em

Quartas de Sangue e Riso #8 – The Pacific Pt. VII

O artigo contém SPOILERS para quem não assistiu à The Pacific Pt. VII.

Chegamos ao sétimo capítulo – intitulado ‘Peleliu Hills’ – e o terceiro a abordar o conflito na ilha já mencionada. Finalmente os fuzileiros conseguiram tomar o aeroporto, o principal objetivo desde que os soldados chegaram à ilha e um dos mais importantes pontos estratégicos que possibilitam iniciar a investida ao império japonês. O que a inteligência americana não sabia, é que na ilha havia um elaborado sistema de túneis com mais de 500 caminhos, e que muitos inimigos ainda mantinham-se ali. O objetivo agora é erradicar os japoneses entrincheirados; um trabalho deveras exaustivo que toma cerca de 30 dias de campanha, o que inicialmente deveriam ser no máximo três.

O clima deste episódio se revela melancólico e desanimador num primeiro instante. O grande objetivo fora alcançado, mas com ele – ao invés de descanso, comida e uma boa noite de sono – vem mais sangue, tiros e marchas infinitas. Eugene Sledge mantém um registro de suas memórias e sentimentos em sua Bíblia. Inicialmente percebemos que o rapaz luta para manter sua mentalidade humana em meio à loucura da guerra, neste episódio assistimos sua personalidade se modificar aos poucos, até torná-lo um ser um pouco menos humano, e muito mais animal. É interessante analisarmos o comportamento dos soldados japoneses que, assim como os gloriosos guerreiros Samurais de outrora, ignoram a rendição; eis a maldição do exército japonês em toda guerra no Pacífico.

Foi um episódio intenso. O mentor e líder do grupamento mostrado desde a parte V, o Capitão Haldane, falece após ser atingido na cabeça por um projétil inimigo. Foi talvez o clímax do capítulo, com todos os seus companheiros chorando e lamentando sua morte. Antes disso vemos até mesmo o Sargento tipo linha dura apático, quase perdendo sua consciência para loucura, mostrando que a guerra não poupa nem os mais fortes e experientes. Em uma cena, a sanidade mental de Sledge se delineia por um fio. Após a morte do capitão, o rapaz insinua querer arrancar os dentes de ouro de um japonês morto. Snafu, seu companheiro de combate, vendo que o amigo tornar-se-ia ele próprio no futuro, o impede, alegando que Sledge poderia se contaminar por germes. Apesar do impedimento, vemos uma mudança clara em sua personalidade já que em dois episódios atrás esta idéia nem ao menos passava por sua cabeça.

Nos EUA vemos John Basilone, herói nacional, sendo premiado pela milésima vez. O ex-combatente, porém, não se encontra tão bem assim. Passa um dia inteiro praticando golfe até suas mãos sangrarem, enquanto cenas da guerra em Guadalcanal passam em sua mente. Está chegando à hora de ele voltar ao campo de batalha.

O episódio termina com os Marines voltando à Pavuvu, e sendo recebidos por belíssimas enfermeiras servindo sucos. É um contraste extremamente depressivo e impressionante.

Hoje ficamos por aqui. Até semana que vem com o retorno das comédias da CBS e mais uma parte de The Pacific! 😀

Deixe sua opinião