Matéria Escura tinha tudo para nos fisgar com sua proposta de mundos paralelos

Ficção científica do Apple TV+ não conquista em sua promessa

68
0

Em um mar de produções televisivas que inundam nossas telas a cada ano (mais de 500 apenas nos Estados Unidos), a tarefa de se destacar e oferecer algo além de promessas de “boa qualidade” se torna cada vez mais árdua. É nesse cenário que o Apple TV+ se encontra, buscando se consolidar como o lar da ficção científica … mas esbarra nos roteiros falhos que impedem a plataforma de alcançar seu potencial máximo.

É o caso de Matéria Escura (Dark Matter), uma adaptação do romance homônimo de Blake Crouch que, aliás, é o responsável pela criação e roteiro desta série. A série tinha o potencial de ser um thriller psicológico intrigante e angustiante, entrelaçado com elementos de ficção científica e suas dimensões alternativas. Tal obra poderia ter preenchido o vazio deixado por Constelação (2024), série que também explorou esses temas de maneira similar. No entanto, a série não consegue alcançar todo o seu potencial.

Protagonizada por Joel Edgerton e com Jennifer Connelly, Alice Braga e Jimmi Simpson no elenco principal, a série nos leva à história de Jason, um professor que numa bela noite é sequestrado e levado para uma dimensão alternativa. Ao tentar ver o que aconteceu, veremos que seu sequestrador é uma versão de si mesmo, que começa a viver a vida da qual desistiu.

Começando com uma abertura suave, poderíamos dizer que há muitas razões pelas quais Matéria Escura não funciona. Além das questões de tom ou de como Crouch quer contar a história como se fosse a primeira vez que o espectador ouviu falar do conceito de multiverso em 2024, o que mais atrapalha a série é o elenco incapaz de distinguir suas outras versões.

Temos uma pequena mistura entre relutância interpretativa, especialmente de Edgerton, e z péssima direção de atores do diretor Jakob Verbruggen. Cuidado, é interessante estabelecer certos limites para que o personagem de uma dimensão e de outra não tenham personalidades muito diferentes… mas um perfil melhor teria sido útil além do fato de que, convenientemente, alguém é espancado para ser marcado durante a aventura.

Claro, em teoria, Jason 1 é um homem de família e professor que poderia ter sido um grande cientista; Jason 2, é uma versão que abriu mão de seu amor para alcançar esse sucesso em sua área. Em teoria, ambos têm visões diferentes da vida e dos relacionamentos (vistas, por exemplo, quando Jason 2 conversa com o filho de Jason 1 sobre meninas). Na prática, Edgerton não consegue distingui-los . Jennifer Connelly se sai um pouco melhor (mas nada digno de nota) nesse sentido quando se trata de interpretar Daniela.

Uma indefinição que permeia toda a série e que também retira toda a complexidade e a profundidade do tema. Não que seja tanto uma questão de cansaço da trama sobre multiversos , mas sim do fato da série não contribuir com nada relevante. Nem mesmo como estudo de personagens e caminhos não percorridos.

Resumindo, pode haver um universo alternativo em que esta série funcione bem . Afinal, ele contém muitos dos ingredientes necessários para se envolver com tramas de multiversos e vidas não vividas. Porém, o que chegou até nós seja algo tímido e sem motivação.

Matéria Escura

Matéria Escura
5 10 0 1
Nota: 5/10 Regular
Nota: 5/10 Regular
5/10
Total Score iRegular
Cadorno Teles
WRITTEN BY

Cadorno Teles

Cearense de Amontada, um apaixonado pelo conhecimento, licenciado em Ciências Biológicas e em Física, Historiador de formação, idealizador da Biblioteca Canto do Piririguá. Membro do NALAP e do Conselho Editorial da Kawo Kabiyesile, mestre de RPG em vários sistemas, ler e assiste de tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *