosia

Como as figuras socialmente marginalizadas, alvo de preconceitos e caricaturas, encontram seus espaços de existência? Como as fronteiras de gênero e sexualidade se relacionam com os espaços urbanos? Como as fragilidades, subitamente, podem se tornar potências? O grupo Circo no Ato se guiou por essas perguntas para a criação do espetáculo “Praticantes do amor cujo nome não se ousava dizer”, em cartaz, no Sesc Copacabana, com sessões de quinta a domingo, às 20h, até 10 de dezembro. Com roteiro e direção de Natássia Vello, a montagem procura destruir simbolicamente as estruturas de poder ao criar um espaço de existência atravessado por dores, medos, amores e desejos de três corpos desviantes, vividos pelos atores-acrobatas Camila Krishna, Carol Costa e Rafael Garrido. O espetáculo foi contemplado no Edital Sesc RJ Pulsar 2022.

A dramaturgia foi criada a partir de inspirações do livro “Novas fronteiras das histórias LBGTI+ no Brasil”, com organização de Paulo Souto Maior e Renan Quinalha. A coletânea apresenta 24 artigos inéditos sobre dimensões ainda pouco exploradas da história LGBTI+ no Brasil, com foco na vivência em contextos de maior vulnerabilidade e precariedade. O espetáculo é um desdobramento do anterior, “Livre Acesso”, que provocava reflexões sobre a construção social dos papéis de gênero na sociedade. Mas as acrobacias coletivas, marcas do trabalho anterior, agora dão lugar a técnicas como trapézio, força capilar, paradas de mão, contorcionismo e acrobacias individuais. Com uso de projeções e uma estrutura de ferro piramidal, os artistas se alternam e se juntam em cenas que evidenciam a opressão do sistema, a liberdade sexual e a luta contra os poderes estabelecidos.

“No espetáculo anterior a gente mostrava de que maneira a construção dos papéis de gênero e o patriarcado estão relacionados ao surgimento do capitalismo. A opressão da mulher era foco do trabalho. Agora, desdobramos essa pesquisa para questões da comunidade LGBTQIAPN+”, explica a diretora Natássia Vello. “Minha dramaturgia pensa sobre as fronteiras de gênero, as fronteiras de poder, de território, centro e periferia. Também abordamos conflitos sociais e raciais, já que é impossível falar de gênero e patriarcado sem passar pelas questões raciais”, completa.

"Praticantes do amor cujo nome não se ousava dizer” no Sesc Copacabana – Ambrosia
"Praticantes do amor cujo nome não se ousava dizer” no Sesc Copacabana

Em cena, os artistas realizaram diversos números com figurinos marcados pelo jeans, tecido democrático, usado por diferentes pessoas variadas em culturas e tempos diversos. As cenas do trio são inspiradas por personagens presentes no livro, que viveram desde o período colonial até a atualidade. Um deles é o Gica, que viveu na fronteira do Mato Grosso com o Paraguai: negro, homossexual, pobre, periférico, e figura respeitada e poderosa. “As fragilidades, dependendo de seus contextos e de como são agenciadas, também podem virar potência”, conclui Natássia.

Ficha técnica:

Direção e roteiro: Natássia Vello

Elenco: Camila Krishna, Carol Costa e Rafael Garrido

Direção de Arte: Ianara Elisa

Trilha Sonora: Felipe Storino

Iluminação: Livs

Filmagem e edição: Paula Diniz

Identidade Visual: Bianca Oliveira

Fotografia e Still: Renato Mangolin

Assessoria de Imprensa: Rachel Almeida (Racca Comunicação)

Cenotécnico: Maranhão

Direção de Produção: Circo no Ato

Produção Executiva: Clarissa Menezes

Serviço

Espetáculo “Praticantes do amor cujo nome não se ousava dizer”

Temporada: 17 de novembro a 10 de dezembro de 2023

Sesc Copacabana / Arena: Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, Rio de Janeiro – RJ

Telefone: (21) 2547-0156

Dias e horários: quinta a domingo, às 20h. Dia 9/12, às 17h e 20h.

Ingressos: R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia-entrada) e R$ 7,50 (associado do Sesc)

Lotação: 242 lugares

Duração: 1h

Classificação: 14 anosVenda de ingressos: bilheteria do teatro, de terça a sexta, das 9h às 20h; sábados, domingos e feriados, das 14h às 20h.

Total
0
Links
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ant
Com Suzy Brasil, Gilberto Gawronski e Clarisse Derzié Luz, “Sentença de Vida” faz temporada no Teatro Firjan SESI Centro
Com Suzy Brasil, Gilberto Gawronski e Clarisse Derzié Luz, “Sentença de Vida” faz temporada no Teatro Firjan SESI Centro – Ambrosia

Com Suzy Brasil, Gilberto Gawronski e Clarisse Derzié Luz, “Sentença de Vida” faz temporada no Teatro Firjan SESI Centro

Como parte das ações referentes ao Dezembro Vermelho, comédia inspirada na

Prox
Treta Cooperativa Espacial em This Means Warp
Treta Cooperativa Espacial em This Means Warp – Ambrosia

Treta Cooperativa Espacial em This Means Warp

Escolha sua nave, cada uma com suas vantagens e desvantagens e saia por aí

Sugestões para você: