Reestreia o solo Pagú – Até Onde Chega a Sonda, no Teatro Vivo

14
0

Patricia Galvão – Pagú (autora homenageada da FLIP 2023) é o ponto de partida desse espetáculo, que conta com direção de Elias Andreato, dramaturgia assinada por Martha, feita a partir de um manuscrito inédito de Pagú.

Duas mulheres tem suas histórias contadas. Pagú, em 1939, presa pela ditadura Vargas, na Casa de detenção. Martha, no auge do seu puerpério e da pandemia de 2021. A reestreia é dia 23 de agosto e tem curta temporada.

Um manuscrito, inédito até então, deixado pela escritora, poeta, feminista, desenhista, jornalista e militante Patrícia Rehder Galvão (Pagú) (1910-1962) é o ponto de partida para Pagú – Até Onde Chega a Sonda. O espetáculo tem direção de Elias Andreato e atuação de Martha Nowill – que também assina o texto. 

A peça estreou no final de 2022 no Sesc Pompeia com sessões esgotadas e fez uma segunda temporada de sucesso no Teatro Eva Herz, agora retorna aos palcos do TEATRO VIVO, com apresentações às quartas às 20h.

A história desta história

Em maio de 2018, a atriz e escritora Martha Nowill conheceu Rafael Moraes, um colecionador de arte, que lhe apresentou um manuscrito inédito de Patricia Rehder Galvão, a Pagú, escrito na casa de detenção em 1939, durante a ditadura de Getúlio Vargas. Rafael havia comprado o manuscrito e outros objetos pertencentes à artista, de um leiloeiro, 20 anos antes.

Martha Nowill viu ali potencial para a realização de um espetáculo, mas havia dificuldade em transformar o texto de Pagú, tão denso, poético e pouco narrativo, em teatro. Ela se associou à produtora Dani Angelotti e juntas, o projeto começou a ganhar forma.

Com a colaboração da atriz Isabel Teixeira, Martha desenvolveu uma escrita feita a partir de depoimentos, na qual ela, mãe de gêmeos nascidos na pandemia, se mistura com Pagú e seu manuscrito. Desse processo surgiu a dramaturgia, que traz trechos do manuscrito original de Pagú, entrecortados por relatos pessoais, resultando em um encontro improvável e cheio de pontos de diálogo entre mundos separados por mais de 60 anos.

Elias Andreato chegou ao processo para que com sua cuidadosa direção, e extensa experiência com solos, conduzisse a encenação.

Sinopse

Em cena os dois femininos dividem e se misturam no espaço, o da atriz e o de Pagú. As personagens compartilham temas como machismo, maternidade, feminismo, suas angústias, alegrias e processos criativos. Com humor e auto-ironia, Martha coloca uma “lente de aumento” em fatos cotidianos, refletindo sobre a vida não só dela e de Pagú, mas de todas as mulheres.

Alguns trechos do espetáculo:

“É muito ruim, depois que eu fui mãe, eu esqueço. Eu leio as coisas e esqueço. Eu leio, eu entendo. Falo: nossa, que legal isso, que coisa importante que eu acabei de ler. Depois eu esqueço. Eu queria que minha vida tivesse aquele previously das séries, que algumas têm, sabe? Que toda vez que você vai começar um novo capítulo, ele te dá um mini resumo de tudo o que aconteceu antes? Eu estou precisando de um previously porque, nossa, eu não lembro de nada.” Trecho da dramaturgia escrito por Martha.

“Como subtrair desta avalanche que é o meu mundo, algo coerente, direitinho, com sequência. As ideias me escapam, escorrem dos meus dedos, elas ultrapassam a própria capacidade. Tudo é tão rápido que deve haver coincidência no tempo ou não deve haver tempo. No mesmo instante penso de diversas formas e sinto de diversos modos.” Trecho do manuscrito original de Pagú.

Um pouquinho sobre Pagú

Patrícia Rehder Galvão, a Pagu (1910-1962) foi uma escritora, jornalista, produtora cultural e militante política brasileira. Foi a primeira mulher brasileira a ser presa política no século XX. Filha de uma tradicional família paulista se comportava fora dos padrões da época, fumava na rua, falava palavrões e usava roupas pouco convencionais.

Com 15 anos, já colaborava com o Brás Jornal, com o pseudônimo de Patsy. Em 1928 completa o curso de professora na Escola Normal de São Paulo e conhece o casal Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral, que haviam fundado o Movimento Antropófago. Em 1930, causa um escândalo na sociedade da época, quando Oswald  se separa de Tarsila e passa a viver com ela, grávida de seu primeiro filho. 

Três meses após o parto, Pagu viaja pra Buenos Aires, para um festival de poesia, lá conhece Luís Carlos Prestes. Na volta filia-se ao Partido Comunista Brasileiro. Em 1931, junto com Oswald, funda o jornal “O Homem do Povo” e ao participar de uma greve de estivadores em Santos, é presa pela polícia de Getúlio Vargas.

Em 1933 Pagu publica “Parque Industrial”, sob o pseudônimo de Mara Lobo e inicia uma viajem pelo mundo, como correspondente de vários jornais. Em 1935, filia-se ao partido comunista na França e é presa em Paris. Com identidade falsa volta ao Brasil. Separa-se do marido e ao retornar às suas atividades jornalísticas é novamente presa e torturada pela ditadura. Pagu passa cinco anos na cadeia, onde escreve, entre outras coisas, o manuscrito deste espetáculo.

Ao sair da prisão, tenta o suicídio, rompe com o Partido Comunista e passa a defender o socialismo. Em 1945 casa-se com Geraldo Ferraz e dessa união nasce seu segundo filho. Em 1946 passa a colaborar com diversos jornais, entre eles, A Manhã, O Jornal, A Noite e o Diário de São Paulo. Com o pseudônimo de “King Shelter” escreve contos de suspense para a revista “Detetive”, dirigida por Nelson Rodrigues.

O casal se muda para Santos e em 1952 Pagu passa a frequentar a Escola de Arte Dramática de São Paulo. Dedica-se especialmente a grupos amadores e lidera a campanha para a construção do Teatro Municipal, além de fundar a Associação dos Jornalistas Profissionais. Em 1962, Pagu volta a Paris, para o tratamento de um câncer. Sem êxito, tenta novamente o suicídio. Muito doente, publica no jornal “A Tribuna”, o poema “Nothing”.

Pagu morre em Santos dia 12 de dezembro de 1962.

Ficha Técnica

Pagú – Até Onde Chega a Sonda

Dramaturgia: Martha Nowill

a partir do manuscrito de Patricia Galvão – Pagú

Direção: Elias Andreato

Com: Martha Nowill

Cenografia: Marina Quintanilha 

Trilha Sonora: Ed Côrtes

Iluminação: Elias Andreato e Junior Docini

Preparador corporal: Roberto Alencar

Figurino: Marichilene Artisevskis

Colaboração dramaturgia – escrita na cena: Isabel Teixeira

Assistente de direção e fotografia: Rodrigo Chueri

Coordenação técnica e operação: Junior Docini

Direção vocal interpretativa: Lucia Gayotto

Visagismo: Louise Helene

Designer: Luciano Angelotti

Assessoria de imprensa: Pombo Correio 

Operação: Henrique Sanchez

Assistente de Produçao: Dairzey Abnara

Produção Artística e Direção de Produção: Dani Angelotti

Idealização: Martha Nowill

Realização: Mil Folhas e Cubo Produções

Serviço

PAGÚ – Até Onde Chega a Sonda 

Temporada: 23 de agosto a 4 de outubro de 2023

Quartas às 20h

Teatro Vivo Av. Chucri Zaidan, 2460

Ingressos: R$60 (inteira) e R$30 (meia-entrada)

Vendas: https://l1nk.dev/kgcGI

Classificação: 12 anos 

Duração: 80 minutos 

Pombo Correio
WRITTEN BY

Pombo Correio

A Pombo Correio Assessoria de Comunicação foi fundada em 2013 pela jornalista e atriz Heloisa Cintra Castilho (formada em Comunicação Social pela PUC-SP, com pós Graduação em Mídias Digitais pela FGV e Artes Cênicas pelo Teatro Escola Célia Helena) e pelo publicitário Douglas Picchetti (formado pelo Mackenzie). O braço cultural da empresa já atendeu mais 600 espetáculos de teatro, dança e música, exposições em artes visuais. Atuamos também em trabalhos em audiovisual, literatura e projetos educacionais. A empresa faz assessoria de imprensa, mídias sociais, redação de textos, gerenciamento de crise e media training. Com foco em uma comunicação ampla e cuidadosa, olhamos para cada projeto como único, respeitando suas especificidades e trabalhando para que ele seja comunicado da forma mais adequada e eficiente possível.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *