Telma Gadelha expõe na galeria da UFF

18
0

Telma Gadelha apresenta a série de pinturas “Guerreiros, Cães e Reis” na galeria de arte da UFF, no evento “A Ponte”. A artista baiana, criada no Ceará e que vive no Rio de Janeiro apresenta cerca de 12 obras inéditas, em acrílica e/ou óleo sobre tela. As outras exposições no local são de Jamex, Thiago Almeida e do coletivo Raquel Reine Areias Gandra. Os quatro foram selecionados através de Edital de Artes Visuais da UFF para expor na galeria e participar de uma coletiva no Museu Janete Costa, no Ingá. O projeto faz parte do 13º Interculturalidades – Inventação, que celebra a arte e a cultura brasileira, em programação elaborada pelo Centro de Artes UFF e a Fundação de Arte de Niterói. A entrada é gratuita e a mostra pode ser visitada de 20 de setembro até 29 de outubro.

Os trabalhos de Telma Gadelha reunidos no projeto são inspirados em viagens recentes da artista ao Cariri cearense, onde pesquisou os cortejos festivos do Ciclo de Reis, os chamados quilombos de Juazeiro do Norte. Em suas pinturas somos arremessados à grandeza do festejo pelos detalhes. Como uma câmera, que se concentra em pequenos planos, recortes e zooms, suas telas retiram da multidão personagens específicos ou aspectos de fantasias, com grande contraste e luminosidade. Em obras multicoloridas de tamanhos variados, entre 35 x 25 cm e 160 x 130 cm, predominam verdes, azuis e vermelhos de intensa beleza e vibração.

Não vemos seus rostos, mas estão lá os famosos mestres, que comandam cada cortejo, com seus reis e rainhas, príncipes e princesas, embaixadores e guerreiros, representados por coroas, mantos e armaduras carregadas de fitas, lantejoulas e espelhos. Encontramos também os Mateus e Catilinas, personagens cômicos emblemáticos da festa, com a cara pintada de preto. “Essa exposição é antes de tudo uma celebração da peleja lúdica do povo cearense. São pinturas que homenageiam as cores e movimentos do Reisado, a luta entre a luz e a treva, o caos e a ordem”, diz a artista.

Também chamado de Folia de Reis, o Reisado é uma manifestação popular que celebra a visita dos três reis magos a Belém. A celebração inicia-se no Natal, indo até 6 de janeiro, dia em que os reis presenteiam o menino Deus com os dotes de rei (o ouro), de Deus (o incenso) e de mortal (a mirra). São considerados aí como doze dias de sorte e profecia, que espelham os doze meses do ano vindouro. Cada Reisado é comandado por um mestre, que imprime originalidade a seu grupo. Em Juazeiro, um dos mais famosos é o Reisado Discípulos de Mestre Pedro, também chamado Reisado dos Irmãos, comandado por mestre Raimundo e mestre Antônio, retratados por Telma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *